Inflação: A Revanche

6 de maio de 2015

It's not me!

O Mosca "pega no pé" dos economistas em várias ocasiões. O motivo, na maioria das vezes é pela forma que eles mudam suas previsões, como eu costumo dizer, da mesma forma que eu troco de camisa. Convivi praticamente minha vida inteira com eles por perto, e já realizei muitos prejuízos com previsões que eram "bater em morto, pode apostar que vai acontecer". O problema era quando não aconteciam, o prejuízo ficava comigo, e eles sempre tinham uma justificativa!

Tenho que confessar, que se tivesse cursado a Faculdade de Economia, seria mais produtivo em meu trabalho, mas também por ter feito Engenharia, adquiri uma sólida formação matemática. Agora é tarde demais, só me resta agregar conhecimento econômico. Existe um lado que eu não comento sobre essa profissão, mas que deve ser extremamente frustrante. Não sendo uma ciência exata, o mercado nem sempre age logicamente. Nessas ocasiões fica difícil identificar o porque dessa reação. E talvez, é nesse momento, em que se encontra a Yellen e Cia.

O motivo são as taxas de juros de longo prazo. O movimento de grande parte dos BC's de países desenvolvidos, têm sido de manutenção, ou até queda dos juros de curto prazo. O gráfico a seguir mostra claramente este fato.
Agora vejamos quais são as perspectivas de alguns países, para sua política de juros: O FED parece estar imbuído em subir os juros, mais para o final do ano; o ECB nem precisa comentar, ainda está no início de um programa que vai perdurar por vários meses de injeção de liquidez; o BOE não faz nada no curto prazo; a Korea acaba de baixar seus juros, assim como outros países da região; no Japão, quem propuser elevar os juros será convidado a fazer um harakiri; e por último, a Austrália acabou de baixar nessa semana.

Acontece que quando se observa o que vem ocorrendo com os juros dos títulos mais longos, a história é um pouco diferente, estão todos subindo. Para ilustrar, vejam a seguir como tem sido a sua evolução na Alemanha.

Em seguida na Inglaterra.
Na Austrália, mesmo com a baixa desta semana, os juros de seus títulos longos continuaram a subir.
Já os americanos, vocês poderão ver nos comentários de mercado a seguir.

Mas tudo isso, é tão grave? De maneira nenhuma, os juros estão tão baixos, que uma alta, principalmente dos juros longos, é esperada. Pessoalmente sempre digo, que taxas de juros não têm data para subir. O que eu quero dizer com isso é que, se um BC anuncia que pretende subir os juros no futuro, o efeito é imediato, os títulos já se ajustam a essa afirmação. Mas não estamos vivendo em condições normais, existem ainda muitas dúvidas se a recuperação tão esperada irá se concretizar

O que pode acabar acontecendo, é que os efeitos do anúncio de uma possível alta, elevam os juros mais longos, que por sua vez podem inibir o crescimento esperado, uma vez que a economia depende do crédito. E como se costuma dizer nestas situações, um crescimento como o  "vôo de galinha", que têm curta duração. A administração do retorno ás condições normais, é uma tarefa sem paralelo, isso torna sua gestão muito incerta. Coitada da Yellen!

O processo de decisão de uma pessoa é algo muito complexo, o fato de interagir a emoção e a razão, faz com que nossas decisões nem sempre sejam as melhores. Certos dias, influências externas podem agir. Sem que você perceba, acaba tomando decisões que não tomaria em outro dia, com as mesmas informações. A disputa entre o medo e a agressividade, influenciam em seu raciocínio lógico de agir, e se sobrepõe.

Por que desta introdução? No post Fed-cumprindo-tabela, eu saí do trade em que pervia uma alta dos juros de 10 anos, vejamos os argumentos: ... Como o gráfico acima abaixo demostra, tenho dúvidas sobre o movimento a seguir, pode ser uma baixa ou alta dos juros. Deixo a decisão a vocês, se ficar na posição e as taxas caírem ativando nosso stop a 1,80% a.a., o prejuízo será de 1,2%, ninguém gosta de perder. Por outro lado, ficando na posição, existe a possibilidade de um ganho expressivo, desde que, ultrapasse 2,25% a.a., mas antes disso, existe uma barreira importante aos 2,15% a.a....

Eu estava certo que um movimento para cima ou para baixo iria ocorrer, porém, aconteceu no sentido que não esperava. Como eu mesmo mencionei no texto, o risco de perda era baixo, então por que eu não fiquei? Primeiro que nesse triângulo em verde, o mais provável era um rompimento para baixo; e outra razão era que não fazia sentido uma alta com os dados americanos não convincentes. 

Uma análise posterior é sempre mais simples, você já tem a certeza do que ocorreu, mas qual foi minha maior falha nessa situação? O que eu mais repito aqui, numa correção, você nunca sabe o movimento e sim os níveis, deveria ter respeitado o que sempre friso. Como se diz "caso de ferreiro, espeto de pau"!
Para não cometer novamente um erro, e me antecipar, vou aguardar que a área anotada como Golden, seja rompida e em seguida vamos dar uma sugestão de trade projetando novas altas de juros. Se isso ocorrer, a Yellen que prepare a sua estrategia, pois a economia não está essa maravilha para aguentar altas muito fortes nos juros longos.

O SP500 fechou a 2;080, com queda de 0,45; o USDBRL a R$ 3,0321, com queda de 0,67%; o EURUSD a 1,1351, com alta de 1,49%; e o ouro a US$ 1.191, sem variação.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário