Inflação: A Revanche

30 de março de 2015

USA: Recessão!

Um analista que mantém seu tom crítico em relação a recuperação americana, é Lance Roberts. Com uma análise de longo prazo, vêm apresentando suas ideias do porque os USA estão beirando a recessão. É isso mesmo, RECESSÃO!

Em seu último relatório, inicia mostrando que a alta do PIB no item de consumo está ligada a elevação de gastos nos programas de saúde, especificamente pela lei conhecida como Obamacare. Como pode-se verificar no gráfico abaixo, as outras categorias, em sua maioria, não tiveram crescimento. Se considerado o aumento do 2º quadrimestre para o 4º quadrimestre, houve uma elevação de US$ 13,9 bilhões, que se subtraído, teria um impacto de diminuir o PIB no 3Q para meros 2%.


Alguns membros do FED vem ultimamente externando sua confiança na recuperação da economia americana e ratificando a expectativa que os juros começarão a subir ainda nesse ano, ficando a dúvida se em junho, setembro ou outubro. É verdade que, a Yellen tem deixado claro que vai depender dos dados a serem publicados nos próximos meses.

Um dos indicadores utilizados como primeiro indício que a economia poderia entrar em recessão, são os investimentos em equipamentos (CAPEX). Esse indicador está negativo por 6 meses consecutivos. Como pode-se verificar no gráfico abaixo, situações como essa no passado indicaram, na maioria das vezes, uma recessão em seguida.

Nos últimos anos, boa parte dos lucros das empresas foi oriundo de corte de custos, "jogadas" contábeis e recompra de ações. É lógico, que na realidade a maioria desses "lucros" só existirão na contabilidade e não na mão dos americanos, com aumentos de salários e renda. Esses ganhos são finitos e em algum momento não mais terão efeito no resultado das companhias.

Uma medida muito usada para medir a rentabilidade das empresas é denominada como ROE - retorno sobre as ações. Como o gráfico abaixo mostra, sempre que houve quedas nesse indicador, recessões se sucederam (região em cinza).

Outros indicadores de poupança, tanto do governo como da população, também não dão razões para tanto otimismo.

O Banco Central de Atlanta, produz um indicador denominado GDPnow, que faz uma projeção do PIB em curso, considerando os dados que vão sendo publicados.

Por esse indicador o PIB a ser anunciando para o 1º trimestre desse ano aproxima-se de 0%, muito diferente do que os economistas estão esperando. Pode ser que, os analistas justifiquem pelas baixas temperaturas, como ocorreu no ano anterior, porém se é esse o caso, por que eles não levam isso em consideração em suas projeções?

O ano promete muitas emoções, pois o FED já deixou claro que vai subir os juros, desde que, os dados confirmem isso. Assim, muita volatilidade deve-se esperar, daqui em diante, pois como eu postei na semana passada mercados-x-fed, o mercado não está colocando tanta fé assim. Agora, como esse analista alerta, se a economia americana está próxima de uma recessão, isso ninguém está esperando, com exceção dele, é claro!

No post mercados-x-fed, fiz os seguintes comentários sobre o real: ...Por enquanto eu não me atrevo a nenhuma previsão mais assertiva, pode ser que seja somente uma correção para voltar a subir em seguida, ou como eu havia comentado, algo mais profundo, que levaria o dólar para R$ 2,90 - R$ 2,75. Para que este último cenário tenha mais chance, é necessário o rompimento dos R$ 3,07 apontados acima... E como vocês podem verificar a seguir, o dólar não chegou a romper o nível de R$ 3,07, encontra-se agora a R$ 3,25.

Embora esse alta recente do dólar, possa ser considerada "esticada" para um movimento de correção, é aceitável, desde que, os R$ 3,32 não sejam rompidos. Ainda vou trabalhar com meu cenário básico de queda do dólar, mas reconheço que ele não tem muita margem de manobra.

Mudando um pouco de assunto, estou gostando mais da seleção brasileira, embora não seja um grande admirador do Dunga. Reparem como a postura alterou radicalmente, todos os jogadores marcam os adversários em seu campo, não dando muito espaço de armar uma jogada. Agora, assistir os jogos do Campeonato Paulista é um martírio, "eta" coisa ruim!

- David, se não tem nada para escrever, não enche linguiça com futebol!
Esta semana será mais curta por conta da Pascoa, com exceção dos USA que publicará, os sempre tão esperados dados de emprego. Vou acompanhar e publicarei caso aconteça algo mais importante, naquele dia. De resto, depois de tantas notícias ruins, parecem que diminuíram, tanto internamente com externamente. Por isso, parece um momento letárgico, mas não por muito tempo, pois ainda existem muitas indefinições que assolam o mundo.

O SP500 fechou a 2.086, com alta de 1,22%; o USDBRL an R% 3,2310, com queda de 0,58%; o EURUSD a 1,0811, com queda de 0,70%; e o ouro a US$ 1.185, com queda de 1,16%.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário