Inflação: A Revanche

14 de dezembro de 2016

Real: Quando o acerto pode gerar uma perda



Os mercados emergentes sentiram 0 impacto logo após a vitória do Trump, tanto nas suas moedas como nos juros. Naturalmente, o peso mexicano foi o mais afetado; acho que o troglodita teve um grande problema com alguma empregada mexicana na sua casa e, por conta disso, ficou com raiva de todos eles. Vocês podem achar bizarro, mas para as pessoas que acreditam serem as donas da verdade esse tipo de transferência não é raro.

Mas, onde se pode verificar se existe uma ameaça real? Nas reservas desse país. O gráfico a seguir calcula a relação entre o total de reservas contra a dívida externa de curto prazo. Quanto maior esse indicador em um país, menos sujeito o mesmo está a um ataque especulativo. Notem que estamos como um dos melhores, perdendo apenas para a Rússia.


- David, e os swap cambias, não deveriam ser considerados? Eles são compromissos de curto prazo.
Boa a sua pergunta, mas a resposta é não. O motivo é que embora sejam obrigações que o país tem em moeda estrangeira, sua liquidação se dá em moeda local. Assim, se o dólar subir às alturas, não perderemos reservas, o que acontece é um rombo fiscal.

A situação do dólar vis-a-vis o real ainda é de alta no longo prazo. O que eu não consigo dizer ainda é se o movimento de alta já começou ou se ainda estamos na correção cujo início foi em janeiro de 2016. Para que fique mais claro, vou dividir em dois cenários.

“In god we trust” – Este é o cenário que eu acredito mais provável, e onde possuímos uma posição comprada em dólar. Entretanto, venho frisando que é necessário o dólar ultrapassar a barreira dos R$ 3,65 e depois R$ 3,75; antes disso ainda é incerto. No post naâo-arrisque-ficar-rico-pela-segunda-vez comentei: ... “O objetivo será entre R$ 3,60 – R$ 3,75 a ser definido melhor mais à frente. Caso o que estou esperando aconteça, ficarei bastante confiante numa alta mais consistente do dólar no longo prazo. Posso adiantar que o nível de R$ 4,25 será testado novamente, seria uma alta expressiva superior a 25%! Mas, é fundamental que o nível de R$ 3,26 não seja tocado; não que isso elimine completamente minha expectativa” ...

Partindo das premissas que os níveis acima sejam ultrapassados, veja a evolução do dólar que espero no longo prazo – linha azul.


Neste caso, podemos esperar um objetivo de R$ 4,80 e em ultrapassando R$ 5,80; altas nada desprezíveis de 45% e 75%. Agora, não esperem esse movimento para amanhã, e nem para 2017, mas em um prazo mais longo.

“Zen” – Nesta situação o dólar ainda permaneceria “zen” por mais um tempo e poderia atingir o nível de R$ 2,80, para em seguida iniciar seu movimento de alta para níveis menores R$ 4,50 e R$ 5,50. Os percentuais de alta seriam muito semelhantes aos anteriores.


Como em toda avaliação técnica, é importante identificar o nível onde a análise está errada e, neste caso, seria R$ 2,50.

- David, esse nível é Impossível!
Nada é impossível, mas sou de concordar que parece pouco provável. Em todo caso, fica o alerta. Considerando a baixa probabilidade de o dólar atingir R$ 2,50, ao atingir o nível de R$ 2,80 merecerá uma boa aposta.

A referência que fiz no título é função dos elevados juros que se paga quando o trade é na compra de dólares. O que eu quero dizer com isso é que movimentos não muito importantes podem causar prejuízos mesmo que você esteja certo. Por exemplo, o dólar agora se encontra a R$ 3,31 e, se fizermos uma operação de compra de dólar por um ano, a taxa final será de R$ 3,67. Isso significa que, para você ganhar alguma coisa, o dólar deverá estar acima desse nível.

Assim, se você fez um trade acreditando que o dólar subiria acima dos R$ 3,31, entretanto não ultrapassou R$ 3,67 depois de um ano, você acertou mas perdeu dinheiro!

Com isso em mente, deve-se ter muito mais cuidado na compra de dólares do que na venda, cujo o efeito vem a seu favor. Nunca esqueça! O dólar tem de subir forte e rápido; esse é o melhor dos mundos para apostas contra o real.

Mas não fiquem chateados, pois se minha expectativa de alta de juros nos EUA se confirmarem, esse diferencial (a taxa de juros implícita na cotação futura do dólar) tenderá a diminuir significativamente. 

Tudo são conjecturas no momento. Por enquanto, para operar o dólar contra o real, a Mosca tem que ser rápida! Hahaha ....

O SP500 fechou a 2.253, com queda de 0,81%; o USDBRL a R$ 3,3690, com alta de 1,03%; o EURUSD a 1,0531, com baixa de 0,89%; e o ouro a US$ 1.143, com queda de 1,24%.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário