2020: O risco vai compensar?

15 de fevereiro de 2013

Ações no longo prazo?



Uma frase que todo mundo conhece na área de Investimentos é que: Ação é bom Investimento no longo prazo. Na primeira vez que ouvimos, parece fazer todo o sentido do mundo, afinal é uma aplicação arriscada, que pode oscilar no curto prazo, mas no longo prazo deveria dar lucro. Conforme o tempo vai passando e pelas  experiências vividas, as vezes funciona e as vezes não. 
Algumas perguntas devem ser feitas: 
  1. O que é longo prazo, 5 anos, 10 anos ou 30 anos? 
  2. Qual o retorno esperado comparado com outras alternativas?
  3. É necessário uma gestão ativa da carteira?

Vou me basear num estudo feito sobre o SP500, onde os dividendos recebidos foram totalmente reinvestidos e os preços ajustados pela inflação. A linha em azul é a evolução com as considerações acima e em vermelho o retorno obtido após um período de 5 anos.

Por exemplo, se você tivesse investido US$ 10.000 há 5 anos atrás, teria hoje US$ 11.071, uma taxa medíocre de 2,04% a.a. Se fosse feita a mesma pergunta em março de 2009 o seu total seria de US$ 5.521, uma perda de quase metade do seu capital.


Se ao invés, o período fosse de 10 anos, seu retorno teria aumentado significativamente, o valor final hoje seria de aproximadamente US$ 16,0 mil, um retorno de 4,8% a.a. Se você estivesse no ano 2000, o retorno dos últimos 10 anos seria de US$ 49.638, uma taxa anualizada de 16,13% a.a.!


Se a janela passasse agora para 20 anos, a volatilidade diminuiriá bastante onde as mínimas seriam mais altas e as máximas menos elevadas.



Para um período mais longo de 30 anos ficou contido entre 2% e 11%.


E ai, o que achou? É natural que ao observar este último gráfico, um certo conforto aparente levaria você a considerar o refrão, mas quantos períodos de 30 anos se vive? Outro fator provável é que o acumulo de seu patrimônio é feito no período em que estava trabalho, e é mais provável que você tenha mais recursos quando estiver mais velho, quando não dá para arriscar tanto.

Durante minha vida profissional eu não fui muito de equities, minha experiência maior foi na renda fixa e câmbio. Por que? Não sei, talvez eu seja um investidor arrojado, mas não agressivo. Bem, paciência, agora só na próxima encarnação! Hahahahah.... Em todo caso, a minha conclusão é que você ganharia mais por sorte do que qualquer outro argumento.

David, mas não dá para saber se uma ação está cara ou barata fundamentalmente?
Bem vindo,  já faz um bom tempo que não aparece! Você está correto, mas o que adianta isso, se quando as ações estão caras a frenética de compra empurra mais para cima, ou quando estão baratas, o medo empurra para baixo? Mas eu concordo que se você decidir comprar, a chance de dar certo é maior quando o P/L está baixo.

Quanto ao último argumento, é mais fácil responder quais eram, há 30 anos atrás, as maiores companhias americanas? Das companhias pertencentes ao Dow Jones, somente oito ainda continuam, confira!




O SP500 fechou a 1.519, com queda de 0,10%; o real a R$ 1,9680, com alta de 0,56% e novas declarações de nosso Ministro Mantega que o real não vai se valorizar muito e que se a inflação subir o BC deveria subir os juros! Será que ele leu o mosca? Hahahahah....; o euro a 1,3362, sem alteração e o ouro a US$ 1,609, com baixa de 1,62%, Uallll!!! comentários na segunda-feira.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário