Inflação: A Revanche

7 de dezembro de 2015

A disputa de penaltis

Alguns leitores, Palmeirenses claro, me cobraram o porquê não havia comentado a conquista da Copa Brasil pelo Palmeiras. Existem 14 motivos para tanto, o primeiro é que o Santos perdeu, os outros  13 não interessam! Hahaha...

Para não dizer que o Mosca "afinou", resolvi dar meus argumentos. Eu acredito que a direção do meu time cometeu três erros, primeiro empurrando a decisão por muito tempo, o time vinha embalado com vitórias e esta parada tirou o ritmo. Outro fator foi a perda de dois gols na primeira partida na Vila Belmiro; e por último, as duas equipes, embora com características diferentes são bem equilibradas, se jogassem dez partidas provavelmente cada um ganharia cinco jogos.

Parabéns para o Palmeiras! Agora não vale tripudiar!

Queria comentar mais alguns pontos sobre os dados de emprego publicados na última sexta-feira. Dentre as várias informações que o FED acompanha, os rendimentos dos salários é importante neste momento, uma vez que pode dar subsídios para a elevação da inflação, que se encontra em níveis ainda baixos. Como pode-se verificar a seguir, este último relatório recolocou a média anual novamente em 2% a.a., nível ainda baixo comparativamente ao passado.

Outro dado que pode ter implicações para as eleições Presidenciais em 2016 nos USA, é o fluxo entre empregos gerados, para trabalhadores de origem estrangeira e para americanos.

Esta é uma tendência que vêm ocorrendo a partir de 2007. Desde então, criou-se 2,7 milhões para empregados "gringos", e apenas 700 mil para os "Yankes". Imagino que este fato será muito usado por candidatos Republicanos, principalmente o explosivo Donad Trump.

Na próxima quarta-feira deverá ser anunciada a tão esperada elevação de juros pelo FED. Recordo-me que a primeira vez que esse assunto foi abordado, aconteceu quando Ben Bernanke ainda era o Comandante da tropa de helicópteros, lembram?  Foi em maio de 2013 que numa aparição pública, disse que os juros teriam que subir em algum momento. Seu objetivo era testar o que aconteceria com o mercado. Este evento ficou conhecido como Taper Tantrum. Como consequência os juros dos títulos de 10 anos subiram sem parar de 2,3% a.a. para 3,05% a.a., em poucos meses.

Mesmo na gestão da Yellen, já se espera esta alta a bastante tempo, e agora chegou a hora. Muitos relatórios estão sendo publicados colocando os riscos deste movimento, inclusive o BIS - Bank of International Settelments, que adverte que uma "calma suspeita" em mercados pode ser quebrada pelo FED, colocando em risco US$ 3,3 trilhões de dívidas dos mercados emergentes.

Mas agora não tem mais jeito, os 90 minutos regulamentares, prorrogação e tudo mais, já foram decorridos no jogo dos "juros". E como no futebol, chegou a hora do FED bater os pênaltis contra o mercado. Da mesma forma que no jogo, se o goleiro pega ou o jogador chuta a bola nas arquibancadas, sempre terá um vencedor. Espero que neste caso seja o FED. Vamos FEDDDDDDDDDDDDDDD... Hahahaha!

As más notícias para o governo não param de pipocar, cada dia, surge uma nova . Mesmo assim, o dólar tem se mantido razoavelmente estável, ao contrário teve até uma pequena queda nesta semana. Vocês devem ter notado que o assunto swap cambial saiu da moda, não se ouve mais falar nos noticiários. Fui verificar o que está acontecendo, e basicamente o BC vem renovando o que vence. Um refresco para ele nos últimos dois meses.

No post uma-visão-otimista, eu propus a seguinte sugestão de trade: ...Agora, é razoável supor uma alta até os níveis de aproximadamente R$ 4,00, onde sugiro a seguinte estratégia de trade na venda de dólar: 1/3 a R$ 3,97, 1/3 a R$ 4,00 e 1/3 a R$ 4,03, com um stop em toda posição a R$ 4,10... Também aventei a hipótese que poderia não acontecer essa alta: ...Quero alertar também, que o movimento de hoje pode ter completado essa mini-alta, e o dólar comece a cair agora para buscar os níveis que indiquei no post mencionado acima: ...inicialmente R$ 3,65, que se encontra próximo às cotações atuais, e depois R$ 3,50- 3,45, que parece ser o mais provável....
A ruptura do nível de R$ 3,70 é crucial para que os objetivos que tracei possam ser alcançados - inicial R$ 3,65 e depois R$ 3,45/3,50. Caso contrário, poderá ter mais uma pequena alta antes. Minha sugestão de trade fica válida, desde que, o nível de R$ 3,70 não seja rompido, caso contrário fica cancelado.

O SP500 fechou a 2.077, com queda de 0,70%; o USDBRL a R$ 3,7666, com alta de 0,42%; o EURUSD a 1,0835, com baixa de 0,32%; e o ouro a US$ 1.070, com queda de 1,49%.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário