Inflação: A Revanche

16 de fevereiro de 2017

Snapchat: Vale ou não vale?


Durante minha vida profissional já me deparei com algumas situações onde tive muita dificuldade de entender o que se passava. A primeira que me vem a memória aconteceu em 1999 quando a internet estava em ebulição. O negócio do momento chamava-se start up. Uma pessoa do meu relacionamento profissional, me ofereceu a “rara” oportunidade de investir numa dessas empresas.

Ao me apresentar os números disse que não deveria me ater ao lucro, pois naquele momento apresentava prejuízo. O importante era o número de hits – pessoas que acessavam o site. Eu perguntei se esse acesso gerava alguma receita e ele me disse que não, porém era como esse negócio era valorizado, numa futura venda através de um IPO.

Fiquei intrigado e resolvi refletir durante uma caminhada pela praia. Pensei: “será que fiquei obsoleto? ”. Depois de uma hora de exercício cheguei à conclusão que se entrasse no negócio e o mesmo não fosse bem-sucedido me sentiria um estúpido, e se desse certo seria como ganhar um presente. Resolvi não entrar e foi uma boa decisão.

Depois disso, essa passagem fez com que eu não investisse mais nesse segmento, pois mantinha essas ideias como um mantra. Acontece que, minha decisão pode ter sido correta baseada em dois aspectos, primeiro que esse negócio realmente não era bom, segundo que o momento foi atípico pois logo em seguida houve o estouro da bolha das “ponto com”, como ficou assim conhecida.

Meu erro foi generalizar essa decisão pois basta ver como evoluiu, e vem evoluindo, a área de tecnologia. Muitas empresas foram muito bem-sucedidas, ameaçando inclusive várias empresas ícones em diversos setores. Veja o que a Amazon está causando ao setor de distribuição nos EUA.




O aplicativo Snapchat está realizando seu IPO, embora não seja muito usado entre as pessoas mais velhas e extremante popular entre os jovens. O gráfico abaixo mostra o nível de penetração entre os adolescentes ao redor do mundo.


Já no próximo gráfico se pode verificar que dentre os aplicativos mais usados atualmente o Facebook de longe tem um uso disseminado entre todas as faixas etárias.


Hoje a empresa lançou oficialmente a oferta de venda de suas ações, por um valor aproximado de US$ 25 bilhões, o maior IPO da área de tecnologia depois do Facebook. Embora suas projeções são impressionantes, alguns analistas se questionam sobre longevidade de um aplicativo que depende tanto dos jovens.

Mas o ponto crítico são seus resultados. Nos últimos dois anos, seus custos ultrapassaram suas receitas numa escala alarmante. O argumento da empresa é que são seus investimentos em infraestrutura. Em 2016 com uma receita de US$ 404 milhões obteve um prejuízo de US$ 451 milhões.



Uma comparação feita pelo Wall Street Journal entre o IPO do Facebook e do Snapchat, deixa claro que o primeiro tinha uma posição muito mais sólida.

 
- E aí David, vai entrar?
Se eu me basear nos mesmos critérios comentados acima - situação vivida em 1999, minha resposta é não. Porém, aprendi que uma resposta fundamentada em resultados passados, que normalmente são muito ruins, não necessariamente é correta. É necessária uma compreensão maior feita por entendidos da área, e isso eu não fiz. Para responder a sua pergunta, não vou entrar, mas também não vou avaliar. Vocês entrariam?

Só espero que os novos acionistas não recebam fotos “engraçadinhas” desse aplicativo, como retorno do seu investimento. A que se encontra no post de hoje contou com a produção da minha enteada. Vocês não esperavam diferente, afinal, ela fez em minutos e eu levaria dias!

No post bcb-em-festafiz os seguintes comentários sobre os juros de 10 anos: ...” Ao redor de 2,22% a.a. os juros deveriam reverter a queda, para começar um novo ciclo de alta. Como stoploss vou fixar 1,95%” ... E havia publicado o gráfico abaixo.


Quanto mais se vive, mais se aprende e quando o assunto é correção nem se fala. No dia da minha publicação o movimento recente sugeria uma determinada configuração, mas acabou não acontecendo. É por essa razão que eu sempre enfatizo a imprevisibilidade das correções.

Como fica então, vale ainda ou não minha hipótese acima? Sim, veja a seguir as duas possibilidades que antevejo.


A primeira hipótese se enquadra em meu cenário acima, onde teremos a oportunidade de fazer o trade no nível de 2,22% a.a. – azul, já a segunda o movimento de alta estaria em curso. Nesse caso, deveríamos modificar o ponto de entrada, que será superior, provavelmente a 2,60% a.a.

David, acho que entendi. Mas o que aconteceu com o desenho que traçou com a linha azul, estava sob efeito alcoólico? Hahaha ...
Me desculpem os leitores, mas não quis ser irônico ao acrescentar um rabisco ao gráfico. Eu simplesmente quis explicitar que em correções não dá para saber qual será o movimento, o que se tem que atentar são os níveis. Agora respondendo a meu amigo, não brinco (ou bebo) em serviço! Hahaha ...

O SP500 fechou a 2.347, sem variação; o USDBRL a R$ 3,0889, com alta de 1,06%; o EURUSD a 1,0672, com alta de 0,70%; e o ouro a US$ 1.239, com alta de 0,55%.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário