2020: O risco vai compensar?

23 de janeiro de 2020

A recente alta da inflação preocupa?



A alta das proteínas no final de 2019 impactou a inflação dos últimos dois meses, criando algum temor que uma elevação de preços em níveis superiores aos objetivos traçados pelo governo, pudesse ocorrer. Em dezembro, o IPCA subiu 1,15% terminado o ano em 4,31%, ligeiramente superior a meta de 4,25%.

Uma análise mais detalhada dos subitens desse relatório, leva a crer que, não existe qualquer suspeita do retorno da inflação, ficando restrito a elevação substantiva do preço da carne.

Hoje foi publicado o IPCA-15 do mês de janeiro em 0,71%, muito próximo a expectativa do mercado em 0,71%. Em bases anuais manteve-se próximo ao nível anterior de 4,34%. Destaque para desaceleração do grupo Alimentação e Bebidas (2,59% para 1,83%), contando com o arrefecimento mais célere do item carnes (17,71% para 4,83%).

Os preços livres (1,06% para 0,82%) contaram com a desaceleração do subgrupo de alimentação no domicílio (3,62% para 2,30%) e dos serviços (0,61% para 0,49%).


O indicador Difusão, seguido de perto pelo Mosca, não apresentou grande variação quando medido em 12 meses, ficando ao redor de 55%. Porém, em bases mensais, teve uma alta que vai merecer mais atenção nos próximos meses, passando de 55% para 67%.

A Rosenberg projeta a inflação do IPCA em 3,5% para o ano – com viés de baixa. Com expectativa de acomodação, o choque de preços do ano passado não deve se repetir nesse ano; além disso, o desempenho moderado da atividade econômica e o alto nível de ociosidade da econômica indicam alta mais modesta dos demais preços livres (especialmente serviços).

Em termos de política monetária, esperam que o banco central reduza a taxa SELIC na próxima reunião de janeiro com mais um corte de 0,25%. O Mosca diverge nesse ponto, acreditando que o ciclo de corte de juros terminou em dezembro. Let’s see!


Notem que, se a trajetória da inflação seguir a previsão da Rosenberg, durante o ano a inflação anual deve beirar os 5% ao redor de setembro, e se isso acontecer, tenho quase certeza que as manchetes de jornais apontarão a volta da inflação, causando impacto nos títulos de renda fixa. Sendo esse o caso, estejam preparados para volatilidade nesse segmento e um ano ruim para essa categoria.

Como o efeito desta alta será puramente estatístico – substituição de níveis de inflação muito baixas em 2019 por níveis normais em 2020, não deveria haver muita preocupação que a inflação voltou.

Por enquanto acredito que a taxa SELIC irá permanecer nesse patamar de 4,25% por um bom tempo, e não concordo com as previsões implícitas nos mercados futuros de elevação de 150 pontos em 2021.

No post trump-mira-num-novo-alvo, fiz os seguintes comentários sobre o Ibovespa: ... “ Em 2020 vem experimentando pequenas quedas. Ainda acredito que se encontra numa mini correção para buscar o objetivo traçado. No gráfico a seguir, destaco o intervalo onde essa reversão pode acontecer – 114.00 a 112.500, ou até menos que isso, se o caso for de um triangulo” ... Hoje a bolsa atingiu novo recorde acima de 119 mil, o que pode justificar o término dessa correção.



Como comentado em diversos posts, a bolsa está próxima do objetivo proposto de 120 mil, aonde deve apresentar resistência para ultrapassar. Caso ultrapasse esse limite, o novo objetivo passa a ser de 135 mil a 140 mil.


Anotei no gráfico acima a congruência de 3 fatores de resistência, normalmente nessas situações o mercado no mínimo para nessa região. Caso isso não aconteça, indica que o movimento que vai se suceder será “forte”.

Se minhas considerações em termos de Elliot Wave estiverem corretas, em algum ponto haverá o encerramento de uma onda 3. Sendo assim, se sucede uma onda 4 que tem um potencial de retração, que depende se o término acontecerá agora (120 mil) ou no próximo patamar (135mil – 140 mil). Só a título ilustrativo, se for no nível de 120 mil, pode se esperar uma correção entre 105 mil – 97 mil, não é uma catástrofe, mas vai machucar.

Muita atenção nos próximos dias para observar o que vai acontecer.
O SP500 fechou a 3.325, com alta de 0,11%; o USDBRL a R$ 4,1703, com queda de 0,29%; o EURUSD a 1,1055, com queda de 0,31%; e o ouro a U$ 1.562, sem variação.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário