Inflação: A Revanche

31 de julho de 2015

Cadeia para os vendidos

Para nós ocidentais às vezes é difícil a compreensão de algumas atitudes dos asiáticos, principalmente dos chineses. Todos estão acompanhando pelos jornais as quedas da bolsa da China, no post preço-da-banana, fiz um resumo do que vem acontecendo. Como é de costume em situações como estas, surgem os ganhadores, ou por terem vendido suas ações antes das quedas, ou aqueles mais agressivos que se envolvem em vendas a descoberto.

O governo Chinês tem se mostrado bastante preocupado e vem tomando medidas para evitar maiores quedas, que poderiam minar a confiança da população. Mas mesmo assim não conseguiram, terminando o mês com o pior desempenho desde 2009.


Resolveram ir mais a fundo e pediram para as corretoras e bancos identificarem quem seriam os vendedores a descoberto. Fico imaginando como eu me sentiria se estivesse nesta situação, ainda mais sendo um estrangeiro. Nada confortável, lembranças do tempo de comunismo vem a mente. Agora qual será a reação dos governantes com a lista na mão, mandariam uma carta gentil pedindo para liquidarem suas posições, ou um ultimátum "zera tudo já"? Parece que a segunda alternativa seria a mais provável.

Tudo não teria a menor importância, caso se tratasse de um país sem muita importância, tipo uma Venezuela que confisca produtos das companhias por que estão subindo muito seus preços. Também, com o câmbio oficial do bolívar em $ 6 e o paralelo cotado a $ 740, qualquer coisa é valida. Mas a China, sendo a segunda economia do mundo e com pretensões de ser a primeira, uma atitude dessas não é muito bem vista.

O especulador não deve ser encarado com raiva, mas como um elemento regulador de preços, se algum ativo sobe demais, superando os critérios tidos como esperados, são eles que evitam uma catástrofe muito maior no futuro, pois os preços tenderiam a subir ainda mais, e vice-versa quando os preços caem demais. Eles podem estar errados, e se isso acontecer, vão pagar caro por seus erros. Qualquer intervenção do governo é prejudicial, não quero dizer que não não deva existir regras para as vendas a descoberto, são necessárias. Agora "pressionar" por coação ou medo, é ruim.

O crescimento dos salários no 2º trimestre deste ano nos USA, foi o pior de toda a serie histórica. A Yellen e seus colegas estão contando com esta elevação de rendimentos para impulsionar a economia e trazer a inflação para sua meta de 2% a.a. Este retrocesso pode gerar alguma reação de membros do FED para postegar a elevação dos juros.


Essa informação colocou os otimistas mais cautelosos, e motivou uma reversão dos movimentos de alta do dólar e dos juros. No post desafiando-gravidade, fiz os seguintes comentários sobre os juros de 10 anos: ...Para se ter uma convicção maior, que os juros deram meia-volta (queda), o nível de 2,10% tem que ser rompido, até lá o que está ocorrendo pode ser uma correção...
Agora pela manhã um nível muito importante está sob teste, ao redor de 2,18% a.a., caso seja rompido, novas quedas poderão acontecer e isto significa que o mercado estaria antevendo uma postergação da data da subida dos juros.

Fiquem de olho neste nível, pois caso seja rompido, "Washington we have a problem"! Hahaha...

O SP500 fechou a 2.103, com queda de 0,23%; o USDBRL a R$ 3,4204, com alta de 1,48%; o EURUSD a 1,0987, com alta de 0,51%; e o ouro a US$ 1.095, com alta de 0,72%.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário