Inflação: A Revanche

30 de outubro de 2015

Gestão 101

Hoje o assunto é sobre Apple.
- Xih David, lá vem você de novo com a ideia que as ações da Apple vão cair? 
Você poderá ser até levado a essa conclusão, mas o teor é mais amplo.

No inicio dos anos 2000, a Dell, HP, Compaq, costumavam ser os grandes fabricantes de microcomputadores, num mercado em ampla expansão. A Apple fabricava Macs e tinha uma participação no mercado inferior a atual.

A Dell era a "queridinha", ao conseguir uma "customização" em massa em seu processo de fabricação. Você poderia escolher o tipo de processador, o tipo de disco rígido, o tipo de monitor, além de outros opcionais. O seu computador, feito sob medida, era entregue em sua porta depois de quatro ou cinco dias.

Entretanto, a comoditização substituiu a personalização, as margens do PC foram a zero, e esse foi o final deste ciclo.

Hoje, é difícil imaginar o negócio de PC de qualquer outra forma. Ninguém coloca um monte de esforço para escolher o tipo de PC que irá comprar. Eles são todos iguais. Assim, não existe nenhum valor agregado a qualquer marca.

A Dell tornou-se privada, a HP e a Compaq fundiram-se defensivamente. A ideia que os PCs sempre seriam um negócio de crescimento, parecia uma certeza ...certo? E agora, temos esses smartphones, extremamente potentes, que na essência são miniaturas de computadores.

Para quem tem ações da Apple

A inovação no negócio de smartphones tem sido muito rápida, embora tenha abrandado nos últimos anos, e as últimas mudanças foram incrementais. As margens da Apple de 40% não são sustentáveis.

Por outro lado, a Apple conseguiu manter as suas margens persistentemente elevadas em cada linha de produtos, a partir de iPods, depois iMacs, e recentemente nos iPhones, em parte por causa de design superior, e em parte por causa de marketing inovativo. Eles transformaram o telefone em um símbolo de status.

Se você possui ações da Apple, está apostando que:
  • A Apple irá manter ou até mesmo aumentar a sua participação de mercado, já enorme, em smartphones.
  • Ninguém nunca vai construir um aparelho melhor.
  • O smartphone irá resistir à comoditização que aconteceu com praticamente todos os produtos de tecnologia.

Parece que só há uma maneira para que as coisas deem certo, e muitas maneiras para que as coisas deem errado.

Os telefones são diferentes de computadores. A forma como os planos para celulares, trabalham nos EUA, as pessoas não arcam com o custo do telefone, pelo menos não de uma vez. Assim, a pressão sobre os preços não é igual as do PCs, que passaram de US$ 2.000 para US$ 600 - US$ 800 no espaço de poucos anos.

Mas a Apple se transformou numa empresa de um único produto (60% da receita vem do Iphone) cujas margens não são, talvez, a prova de bala como pensamos. O valor de mercado de US$ 700 bilhões, é consequência dessas margens.

Estratégia empresarial inteligente?

Em qualquer indústria, geralmente existe apenas um Walmart. Não há espaço para duas empresas deste porte que consigam sobreviver.

Em bens de luxo, é diferente. Há 25-30 principais marcas de relógios suíços, e que cada uma tem uma existência rentável.

A Apple faz as duas coisas. Eles produzem em massa um bem de luxo, e tem margens das empresas de luxo. É assim que eles têm um valor de mercado de quase um trilhão de dólares no mercado. É muito difícil de imaginar, mas eles conseguiram isso.

Embora eu não tenha um iPhone, acompanho suas evoluções, estou rodeados deles. Mas seja sincero, não é essencialmente o mesmo telefone? A Apple não está realmente inovando neste ponto, apenas ajustes para manter suas margens.

Ficar no topo sempre é difícil!

No post vaidade-ou-necessidade, disse que esperaria alguns dias para me posicionar sobre o euro: ...a possibilidade de queda abaixo de 1,045 pode estar acontecendo. Como tática, vou aguardar os próximos dias e verificar se o euro rompe o nível apontado no gráfico como importante, e aí sim nos aventuramos na venda...
Mesmo não tendo confirmado completamente que o movimento de queda abaixo de 1,045 se iniciou, vou arriscar um trade. Quando existe um rompimento de uma reta de suporte, é provável que os preços tendam a retornar a este ponto e depois cair, o que se chama em análise técnica last kiss. É nessa hipótese que vou montar a estratégia de venda de euro: 50% a 1,1130, 50% a 1,1200 e stoploss a 1,1280.

Quero deixar registrado que não vou ficar nem um pouco vermelho se formos stopados, e o euro voltar a subir, existe elementos técnicos para tanto. Entretanto, ainda é mais provável a queda, e a confirmação viria abaixo de 1,0890. Mas risco é risco, e certeza só quando passarmos para outra vida, aqui na terra tudo tem risco. O que diferencia é não assumir risco sempre, como se fosse uma roleta, mas sim, quando as suas chances são maiores de acerto.

O SP500 fechou a 2.079, com queda de 0,48%; o USDBRL a R$ 3,8548, com alta de 0,14%; o EURUSD a 1,0996, com alta de 0,18%; e o ouro a US$ 1.141, com queda de 0,34%.

A principio não haverá publicação do Mosca na próxima segunda-feira, a não ser que algo importante aconteça. Bom feriado!
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário