Inflação: A Revanche

22 de setembro de 2016

A última bolha

Vocês não devem acreditar no título deste post. Nunca se pode afirmar que uma bolha é a última, faz parte do ser humano sempre criar novas, pois é a ganância que as impulsiona e isso nunca acabará. Reconheço que usei esse chamariz para chamar a sua atenção sobre um relatório que apresenta as ameaças do momento. Marketing! Hahaha ...

Tad Rivelle, responsável pela área de investimentos da TCW, que administra US$ 195 bilhões, observa que o excesso de alavancagem das empresas a níveis superiores aos atingidos em 2008, é um sinal para que os investidores estejam preparados para o final do ciclo de crédito.

Os números não podem ser contestados, somente em setembro foram emitidos mais de US$ 1,0 trilhão, pelo quinto mês consecutivo.
Uma medida muito comum para se medir o grau de alavancagem, é o quociente entre as dívidas e os lucros antes dos impostos e amortizações – Debt/EBITDA. O gráfico a seguir mostra essa relação no tempo para as empresas que compõe o SP500.
Rivelle culpa os bancos centrais por incentivar a bolha de ativos, que estaria na fronteira do colapso, uma vez que, a dívida cresce mais rápido que a capacidade das empresas em gerar lucros para pagá-las: ...” recomendamos evitar esses ativos que irão sofrer no próximo período de desalavacagem, poderemos recomprá-los pela metade de seus preços no futuro” ...

O seu principal argumento é que crescimento não é uma função de preços de ativos mais elevados.

O gráfico a seguir auxilia no entendimento do conceito acima, a linha azul acumula os valores dos ativos (ações, bonds e imóveis) detidos pelos indivíduos, comparados com o PIB também acumulado.

Esse gráfico revela algo extraordinário: No curso dos últimos 25 anos, o ciclo tradicional dos negócios foi substituído por ciclos de preços de ativos. Ao invés de deixar a recessão fazer o seu trabalho de “limpeza”, necessária para que um novo ciclo recomece, os bancos centrais se moveram imediatamente para fornecer a morfina monetária a fim de evitar essa dor. O raciocínio que eles imaginavam, era de que: com juros zero promovem uma busca por retornos; com a queda dos juros diminuem as taxas de capitalização para várias classes de ativos; que por sua vez elevam os preços desses ativos. Assim cria-se o aumento do efeito riqueza – possibilidade de maior consumo e investimento oriundos dessa valorização - “salvando” a economia.

Entretanto não parece que foi isso que aconteceu, pois depois de 9 anos quase sem juros, o crescimento econômico é pífio, o setor corporativo está numa recessão de lucros, e a evolução da produtividade é negativa.

O estímulo artificial para criação de crédito implica que na margem, empresas deficitárias estão sendo abastecidas com recursos, quando na verdade deveriam ser fechadas. Esse excesso de crédito cria inúmeras distorções além dessas, pois mesmo empresas que não precisam de caixa emitem títulos para, por exemplo, recomprar suas ações, aumentando seus dividendos por ação sem que aumentem seus lucros.

A tabela a seguir é instrutiva, veja como as condições econômicas são semelhantes entre 2009 e hoje. A diferença está no endividamento das empresas IG – ivestment grade, o juro praticado pelo FED, e o seu balanço.
Esses resultados induzem que estamos vivendo atualmente, a maior bolha dos últimos anos, ocasionadas pelos bancos centrais onde se pode observar distorções em diversos mercados, como a que comentamos no post de ontem, através das medidas implementadas pelo BOJ.

Eu fiz uma apresentação em 2012 no IFC – Instituto de Formação de Líderes, cujo tema foi No mundo das bolhas. Neste estudo identifiquei algumas características que as bolhas têm em comum. Porém, mesmo que estas condições se verifiquem, nunca se sabe de antemão, se é ou não uma bolha. Veja as seguir essas características.



Parece que a situação atual se enquadra em todos os itens! 

André Jacurski, um grande trader brasileiro, fez a seguinte declaração numa apresentação na PUC do Rio de janeiro recentemente: ...”o mundo hoje está mais para você ter posições táticas do que permanentes.  Posição permanente é aquela que você investe com horizonte de longo prazo. Tático é aquilo que você está disposto a mudar de ideia a qualquer momento” ...

Vários ativos que o Mosca cobre estão se aproximando de níveis que poderiam sugerir alguma ação: USDBRL; Bovespa; SP500; e Ouro. Porém não existe confirmação. Pensei até em postar um deles, mas deixaria de forma implícita uma alteração em meus planos. Resolvi não fazer ainda, pois o ambiente é de tanta indefinição, que poderia ser levado daqui alguns dias a rever mais uma vez a posição. Optei por esperar uma confirmação efetiva para postar.

Veja a seguir os pontos de interesse, caso esses níveis sejam ultrapassados:

USDBRL: < R$ 3,15
Bovespa: > 61.000
SP500: > 2.200
Ouro > US$ 1.375

Como estou “proibido” de comentar a maioria dos ativos que cubro, sobrou o  euro! Hahaha .... No post super-Mario, fiz os seguintes comentários sobre a moeda única: ...”se a moeda única romper esse nível, as chances de atacar novamente o intervalo superior entre 1,145/1,16 aumentam bastante, mas não vou propor nenhum trade. Pode tranquilamente reverter e voltar a cair. Ficamos de observadores” ...


Para dizer a verdade, procurei mais de uma vez se eu não tinha publicado nada neste meio tempo, pois o euro estava ameaçando cair desde essa postagem – veja a marcação. Como podem notar o euro vem mantendo suas características desses últimos tempos, até arrumei um apelido  "o sem rumo". Mas os operadores dessa moeda não devem ficar tristes, isso vai acabar algum dia e ela dará muitas alegrias. Mas por enquanto fique fora.

Vou repetir o gráfico e as observações do post acima que permanecem válidas: ... “em ultrapassando 1,1370, o euro deveria testar a região entre 1,155 – 1,16 e daí em diante movimentos mais intensos deverão acontecer. A baixa teria a seu favor o fato de, na formação de triângulo, 2/3 tendem a seguir o movimento imediatamente anterior, que nesse caso é de queda” ...


A Vantagem do euro atualmente para o analista técnico, é que não dá muito trabalho de análise, basta fazer past copy! Hahaha ...


O SP500 fechou a 2.177, com alta de 0,65%; o USDBRL a R$ 3,2235, com alta de 0,56%; o EURUSD a 1,1201, com alta de 0,14%; e o ouro a US$ 1.337, sem variação.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário