2020: O risco vai compensar?

9 de novembro de 2012

Degustação



Quem não gosta da comida Japonesa? Acho que pouca gente, hoje em dia existem mais restaurantes Japoneses que pizzarias! Esta introdução é para dizer que hoje vou comentar, brevemente, sobre assuntos variados, uma vez que os gráficos falam por si só.

Inicialmente vejam a evolução dos gastos e receitas Governamentais americanas, desde do início deste século passaram para um leve déficit, porém foi a partir de 2008 que a situação piorou sensivelmente, pois a despesa continuou em seu caminho, e até subiu, e a receita levou um tombo, abriu uma "boca de jacaré" . Com a reeleição de Obama o mercado está muito preocupado, qual será a decisão do governo uma vez que uma série de incentivos terminam no final de 2012. Se nada for feito, a economia entrará em recessão, pois o efeito é de uma queda de aproximadamente 3% no PIB, se tudo for renovado o gráfico vai manter a mesma tendência.

Todo mundo sabe que esta situação terá que ser revertida em algum momento, e o Governo precisa que a economia cresça para fazer a mudança. É uma situação conhecida com a frase " o ovo ou a galinha". O que podemos dizer, é que do mesmo jeito que uma mordida de jacaré é mortal, o deficit continuar com a "boca aberta" também é, e se o mercado perder confiança numa reversão, o primeiro impacto seria uma desvalorização do dólar e elevação dos juros nos títulos longos! Obama, cuidado com o jacaré! Hahahahah....


O gráfico a seguir é muito ilustrativo, mostra como está o mood dos americanos. É um gráfico de longo prazo, com o fluxo de recursos nos fundos de ações. Todos sabemos que os "gringos" são aficcionados por ações, afinal a frase buy on the dips, funcionou por muito tempo, mas não nos últimos 10 anos. Depois do tombo de 2008 é notório como eles se tornaram mais conservadores e o fluxo é consistentemente negativo, por outro lado os ingressos nos fundos de renda fixa batem recordes. Analisando este dado, podemos afirmar que estão mais preocupados em garantir o principal do que arriscar. Tudo isso faz parte nestes períodos de desalavancagem.


Uallll.... parece que a leitura do blog de hoje foi maciça, após o post de ontem banda-fantasma, o dólar deu um pulo atingindo a máxima de 2,0670. Se tem algo que eu aprendi nestes anos todos, é que não existe combinado no mercado, afinal é um jogo de soma zero, o que um ganha o outro perde. Quanto ao real nada à alterar, só acima de R$ 2,105, até lá o que aconteceu hoje pode ter sido só um susto, mas os operadores vão ficar mais alertas.


E por último vejam que maravilha esta Corvette, desculpe o saudosismo, mas este carro era o máximo quando eu era jovem, e para adiantar, não aceito gozação dos leitores dizendo que estou ficando velho!


O SP500 fechou a 1.379, com alta de 0,17%; o real a R$ 2,0455, com alta de 0,26%, o euro a 1,2712, com queda de 0,26% e o ouro a US$ 1.731, sem variação.
Fique ligado!


Nenhum comentário:

Postar um comentário