Inflação: A Revanche

27 de fevereiro de 2015

Number 1

A definição de ilha se aplica bem ao meu ambiente de trabalho, explico a seguir. Eu trabalho dentro do escritório da Rosenberg e Associados, uma empresa voltada à projeções macro econômicas e elaboração de projetos especiais. Desde 2007 me mudei para lá, quando decidi terminar uma pequena empresa de administração de fundos. Luis Paulo Rosenberg, meu ex-sócio e amigo, me ofereceu esta oportunidade de continuar nos meus projetos imobiliários naquele local. Minha decisão de juntar-se a eles foi baseada em dois argumentos - Primeiro interagir com esse grupo e segundo o escritório é muito perto de onde moro.

Desde o início fui convidado a participar das reuniões mensais de conjuntura, e aí acredito que aparece um diferencial entre a Rosenberg e seus concorrentes, é um grupo eclético, de economistas juniores, seniores e "super" seniores e um engenheiro desvirtuado para o mundo financeiro. Sou como uma ilha cercada por economistas! Não é fácil, é um grupo profissional com um ego proporcional a seu conhecimento. Vou confessar, se tivesse que voltar atrás, gostaria de de ter me graduado em economia. Agora, fica para a próxima encarnação.

No começo eu tinha um certo receio de colocar minhas posições técnicas, afinal se existe uma classe que é baseada em fundamentos, eles - os economistas, se enquadram bem.

Logo que o Mosca entrou no ar, o dólar estava a nível de R$ 1,60, foi quando numa das reuniões me perguntaram qual era minha previsão para o final daquele ano. Meu número era R$ 2,00, mas sabia que o impacto seria grande, então disparei: "R$ 1,90", vocês podem imaginar a cara do pessoal, O Ibraim Eris e Luis Paulo Rosenberg já me conheciam de longa data, foram meus sócios na Linear, devem ter achado que estava ficando louco. O Savasini e o Dirceu conheço de longa data também, devem ter achado o que sempre desconfiavam, engenheiro só é bom de matemática. Já a Thais e o Rafael não me conheciam e devem ter pensado, como um engenheiro quer dar palpites nestes assuntos! Ele que vá construir pontes!

Naquele momento o Brasil estava uma maravilha, não existia nenhuma razão "fundamental" para este movimento do dólar, mas aconteceu. Aí começaram a achar que eu era vidente, afinal, como um "tal" de análise  técnica, com uma nomenclatura que mais aprece física (suporte, resistência, e blá,blá ...), pode dar mais certo, que a projeção das contas cambias, modelos econométricos e etc ...?

É assim que esse grupo evoluiu e o escritório ganhou várias citações locais com as previsões mais acuradas. Porém ontem tivemos notícia que a Rosenberg atravessou as fronteiras e teve o melhor desempenho entre os analistas do Brasil em 2014, pela conceituada agência de notícias, Reuters. Esta agência, deu início em 2014, a um ranking das instituições com maior grau de assertividade no cenário macroeconômico, para quatro países desenvolvidos (EUA, Zona do Euro, Reino Unido e Canadá) e três em desenvolvimento (China, Brasil e Índia).

Esta conquista é fruto do trabalho detalhado da equipe que processa e elabora a montanha de dados disponíveis atualmente, e das discussões calorosas nessas reuniões, de onde as projeções são feitas e enviadas a um grande grupo de clientes, compostos de grandes empresas e bancos.

Parabéns!

Para comemorar, Hahahah..., o ministro "Salvador da Pátria" resolveu mandar fazer fila para quem depende dos recursos públicos. O Orçamento de 2015, é esperado, que sua aprovação aconteça na próxima semana. O contingenciamento de despesas, preparado há quase três meses pela equipe econômica, está praticamente pronto e deve sair "imediatamente após a aprovação da Lei Orçamentária", disse uma fonte do governo.

O corte está sendo preparado para sair em meados de março. O governo, porém, ganhou fôlego em sua missão de ajuste fiscal com o decreto de programação orçamentária, anunciado ontem pelo secretário do Tesouro Nacional, Marcelo Saintive, que reduzirá os gastos da máquina até que o Orçamento seja aprovado.

Sobre o Orçamento, o governo vai aplicar um contingenciamento de despesas, que deve oscilar entre R$ 65 bilhões e R$ 80 bilhões. Se confirmado, será o maior corte de gastos dos últimos 15 anos. O tamanho do contingenciamento em gestação, tem assustado os ministros. Como consequência, o dólar negocia em queda hoje pela manhã. 

Eu continuo com a mesma ideia que venho colocando aqui, Joaquim Levy é um excelente conhecedor das contas públicas, um tremendo pão duro, e vai continuar no cargo no mínimo até 2016. Para apostar contra, seria acreditar que não vai dar certo, mas isso só mais à frente se saberá. Quanto a parte política, vejo o fim das pressões no curto prazo, afinal como poderá prosseguir a operação lava jato, se vai faltar água dentro em breve! Hahahahah ....

A Yellen passou por uma sabatina na Câmera e no Senado Americano esta semana, e se alguém achou que ela daria alguma pista de quando pretende subir os juros, se frustrou. Da mesma forma como eu comentei no post se-correr-o-bicho-pega, deixou o mesmo recado, "não sei quando vamos subir os juros". Então só nos resta acompanhar os dados e principalmente os juros de 10 anos americanos. No post o-FED-vai-recuar, eu comentei: ...Ainda não dá para descartar a alta que eu esperava, nem  novas mínimas. Assim, vou manter minha previsão anterior, de alta dos juros, desde que, eles não caiam abaixo de 1,60% a.a. Não faço nenhuma aposta por enquanto... Veja como era o gráfico naquele momento.

A partir daí os juros iniciaram uma recuperação forte, depois de atingir a mínima de 1,64% a.a. Parece que o mercado resolveu respeitar os dados técnicos. Hoje negociando ao redor de 2,01% a.a. 

Não estranhem a diferença entre os dois gráficos, pois o anterior é de mais longo prazo, enquanto o próximo mais de curto prazo.

Eu disse anteriormente que não faria aposta nenhuma naqueles níveis, porém talvez em breve surjam oportunidades. Eu tracei um retângulo que funciona com uma mira ao contrário, se ultrapassar acima amentam muito as chances das taxas subirem, este nível de confirmação é de aproximadamente 2,15 % a.a. Ao contrário, se cair abaixo, eleva-se a chance de novas quedas. Neste caso, o nível a se observar, é de 1,85% a.a.

- David, é para operar no rompimento desses níveis?
Não, ao acontecer uma das situações, aguarde eu publicar os novos passos. O que eu quis enfatizar, é que, agora poderá haver trades mais à frente, porém um passo de cada vez.

Vejam o novo projeto da Google para sua nova sede. Ah, seu ei tivesse 25 anos, é para lá que eu iria!


O SP500 fechou a 2.104, com queda de 0,30%; o USDBRL a R$ 2,8380, com queda de 2,46%; o EURUSD a 1,1191, sem variação; e o ouro a US$ 1.212, com alta de 0,33%.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário