Inflação: A Revanche

16 de fevereiro de 2016

Conselhos sem risco!


Depois da comemoração do dia do Presidente nos USA, os mercados voltam a operar normalmente. Um feriado longo é igual em toda parte do mundo, uma dose de inércia pode ser percebida. Por isso, não são publicados muitos artigos interessantes. Resolvi comentar sobre uma pesquisa feita com dezoito bancos, com suas projeções para o SP500 ao final de 2016.

Devo confessar que dois motivos devem ter me levado a isso, primeiro que raramente vivi um momento de tamanha disparidade entre o que o mercado acredita, e está apostando, e os economistas; e segundo que dezoito é um número de sorte na numerologia Cabalística - superstição? Bem provável! Hahaha... Veja a seguir os resultados, onde a coluna Alta potencial é o calculo considerando o nível projetado para o SP500 vis-à-vis o atual.


O que se pode perceber é que não existe nenhuma instituição que vislumbra um cenário mais sombrio. Nada de recessão, deflação, crise bancária e etc..., tudo continua bem, um pouco mais otimista, um pouco menos. Ninguém!

Só para mostrar como o mercado está com uma visão muito diferente dos economistas, veja no gráfico a seguir, a espetacular mudança na projeção de quando o FED irá elevar os juros novamente.


Daqui a dois anos! Alguém está muito errado. Eu sempre tenho uma desconfiança maior nas projeções dos economistas, por uma única razão, eles não colocam na reta! Já vi inúmeras vezes mudanças radicais de projeções numa boa, sem que fiquem vermelhos, ou até peçam desculpas.

Em todo caso, do ponto de vista técnico, estamos numa conjectura delicada, existem tranquilamente argumentos para comprar ou para vender, e em ambos os casos, com resultados interessantes. Como não existe até o momento nada definitivo, melhor ficar com dedo no gatilho, para acertar o "urso" - mercado de baixa, ou o "touro" - mercado de alta, sem nenhuma preferência.

O dólar em relação ao real não está se comportando da maneira que eu havia projetado. Assim, depois de uma análise mais detalhada cheguei a outra hipótese que vou compartilhar. Antes disso, é importante relembrar os cenários que coloquei no post eu-serei-você-amanhã: ..."Em relação ao real, enquanto o nível de R$ 4,25 não for ultrapassado, acredito numa "mini" queda para um nível de R$ 3,85 - R$ 3,60... ..."Eu poderia considerar alcançado o objetivo desta mini-queda, porém acredito que possa cair ainda mais um pouco. Imaginei dois cenários possíveis:"...

VERMELHO


VERDE


Como mencionei no post acima, o objetivo da mini-queda poderia ser considerado alcançado (grifado), razão pela qual nenhum trade foi sugerido. O gráfico a seguir mostra a nova alternativa que denominei de cinza.

CINZA


Notem que as cotações, ao se aproximar da linha azul, não cairam abaixo dela, isso se denomina suporte. Assim, poderia estar se formando uma figura já bem conhecida por vocês, o triângulo, que tende a romper na mesma direção do movimento anterior, que no caso é para cima.

Calculei qual seria o objetivo para as cotações do dólar caso isso ocorra. Não é nada animador, pelo menos para nós brasileiros - R$ 5,50! Uma alta nada desprezível de 30%.

- David, Uallll...., porque você não compra e para de torturar seus leitores com tantos jargões técnicos, triângulo, zig-zag e etc...?
Puxa você anda bastante quieto ultimamente, por que será? Infelizmente não tenho como aliviar os leitores, pois se eu não explico o que estou fazendo, parece chute. Não vou comprar agora não, irei aguardar cair aos níveis dos cenários Verde ou Vermelho, ou comprar no rompimento no nível de R$ 4,25. 

O SP500 fechou a 1.895, com alta de 1,65%; o USDBRL a R$ 4,0708, com alta de 1,66%; o EURUSD a 1,1136, com queda de 0,15%; e o ouro a US$ 1.199, com queda de 0,80%.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário