2020: O risco vai compensar?

28 de janeiro de 2020

E agora José?



Um artigo da Bloomberg busca comparar a situação atual do coronavírus com outros momentos de mercado buscando alguma luz do que pode se esperar. O desenrolar de surtos semelhantes de doenças nas últimas décadas seguiu um modelo de mercado reconhecível: existe uma venda de ativos de risco que dura até que a preocupação chegue a um crescendo, em seguida o surto fica sob controle. No momento seguinte é hora de uma recuperação. As vendas causadas por epidemias anteriores criaram oportunidades de compra. Esse é claramente o caso base que muitos investidores ainda estão usando, e a queda de 1,62% do S&P500 na segunda-feira, no índice MSCI All-World, não parece excessiva.


Mas mesmo que o coronavírus tenha sido inegavelmente o catalisador dos declínios dos últimos dias, há outras coisas em andamento? Se olharmos para o gráfico a seguir, podemos ver que essa reversão é notavelmente semelhante a uma que começou na mesma data há dois anos. Nas duas ocasiões, o índice S&P 500 subiu 25% em 12 meses. E na ocasião anterior, uma correção muito desagradável, seguida por uma oportunidade de compra muito boa, estava à frente:


Isso leva, no entanto, a uma diferença muito importante. A correção do início de 2018 foi motivada por um aumento no rendimento dos títulos de renda fixa. Após os cortes nos impostos dos EUA, havia finalmente uma crença de que a economia global iria romper sua queda deflacionária e desfrutar de uma recuperação coordenada. Os rendimentos dos títulos aumentaram como consequência - e isso foi o suficiente para refletir novamente sobre o mercado de ações.

O mercado de títulos no último ano, dificilmente poderia ter sido mais diferente. Os rendimentos têm caído, refletindo preocupações sobre o crescimento global e também a dramática mudança de direção dos bancos centrais, que em grande parte foi motivada por temores de crescimento. O rendimento do Tesouro de 10 anos está agora quase um ponto percentual mais baixo do que há dois anos atrás, e sua tendência é claramente descendente. De fato, se levarmos em conta as expectativas de inflação, o rendimento real do Tesouro de 10 anos acabou sendo negativo, pela primeira vez desde o susto da recessão do verão passado. Para títulos, este é um mundo muito diferente daquele do início de 2018:


Portanto, uma queda das ações há dois anos mergulhou no medo de superaquecimento, o que fazia sentido. Desta vez, uma queda pode acabar com um susto sobre a falta de crescimento, o que, aparentemente, não faz nenhum sentido, a não ser que seja algo mais duradouro e profundo.

Mas aonde poderá seus efeitos sentido na economia, é qual a magnitude do impacto?

O choque mais grave será nas viagens, que também concentram o impacto no crescimento durante o surto do SARS. O feriado do ano novo lunar é o período de pico das viagens de passageiros na China, e o anúncio do surto poucos dias antes do ano novo interrompeu as viagens de milhões de pessoas. As proibições de viagens em 13 cidades de Hubei, com uma população total de 38 milhões de habitantes, foram seguidas por medidas mais restritivas em todo o país. As principais cidades, como Pequim e Xangai, interromperam os serviços de ônibus entre províncias. Medidas ainda mais restritivas foram tomadas em outros lugares.

O turismo também será afetado pelo fechamento de estabelecimentos públicos e pelo cancelamento de atividades. Essas medidas são um componente padrão da emergência de saúde pública declarada pela maioria das províncias da China, sob o sistema de controle de doenças estabelecido após a SARS. Muitos dos museus e pontos turísticos que as famílias costumam visitar juntas durante o intervalo foram fechados e as celebrações públicas realizadas por muitas cidades foram canceladas. Isso significará uma perda permanente de receita proveniente das atividades turísticas, como as excursões canceladas, que não serão repetidas após o término do feriado.

O impacto sobre os gastos do consumidor em geral é mais difícil de julgar. As informações sobre o vírus se espalharam rapidamente pelas mídias sociais e canais oficiais, e a preocupação do público é alta. Mesmo os níveis mais baixos do governo chinês - os comitês que gerenciam aldeias rurais e bairros urbanos - estiveram envolvidos com a campanha, encarregados de entregar informações aos residentes sobre a doença. Tudo isso poderia ter algum impacto nas vendas no varejo - apesar da entrega de restaurantes e compras on-line compensar, e os gastos de varejo não são particularmente altos durante o período de férias.

Se a suspensão da China de viagens normais for relativamente curta, não é provável que tenha muito impacto na produção industrial e no ciclo geral de negócios, já que a queda sazonal usual para o feriado já está em andamento. A postergação prolongada de compras de bens de consumo duráveis, no entanto, seria mais prejudicial. A questão-chave para as próximas semanas, portanto, é quanto tempo o governo planeja manter essas restrições draconianas em vigor e que dependerá muito do que os médicos da linha de frente aprendam sobre o progresso do coronavírus.

E agora José, o que fazer? Para quem é fundamentalista deverá assumir uma das seguintes posições: ou de ficar com suas posições e torcer para que nada de grave aconteça; ou zerar e aguardar mais informações. No nosso caso, vamos usar a análise técnica que nos indicará que grupo acima irá prevalecer – os que aguardam ou vendem.

No post qualquer-motivo-e-um-motivo, fiz os seguintes comentários sobre o euro: ...”  Uma hora o euro deve subir. O que eu não sei é se vai acontecer a partir de agora, e se a alta será de uma vez ou por etapas. Como vocês sabem, existe sempre um plano B, mas vamos deixar ele de lado por enquanto” ...

No gráfico diário a seguir, o euro deu um sinal de queda no curto prazo, abrindo a possibilidade de novas mínimas a seguir. Esse intervalo seria entre 1,08 - 1,07.

Não vou me aventurar nesse trade, pois como aconteceu recentemente numa posição semelhante, fomos stopados antes de se beneficiar da queda. Os motivos é que o resultado seria baixo ~ 2 % sem uma convicção que justifique o risco.

Vamos nos concentrar nas posições em bolsa que podem ter um resultado superior. Aproveito para subir o stoploss so Ibovespa para 114.000, os motivos estarão contidos no post que será publicado esta semana em conjunto com uma postagem no Youtube - moscatrend

O SP500 fechou a 3.276, com alta de 1,01%; o USDBRL a R$ 4,1943, com queda de 0,31%o EURUSD a 1,1022, sem alteração; e o ouro a U$ 1.567, com queda de 0,93%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário