2018: Vestibular Político

5 de outubro de 2017

O misterioso massacre de Las Vegas


 O massacre ocorrido em Las Vegas, onde Stepehen Paddock, um americano aparentemente normal, matou 59 pessoas e feriu aproximadamente 500, é um grande mistério ainda. As pessoas mais próximas de seu relacionamento não relatam nenhuma anomalia em seu comportamento que justificasse uma ação tão violenta, a 2º maior em termos globais.

Mas certamente ele não era, não é possível que alguém normal agiria dessa forma. Parece que tinha duas personalidades, e administrava bem esses dois lados, um normal e outro escondido que mantinha muito bem separado.

O paralelo que pretendo fazer diz respeito a volatilidade observada nos mercados, o gráfico a seguir é sugestivo pois compara esse indicador para uma série de mercados. Se vocês observarem, a volatilidade é aproximadamente a metade da mediana dos últimos 10 anos, e mesmo no ano de 2017, houve uma queda significativa.


Para ajudar nessa ideia, não são só os indicadores de mercado que apresentam esse comportamento. A volatilidade medida no índice de inflação também vem observando o mesmo fenômeno.

 
Será que, como no caso do atirador, a volatilidade está nos preparando uma surpresa que vai estourar de repente, ou é uma queda estrutural? Se essa pergunta fosse feita a 100 analistas, provavelmente a grande maioria dirá que está muito baixa e os níveis atuais são uma exceção. O que difere seria o grau dessa correção. Quem está otimista com as bolsas vai dizer que uma correção pode acontecer, mas nada dramático, enquanto os pessimistas dirão que voltara aos níveis históricos. No fundo ninguém sabe explicar as razões dessa queda. Durante a minha vida profissional nunca vi nada semelhante.

Ontem foi publicado o ISM dos não manufaturados cujo resultado é excelente, muito acima da expectativa dos analistas. Com um indicador a 60% é o mais elevado dos últimos 10 anos.

 
Dá para estourar a Champanhe? Não ainda, o índice foi distorcido principalmente por um dos itens – entrega de fornecedores – por conta dos furacões Harley/Irma, como a figura abaixo aponta. Numa situação semelhante, que ocorreu no passado com o furacão Katrina, esse indicador também subiu. Como havia comentado, é necessário muito cuidado ao analisar os dados publicados nos próximos meses.


Amanhã será publicado os dados de emprego nos EUA. Vários fatores têm deixado os analistas intrigados com esse indicador. Como é possível uma taxa de desemprego tão baixa não gerar pressões inflacionarias? Qual a razão dos participation rate ter caído e permanecido tão baixo? Questões de difícil resposta conclusiva. Mas existem algumas tendências de mudanças que tem impacto sobre esse indicador, uma delas é o aumento do número de trabalhadores com idades superior a 65 anos. Acredito que isso vem acontecendo por dois motivos, primeiro que a renda do americano médio está estagnada, e segundo que a expectativa de vida vem crescendo em todo mundo. Essa é uma força de trabalho que compete adicionalmente no mercado de trabalho.


No post visibilidade-comprometida, fiz os seguintes comentários sobre o SP500: ...” no gráfico abaixo de médio prazo apontei possíveis níveis de interesse, o primeiro é 2.550, depois 2.620, depois .... E assim se pode calcular nível após nível. Mas é o mercado que diz quando vai parar e não o analista técnico ou mesmo o analista fundamentalista que usa a teoria de finanças clássica. ” ...


Desde que o nível de 2.510 foi rompido, o SP500 sobe todos os dias, devagar, mas sobe. O primeiro nível que indiquei acima está bastante próximo pois agora se encontra em 2.542. Se atingindo o que fazer? Uma frase muito usada “lucro nunca deu prejuízo” é verdadeira, mas posso garantir que as vezes esse argumento simplista te faz sair do mercado quando ainda tem muito para subir.

Nas minhas análises notei uma área de congestão entre 2.550 – 2.570, que se ultrapassada irá encontrar a seguinte a 2.620, e assim vai. No post acima frisei o seguinte: .... “Mas tenho certeza que um dia vai parar”! ...

Nessas situações existem sempre duas formas de agir: A primeira mais conservadora indica que se deva reduzir a posição entre 25% - 100%; na segunda, mais agressiva, se decide seguir em frente e na melhor das hipóteses atualizar o stoploss. Eu vou usar um misto, se o índice atingir 2.550 reduzimos em 1/3 e permanecemos com o restante atualizando o stoploss para 2.510, nível de entrada. Agora vocês fiquem à vontade para optar por uma forma diferente. O que não se pode ser é leniente.

O SP500 fechou a 2.552, com alta de 0,56%; o USDBRL a R$ 3,1539, com alta de 0,70%; o EURUSD a € 1,1710, com queda de 0,45%; e o ouro a U$ 1.269, com queda de 0,39%.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário