Inflação: A Revanche

16 de janeiro de 2017

Lições de Vida

O Mosca voltou! Como sempre, os primeiros dias, depois das férias, ainda predomina uma certa desconexão com o mercado e notícias econômicas. O post de hoje versa sobre 10 dicas que se aprende com a experiência extraída na área de investimentos.

Gostaria de ressaltar que na agenda desta semana existem 3 eventos que merecem destaque: a fala da Primeira Ministra Inglesa Theresa May amanhã onde irá expor sua visão sobre a saída da Inglaterra da Comunidade Europeia; a posse de Trump no dia 20 próximo que vem metralhando com maior intensidade as montadoras, a CIA e qualquer um que se opõe a suas ideias; e por último o World Economic Forum que se realiza em Davos, começando hoje e programado para terminar no dia 20 de janeiro.

A diferença de uma pessoa burra, de uma pessoa inteligente, e que a última aprende com seus erros enquanto a primeira repete. O processo de investir não é diferente e a atenção que se deve dar aos erros cometidos. Essa atividade envolve a parte emocional, e a identificação dos erros não são tão evidentes. Vou explanar em 10 tópicos o que se pode aprender:

1.       Ignore as notícias e só preste atenção aos preços: O que realmente interessa é o preço que você compra e o preço de venda de um ativo. Todo o resto é só “barulho”. Quantas vezes não se ouve que uma ação deveria cair ou subir e acaba acontecendo o contrário. Ignorando as manchetes assustadoras e seguindo os preços é mais efetivo que ouvir as opiniões da mídia.

2.       Ninguém é tão bom quanto parece: Eu não acredito quando ouço alguém dizendo que acertou 90% das vezes. Se você tiver a sorte de encontrar alguém que aponta seus erros e o que ele aprendeu de seus erros, siga-o imediatamente. O resumo é que investir é extremamente difícil e se alguém induz que é fácil, todo o tempo, está mentindo. Não tenho como não colocar a Empiricus nesta categoria, uma empresa que começou certo e se desvirtuou.

3.       Não existe uma forma padrão de operar: Não tem essa de uma caixa preta como gostaríamos. Os mercados estão sempre mudando; os participantes estão ficando mais espertos; e você deve se adaptar rapidamente ou irá perder dinheiro. O que funcionou o ano passado pode não funcionar este ano. Não espere ganhar toneladas de dinheiro de forma fácil, e não perca tempo com ganhos mágicos, eles não existem.

4.       O sentimento tem que fazer parte da sua metodologia: Este é um ponto que ainda não é muito desenvolvido no mercado brasileiro, porém amplamente divulgado nos mercados internacionais. Poderia exemplificar com a pesquisa de sentimento dos investidores, posições em aberto, relação entre opções de compra e venda e vários outros. Essas informações são muito difundidas para quem usa análise técnica. Se todo mundo projeta o mesmo movimento é bem provável que todos estejam errados. Não quero dizer que não pode acontecer, mais um cuidado muito grande se deve ter nas situações de consenso generalizado.

5.       Ser esperto não significa que você vai operar bem: Eu acompanhei diversos casos de empresas e investidores muito inteligentes que falharam. Um exemplo que me ocorre é do Hedge Fund Long Term Capital Mangement, cujos sócios ganharam Premio Nobel de Economia e mesmo assim seu fundo só não quebrou por que o FED interviu. É claro que não existe uma relação direta entre o fato de ser bem preparado tecnicamente e ser bem-sucedido.  

6.       A tendência do mercado é seu “amigo” – The trend is your friend: Esse é um ponto muito explorado em análise técnica. Talvez o melhor exemplo recente é a alta da bolsa americana, desde a grande recessão de 2008. O índice SP500 subiu desde então aproximadamente 240%. Quantas não foram as sugestões de venda, inclusive o Mosca em algumas situações. Identificado uma direção, especialmente de longo prazo, você poderá realizar operações oportunistas no sentido contrário, mas com stoploss curtos.

7.       Não existe forma certa ou errada de ganhar dinheiro: Se você se especializa num tipo de operação: day trade; contrário; o qualquer outra, e adquiri uma capacidade comprovada, não tente outras técnicas, podem atrapalhar o que você faz bem.

8.       Se uma operação não está funcionando, caia fora: Neste ponto não estou dizendo sobre stoploss, embora seja tão importante quanto. O quero dizer são trades onde algum fato passado o faz ficar mentalmente investido. Um exemplo clássico é querer recuperar um prejuízo feito anteriormente. Essa neura pode tirar sua atenção de outras oportunidades. Meu conselho: Não se apaixone por nenhum ativo, hoje você pode comprar porque é uma boa alternativa e amanhã fazer o contrário.

9.       Sequência de perdas: Nós não somos perfeitos. Vários analistas acertaram a queda da bolsa em 2008, como a analista do Citibank que previu a queda das ações dos bancos. Acontece que daí em diante, projetou novas quedas que nunca acabaram acontecendo. Perdas fazem parte do negócio e as vezes acontecem em sequência, o importante é aprender sobre os erros. Respeite suas limitações e se a noite dormiu mal ou teve pesadelos é provável que suas decisões no dia seguinte serão influenciadas por isso. Melhor não fazer nada nas próximas 24 horas.

10.   O mercado não te deve nada: O mercado não está nem um pouco preocupado com você, tudo que ele quer é tirar o seu dinheiro. Existe uma razão para que 90% dos operadores de opções não continuarem no ano seguinte. Operar é uma das profissões mais compensadoras, mas ao mesmo tempo frustrante. O mais importante é paciência e disciplina. Não espere que isso aconteça no curto prazo.

No post happy-dollar, fiz os seguintes comentários sobre o dólar: ...” A partir de agora, passo a acompanhar o intervalo de R$ 3,50 para cima e R$ 3,12 para baixo. O meio é o que deve acontecer nos próximos dias”...


E acabou acontecendo o que eu imaginava, uma negociação contida no intervalo anotado acima. Não consigo dar nenhuma sugestão no momento apontando para uma alta ou baixa, embora a maior possibilidade é de baixa. Se alguém quiser se aventurar na venda de dólar sugiro um stoploss curto ao redor de R$ 3,30 – 3,35. Uma segunda estratégia seria esperar atingir esse nível – R$ 3,30/3,35, para vender, e por último, esperar romper para cima de R$ 3,50 e comprar, ou abaixo de R$ R$ 3,12 para vender.


Não faço nada no momento pois os preços não são convidativos, porém tenho mais simpatia pela segunda opção.

Com as recomendações expostas hoje, fica claro que no caso especifico do dólar estou pronto para entrar em qualquer direção, ou comprando ou vendendo dependendo do que o mercado me sugerir.  A última operação fomos stopados, eu esperava um movimento de alta que acabou não acontecendo.

 Agora, os preços me sugerem que é possível uma queda. Vocês podem achar como isso é possível, qual a lógica para uma mudança tão radical? Naturalmente para quem usa a análise fundamentalista, que diga se de passagem, é a maioria dos analistas, não entenderiam nada, eu seria taxado como “jogador”.

Não sei qual será o movimento do dólar a seguir, mas sei que posso ser compelido a tomar uma posição sem um viés pré-estabelecido. Mais importante que minha lógica em termos econômicos, é ficar atento no mercado, ele vai fornecer as pistas.

O SP500 fechou a 2.274, com alta de 0,18%; o USDBRL a R$ 3,2415, com alta de 0,65%; o EURUSD a 1,0600, com queda de 0,39%; e o ouro a US$ 1.202, com alta de 0,46%.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário