Inflação: A Revanche

17 de janeiro de 2017

Andando no vacuo


Como havia comentado na semana passada, o dólar vem perdendo força no início deste ano.  Uma das razões deve-se ao comentário do “Já-Presidente” Trump que resolveu atuar como se já estivesse no cargo. Numa entrevista ao Wall Street Journal, disse que a moeda americana está “muito forte” e o motivo disso não é porque os EUA vêm apresentando melhoras em sua economia, mas por conta da China segurar a cotação de sua moeda, o Yuan.

Até agora não sei quanto Trump aterroriza seus oponentes para obter vantagem ou se está disposto a ir para o pau. No caso específico da moeda chinesa ele está muito mal informado, pois a China está agindo no mercado de câmbio para evitar uma desvalorização maior de sua moeda, o que é exatamente o inverso do que disse Trump. Na verdade, se existiu manipulação do yuan, isso aconteceu há vários anos. Agora o movimento é o inverso!

Entretanto, se este movimento de curto prazo do dólar foi motivado por seu comentário, deverá reverter mais à frente, visto a sensível melhora da economia americana, bem como os futuros estímulos fiscais prometidos pelo novo governo e os investimentos em infraestrutura. Mas, como citei no post de ontem na anotação 4 lições-de-vida:“O sentimento tem que fazer parte da sua metodologia”

Em Davos, o Presidente Chinês, Xi Jinping, procura defender sua política comercial, em detrimento da ideia de Trump contra a globalização ...”Protecionismo é como se trancar num quarto escuro, onde parece estar protegido da chuva e do vento, mas também fica bloqueado do sol” ... ...”Ninguém é vencedor numa guerra comercial”... Se essas palavras fossem proferidas por algum outro líder, Obama por exemplo, seria interpretada como mera retórica, mas vindo da China é mais um alerta que os chineses não irão aceitar atitudes unilaterais dos EUA sem contra partida.

Noto que os comentários dos leitores buscam minimizar as ações do “Já-Presidente”, como se fossem instrumentos de marketing cujo objetivo seria chamar atenção. Eu tenho minhas dúvidas. Em todo caso, iremos saber em breve qual será sua atitude, quando, ao ameaçar um terceiro, esse resolver peitar. No caso específico da China, a dúvida é se quer renegociar as condições de comércio com ou implementar tarifas que buscariam romper o status quo.

Um de meus colegas de faculdade, e seguidor do Mosca, durante sua vida profissional ocupou cargo de Ministro, além de frequentar a vida política pelo PSDB. Logo após João Dória ser eleito Prefeito de São Paulo, conversamos sobre os potenciais candidatos a Presidente em 2018. Naquele momento circulava nos jornais que Geraldo Alkmin seria o candidato do PSDB. Ambos concordamos que seria um grande erro se esse partido não enxergasse as mudanças que ocorrem atualmente no mundo e aqui no Brasil. A própria vitória de Doria era um exemplo de como o eleitor busca mudanças.

Hoje, a Bloomberg publicou uma matéria sobre esse assunto e elencou dois possíveis candidatos que possuem esse perfil; um é Jair Bolsonaro, o polêmico deputado de extrema direita que já se diz pronto para assumir o país; e, mais recentemente, o sósia de Trump, Roberto Justus, que apresentou o programa Aprendiz, de 2004 a 2009. Ele achou uma boa ideia concorrer, depois que alguns de seus amigos sugeriram essa ideia.

Acho que, dos dois eventuais candidatos, Justus tem mais chance e, para dizer a verdade, uma boa chance.

- David, não acredito que você está fazendo campanha eleitoral para o Justus!
Opa, Feliz 2017! Companheiro, parafraseando a única coisa de útil que o Lula nos deixou, se você esqueceu, meu compromisso é com o bolso e não o que eu desejo, mas sim o que é mais provável, e acho que pode ser o caso de Justus. Meus motivos são os seguintes: primeiro, e mais importante, o eleitor quer mudanças (pode esquecer Lula, Marina, Alkmin, Serra, Aécio etc.); segundo, é provável que a economia esteja melhor em 2018; terceiro, acredito que até lá Trump estará em alta, uma vez que as medidas pretendidas, já implantadas, deverão ter resultados positivos. Só não sei por quanto tempo.

Por essas razões, Justus tem uma boa experiência de se apresentar ao público e recursos para bancar uma candidatura. Por enquanto, na minha visão, é a melhor opção que atende os anseios dos brasileiros. Pode andar no vácuo de Trump!

Uma pessoa para ser bem-sucedida precisa de várias qualidades para que isso aconteça. Um livro que recomendo é Fora de série, em que seu autor, Malcolm Gladwell, sintetiza em 3 grandes grupos, essa realização: competência, repetição e sorte. É nesse último que Trump parece ter sido agraciado. O gráfico a seguir mostra como os resultados por toda parte tem sido muito superior aos que os analistas esperavam.


No post rutspuh, fiz os seguintes comentários sobre os juros de 10 anos: ...” Parece que uma correção está em andamento e os pontos onde eu acredito que possa haver uma reversão estão anotados no gráfico acima em rosa – 2,30%/2,20%/2,10%. No primeiro, não faria nenhuma aposta, só vai reverter nesse ponto se realmente a alta de juros estiver muito, muito forte; no segundo, a 2,20%, é meu palpite mais firme e é nesse nível que eu recomendo uma posição na alta dos juros e, finalmente, 2,10% deveria ser o máximo para conter a queda. Minha sugestão para o stoploss é de 2% a.a”...


Depois de passar esses últimos 40 dias num movimento nitidamente de correção, hoje os juros de 10 anos se aproximam do primeiro intervalo apontado acima.

 
Embora esse possa ser o mínimo a ser atingido nessa retração, vou manter o nível de 2,20% para entrar no trade apostando que os juros irão subir. O stoploss fica também mantido em 2%. Está é uma situação que se enquadra na regra 1 do post de ontem lições-de-vida:” Ignore as notícias e só preste atenção aos preços”, além da regra 4 que também aqui se encaixa.


Vou buscar, sempre que for pertinente, um referencial a essas regras, pois acredito ser ilustrativo em nossos trades. Para terminar essa análise, não vou mudar de ideia quanto aos juros subirem, a não ser que caiam abaixo de 1,80%; nesse caso, aplica-se a regra 8 “Se uma operação não está funcionando, caia fora”.

O SP500 fechou a 2.267, com queda de 0,30%; o USDBRL a R$ 3,2104, com queda de 0,96%; o EURUSD a 1,0703, com alta 0,99%, com esse resultado fomos stopados em nossa posição; e o ouro a US$ 1.215, com alta de 1,05%.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário