Inflação: A Revanche

6 de dezembro de 2016

Tem gato no telhado


No post de hoje vou comentar sobre risco e probabilidades, e como deve ser encardo na hora de tomar uma decisão.

Se, e somente se, apenas uma coisa pode acontecer, a probabilidade desse evento seria de 100%. Se eu dissesse que um carro vai te atropelar hoje ao sair de casa, você simplesmente ficaria em casa. Não teria sentido arriscar sua vida.

Entretanto, quando lidamos com o mundo real, não existem situações cuja probabilidade é de 100%. Muitas outras coisas se imagina acontecer para além do que realmente acontece, o que introduz grande incerteza a situações futuras; não importando o tipo de futuro que você está observando: um investimento, sua carreira, seu relacionamento, etc.

Como então podemos administrar de uma forma pragmática? O investidor Howrad Marks define da seguinte forma: ...” O futuro deve ser visto não como um resultado fixo que está destinado a acontecer ou ser prognosticado, mas como um espectro de possibilidades dentro de uma distribuição de probabilidades” ...

Esta é a melhor forma de pensar sobre o futuro: A distribuição de probabilidade contempla mais situações que poderão acontecer. Sabendo que vivemos num mundo não linear e com um potencial de eventos fora da curva – Black Swan, nós nunca devemos ficar muito confiantes ao acreditar que sabemos o que irá acontecer, mas nós podemos também considerar que alguns eventos são mais prováveis que outros. Aprendendo como se ajustar sempre que recebemos novas informações é chamando de Bayesian update.

Na realidade, apenas uma coisa irá acontecer. Assim, você precisa estar confortável caso o que se espera não aconteça, independente do que seja, mesmo que tenha apenas 1% de chance de ocorrer. Warren Buffet disse ...” Para você vencer, precisa sobreviver”.... Essa frase simples é profunda e merece uma reflexão.

O que nos leva a um segundo ponto: A incerteza sobre o futuro não necessariamente equivale ao risco, porque o mesmo tem outro componente, as suas consequências. O mundo é um lugar onde os maus resultados são “ruins” se você conhece, mesmo de forma imprecisa, sua magnitude. Desta forma, para pensar sobre o futuro e sobre os riscos você precisa aprender a quantificar.

Para entender esse conceito, imagine que você propõe um projeto para sua empresa que custará R$ 1,0 milhão, mesmo sabendo que existe uma razoável chance de não ter sucesso. Isso é muito arriscado?

Vai depender das consequências de perder R$ 1,0 milhão e da sua probabilidade. Se sua companhia tem R$ 1,0 bilhão no banco, pode considerar esse projeto de baixo risco mesmo que tenha uma chance de sucesso de 10%. Em contraste, uma companhia que tem apenas R$ 1,0 milhão no caixa deve considerar de alto risco mesmo que tenha uma chance de 10% de falhar. Talvez o ideal nesse segundo caso seja considerar cinco projetos não correlacionados.

No mundo real: Risco = probabilidade de falha x consequências

Outro aspecto de interesse é: saber o resultado não nos diz nada sobre qual foi o risco dessa decisão.

Para entender esse conceito, pode-se fazer a analogia com o tempo. Amanhã pode chover ou não, mas nada do que acontecer amanhã vai te dizer qual era a probabilidade de chover hoje.

Sabendo que algo deu certo podemos ser levados a pensar que não foi tão arriscado assim. Mas, e se na realidade o sucesso se deveu a pura sorte? Eu sempre digo que a pior coisa que pode acontecer a um trader é ganhar na primeira operação que faz, porque ele pode se convencer que é infalível.

A verdade é que na maioria das vezes nós não sabemos qual é a real distribuição dos vários cenários, porque o mundo não é previsível, o máximo que podemos fazer é estimar. Com estimativas inteligentes, nós podemos ter uma ordem de grandeza se nossa opção for bem-sucedida e compreendermos as consequências, caso estejamos errados, procurando nunca nos enganar depois dos fatos.

O uso do stoploss responde parte da questão levantada por Warren Buffet. A outra parte depende de quanto se é colocado em risco; e aquela “ideia de girico” de que essa é a oportunidade da sua vida só vai servir para arruinar suas finanças, não existe tal coisa.

Eu aconselho a usar a seguinte regra na administração de seus trades: Aposte uma quantidade pré-estabelecida em qualquer trade que você faça, e só aumente a aposta com o dinheiro do mercado. O que eu quero dizer com isso: estabeleça o quanto está disposto a perder - R$ 100 por trade, e quando o mercado vai na sua direção, suba o stoploss. Isso é jogar com o dinheiro do mercado! Desta forma, permite com que você continue na operação sem que perca seu dinheiro daí em diante.

No post não-arrisque-ficar-rico-pela-segunda-vez, fiz os seguintes comentários sobre o dólar: ...” Para que nosso trade ganhe impulso, é necessário que a barreira do R$ 3,50 seja ultrapassada e, como citei acima, ficaria mais confiante numa alta consistente do dólar” .... Desde então, o dólar, reagiu levemente, porém ainda não rompeu a barreira dos R$ 3,50.


No gráfico acima apontei qual a trajetória que eu espero, e caso isso aconteça, o próximo nível e R$ 3,65, e aí que a batalha acontece.

Na próxima semana o FED se reúne na quarta-feira para decidir sobre a taxa de juros. Na verdade, já está decidido: vai subir 0,25%. Mas, o que não está no radar, e pode surpreender o mercado, seria uma projeção de mais altas em 2017; ou seja, ao invés de 50 pontos como o mercado espera, a autoridade monetária sugere 100 pontos. E olha, não seria nada de mais, pois fecharia o ano de 2017 em 1,75% a.a., ainda abaixo da inflação corrente ao redor de 2%.

Este movimento seria suficiente para colocar muita gasolina no fogo, pois se isso acabar acontecendo, imagino que as previsões para 2018 também serão alteradas; tendo visto que a taxa terminal que o FED almeja é de 3% no longo prazo, de acordo com sua última divulgação em setembro passado.

Em outras palavras, estaria antecipando o movimento de normalização dos juros. Não sei vai ter coragem de fazer assim de supetão, mas com uma taxa de desemprego a 4,6% e a inflação nitidamente apontando para cima, não tem porque os juros ficarem tão negativos.

Mas, mesmo assim, como o mercado está bem arisco, basta ele dizer que o gato está no telhado para a taxa de juros de 10 anos subir rapidinho para 3% a.a.

- David, está querendo matar a gente do coração? Então dê suas previsões sobre os juros americanos!
Fica para amanhã, não tem pressa, a reunião é só na próxima semana! Hahaha ...

O SP500 fechou a 2.213, com alta de 0,34%; o USDBRL a R$ 3,4075, com queda de 0,37%; o EURUSD a 1,0717, com queda de 0,42%; e o ouro a US$ 1.169, sem variação.
Fique ligado!


Nenhum comentário:

Postar um comentário