2018: Vestibular Político

13 de setembro de 2018

Sem pressão



O CPI, um indicador da inflação dos EUA arrefeceu inesperadamente em agosto, com os preços de vestuário caindo mais em cerca de sete décadas e os custos médicos diminuindo, sugerindo pouca urgência para o Federal Reserve acelerar o ritmo de aumentos das taxas de juros.

Excluindo os custos com alimentos e energia, o núcleo do índice de preços ao consumidor subiu 2,2% em agosto ante o ano anterior, comparado com a estimativa média de 2,4% dos economistas consultados pela Bloomberg News. O CPI mais amplo desacelerou para uma alta anual de 2,7%, de 2,9%.


Embora essa moderação reflita em parte uma queda recorde de 1,6% no preço do vestuário, um componente que tende a ser volátil, a desaceleração mais ampla segue uma queda surpreendente nos preços ao produtor publicado ontem, e sugere que a trajetória da inflação poderia ser mais suave do que algumas pessoas esperam.


Os formuladores de políticas do Fed devem aumentar as taxas de juros ainda este mês e também está traçado um quarto movimento neste ano, embora uma desaceleração mais persistente da inflação possa afetar suas perspectivas. Os custos de frete e o aumento dos salários, juntamente com as tarifas, podem continuar pressionando a inflação.


O mercado já trabalha como praticamente certo que o Fed irá subir os juros mais duas vezes esse ano. A probabilidade se encontra próxima a 80%.


A decisão de elevar as taxas de juros de curto prazo parece ser a parte mais fácil da reunião do Federal Reserve no final deste mês. Concordar em como enquadrar o caminho dos aumentos de taxas no próximo ano pode ser muito mais difícil.

O sólido crescimento nos EUA, a baixa taxa de desemprego e a inflação estável devem manter o Fed no caminho para elevar sua taxa de referência este mês, de sua faixa atual entre 1,75% e 2%. As autoridades provavelmente deverão subir novamente em dezembro, se as disputas comerciais ou a volatilidade nos mercados emergentes não colocarem em risco o crescimento global, de acordo com entrevistas e discursos públicos.

Eles também poderiam abandonar a linguagem, que declaram após as reuniões. Durante anos descreveram a política monetária como "acomodativa", o que significa que as taxas são baixas o suficiente para estimular o crescimento econômico.

Agora, a remoção da linguagem, quando as taxas ainda não estão em um nível "neutro" - que não estimula nem diminui o crescimento, evita o envio de sinais potencialmente enganosos sobre o nível de tal configuração. Se as autoridades esperarem para abandonar a linguagem até que as taxas sejam mais altas, eles podem sinalizar uma precisão não intencional em torno de sua estimativa de neutro.


Em junho, as autoridades registraram mais dois aumentos este ano, três no ano que vem e uma em 2020. Essas projeções serão atualizadas na reunião de 25 a 26 de setembro. Os contratos futuros implicam que os mercados projetam o Fed aumentando as taxas mais duas vezes este ano e quase duas vezes mais no próximo ano.

Até agora, prever o que o Fed faria, era relativamente simples para os investidores. As autoridades estão ansiosas para retirar as medidas de estímulo de emergência, que duraram muito mais do que se previa.

No próximo ano, o debate pode mudar. Com mais alguns aumentos, as taxas de curto prazo se aproximarão das estimativas oficiais de neutro, embora ainda haja uma considerável incerteza sobre onde esse cenário se encontra.

Tradicionalmente, para evitar o superaquecimento, o Fed elevou as taxas o suficiente para esfriar o crescimento. "Se você está em estado neutro, mas a economia está crescendo tão rapidamente que você vai perder sua meta de inflação ... então o neutro não é onde você quer estar", disse o presidente do Fed de Boston, Eric Rosengren.

O presidente do Fed, Jerome Powell, não tomou nenhum lado, mas em um discurso no mês passado, forneceu pistas de que poderia tratar os modelos tradicionais com mais ceticismo do que alguns de seus colegas.
Ele demonstrou ceticismo sobre a firmeza com que os formuladores de políticas devem confiar nas estimativas de níveis de desemprego de longo prazo e taxas neutras que guiam o pensamento tradicional. O Fed está "navegando com apenas uma visão nebulosa do que parece estar mudando os guias da navegação", disse Powell.

A necessidade de uma estratégia tão lenta, dada a fraca resposta da inflação ao aumento ou queda da folga dos trabalhadores nos últimos anos, "está mais clara do que nunca", disse Powell.

A turbulência financeira no exterior representa o maior risco para os planos do Fed. As autoridades podem adiar o aumento da taxa se um dólar mais forte causar uma maior agitação nos mercados emergentes ou as tarifas de comércio levarem a uma desaceleração na China.

Por outro lado, uma pausa nas taxas também pode ser difícil de ser realizada se as autoridades sentirem uma crescente preocupação com o potencial de bolhas de ativos, uma vez que, uma pausa poderia inflamar o mercado.

Resumidamente, se ficar o bicho come se correr o bicho pega!

No post em-má-companhia, fiz os seguintes comentários sobre o ouro: ...” O trade sugerido foi executado nessa semana a U$ 1.215” ... …” já para a queda, níveis abaixo de U$ 1.180 são encorajadores à nossa posição, embora o rompimento de U$ 1.160 é necessário. ” ...


Ontem intempestivamente decidi liquidar a posição existente sem que houvesse nenhuma razão para tanto. O que me fez tomar essa decisão? Não vou conseguir dar motivos técnicos suficientemente críveis para justificar tal ação. Foi uma combinação de fatores, mas o que mais pesou eu marquei no gráfico abaixo.


A área circunscrita pode ser um indicador de alta de curto prazo que faria o ouro atingir pelo menos U$ 1.235. Mas só o tempo dirá se fui precipitado ou cauteloso. Outro fator que também importa é uma razão de mais longo prazo, da possibilidade de o metal estar atingindo uma mínima. Mas isso ainda sem nenhuma confirmação.
Às vezes, situações como essa ocorrem, e intuitivamente ficamos desconfortáveis com a posição. A análise técnica não recomenda agir antes que algum movimento do mercado indique ação. Assim, para quem está vendido, não tem problema nenhum, siga as premissas existentes.

Vamos conferir daqui alguns dias!

O SP500 fechou a 2.904, com alta de 0,53%; o USDBRL a R$ 4,1951, com alta de 0,92%; o EURUSD a 1,1690, com alta de 0,57%; e o ouro a U$ 1.201, com queda de 0,33%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário