2020: O risco vai compensar?

7 de março de 2013

BCB behind the curve


Ontem foi realizada a reunião do COPOM, e como já era esperado pelo mercado não houve alteração na taxa SELIC, mas houveram mudanças importantes no comunicado. A ideia de dar uma de FED, fixando os juros por um longo período foi abandonada, ao contrário deixou a porta aberta para eventuais elevações dos juros no futuro, sem dar nenhuma pista do quando.

O nosso BC recuou! Mas quem não erra? É normal avaliar as ações tomadas e mudar caso necessário. Mas eu ainda não estou tão convencido assim, pois será que nossa autoridade recuperou sua autonomia se desvencilhando das pressões políticas? A razão de meu ceticismo é função dos motivos que motivaram a queda abrupta de juros nos últimos tempos, se vocês se lembram a nossa Presidenta preanunciou a queda, justificando-a por conta de uma economia que crescia pouco, e pegou uma carona no ambiente externo ruim daquele momento. Mas a elevação da inflação deve-se a uma situação de pleno emprego que vivemos, adicionada da melhora do consumo por conta de crédito em abundância, com taxas declinantes. Isto vai mudar? Acho que tem uma boa chance de não, a não ser que a inflação de sinais de sair de controle.

Se daqui a 2 meses o emprego se mantiver nestes níveis, a indústria se segurando para não morrer e a inflação não retroceder, o que deveria fazer o COPOM?  Subir os juros para desacelerar a economia de tal forma que aliviasse as condições apertadas deste mercado e no futuro parassem de pressionar os índices inflacionários. Será que o BC vai "peitar" os objetivos políticos do Governo? Duvidoso, então na melhor das hipóteses irão correr atrás do prejuízo ou como se diz em inglês vão ficar behind the curve. Portanto foi bom, mas não resolve, um BC independente teria elevado os juros ontem e forte, tipo 1%, assim ninguém ficaria na dúvida!

O real abriu com uma reação levemente positiva, e desde minha última recomendação de compra nada aconteceu de muito importante. Eu vou encerrar a nossa posição com um lucro ínfimo de menos de 0,50%, justamente por este desenrolar.

A linha em azul é minha previsão para os próximos dias, e mesmo achando que poderia vender um pouco melhor, eu prefiro aguardar sem posição. A principal razão foi a perda de ímpeto ao buscar romper os R$ 2,00, conforme eu havia alertado no post tiririca-italiano, fiquei na dúvida, e na dúvida sempre deve-se ficar zerado. 

Amanhã será mais um dia de anuncio da taxa de desemprego nos USA e estarei acompanhando esta informação muito importante neste momento.

O SP500 fechou a 1.544, com alta de 0,18%; o real a R$ 1,9585, com baixa de 0,58%; o euro a 1,3105, com alta de 1,09% e o ouro a US$ 1.577, com queda de 0,34%.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário