Inflação: A Revanche

12 de abril de 2017

A lista de aprovados


Existem situações em nossas vidas das quais não esquecemos; o ingresso na faculdade é um deles. Normalmente, os alunos nessa fase se preparam através do “cursinho”. Recordo-me que já perto da data fatídica o stress aumentava.

Eu tinha um grande receio de esquecer as formulas de Física e isso me deixava pirado, todo momento eu me testava para ver se lembrava a de ótica, elétrica, cinemática etc .... Foi quando eu tomei uma decisão: resolvi estudar como deduzir todas elas, assim podia ficar tranquilo se esquecesse. Uma loucura!

Porém, o ápice era ver seu nome na lista. No meu caso, lembro-me de passar alguns dias em Santos, na casa de um amigo, após as provas do vestibular. Como não havia quartos suficientes, eu dormia na sala. Num belo dia pela manhã, o pai do meu amigo me acorda e, com um jornal na mão, comenta: “Você entrou na Poli, veja seu nome”. Ainda meio dormindo, aquilo parecia um sonho. Logo em seguida perguntei do meu amigo, mas ele não tinha entrado. Não pude comemorar, afinal éramos muito amigos e sabia que ele ficaria muito chateado.

Ontem, o Ministro Fachin publicou sua lista que autoriza a abertura de inquéritos contra 98 pessoas, entre ministros, senadores e deputados. Mas não foi só isso, remeteu 201 petições a outras instâncias judiciais, cuja lista inclui 9 ex-governadores. Acredito que os políticos, ao saberem que tal lista se tornaria pública, ficaram muito ansiosos, pois sabiam que não estariam lá só por esquecimento da gang montada dentro da Odebrecht.

Eu me pego diversas vezes pensando, como se consegue montar uma estrutura paralela dentro de uma empresa do porte da Odebrecht e nada vazar. Não tinha a “rádio peão”, nome que se usava na minha época para circular as fofocas do trabalho? No sigilo e falcatruas, eles eram bem competentes!

Ontem, o pessoal do Jornal Nacional teve que trabalhar a toque de caixa. Esse noticiário avançou sobre a programação normal, pois só para elencar todos os nomes e relatar as respostas a cada um deles sobre a indicação de seu nome, precisaria de um canal exclusivo para o assunto. As respostas dos políticos quando mencionados é bizarra: “Nego veementemente as acusações e vou me pronunciar nos autos”. Vou dar um conselho, não usem esse argumento, pois, mesmo que seja verdade, ninguém acreditará; inclusive eles mesmos! Hahaha ....

Quanto mais esse assunto avança, mais nomes e empresas são incluídos. Usando a teoria do cálculo diferencial: no limite, a quantidade de nomes tende ao infinito. Não sei se vocês já refletiram sobre o assunto, mas eu não consigo imaginar como isso pode terminar.

Se a operação lavajato migrar para um Ministério da Corrupção, a lista de “aprovados” será imensa e a sensação de quem for avisado por um “pai” que seu nome está na lista, será completamente diferente da época de vestibular!

Voltando ao tema principal do Mosca, hoje tenho algumas informações que considero interessantes. A professora Yellen disse ontem que o tempo dos helicópteros acabaram e que daqui para frente a economia americana não precisa mais de estímulos para crescer. O gráfico a seguir dá uma boa dimensão da quantidade de recursos injetados pelos bancos centrais ao redor do mundo, com sua mensuração em relação ao PIB.


Como repeti diversas vezes, os dados reais ainda não espelham a melhora esperada pelas expectativas. Sobre esse assunto, o estrategista Kevin Gaynor, da Nomura Securities, percebeu que esse fato é comum nas observações dos últimos 40 anos, e que existe uma defasagem de aproximadamente 8 meses para que esses dados convirjam. Em sua opinião, ao redor de junho já se poderá perceber a diminuição entre ambos.


O próximo gráfico coloca a projeção dos juros nas principais economias do mundo. Nessa premissa, ficariam no longo prazo entre 2% a 3%; com exceção do Japão que permaneceria em 0%. Pergunta: A economia japonesa está morta e esqueceram de enterrar?


No post procura-se-gari, fiz os seguintes comentários sobre os juros de 10 anos: ...” se encontra muito próximo de 2,31%. Por que é tão importante esse parâmetro? Porque indica que caso rompa esse nível, a correção não terminou e os juros deverão cair mais antes de retomarem o caminho da alta” ... ... os objetivos são de 2,22 % a.a. e, se rompido 2,10%. Acredito que esse último possa ser o mais provável, em função de outros parâmetros analisados. Só depois disso as taxas deveriam começar a subir” ...


No momento, o juro se encontra a 2,29%, abaixo do nível comentado acima. Como ainda está muito próximo, é necessário que nos próximos dias continue em queda para que as previsões acima se confirmem. Apresento a seguir um gráfico de mais longo prazo onde gostaria de fazer algumas considerações.


A linha cinza de longo prazo foi rompida no final do ano passado. Esse movimento elevou significativamente a probabilidade dos juros terem terminado seu longo ciclo de baixa, que começou em 1980. Se minha premissa de queda se confirmar, as cotações estarão encostando novamente nessa reta num movimento denominado de “Last Kiss”. Daí em diante eu espero um novo ciclo de alta que levaria as cotações a 2,75% e se rompido a 3,2%. Notem que eu fiz alguns ajustes em relação as projeções anteriores.

Agora, tudo isso são conjecturas e para se tornarem realidade é importante o que disse acima em relação aos próximos dias. Algo que não comentei ainda é o caso B; e se os juros continuarem a cair abaixo dos 2,15%? Vou acompanhar atentamente o nível de 1,95% e, caso não pare por aí, provavelmente vou jogar a toalha e me preparar para novas quedas.


Olhando de hoje, parece-me pouco provável que o cenário B aconteça, mas não custa nada deixar registrado caso ocorra. Não quero nem pensar quais seriam os motivos para que isso possa vir a ser, pois não é assim que funciona a análise técnica, a de tentar “adivinhar” o futuro. 

O SP500 fechou a 2.344, com queda de 0,38%; o USDBRL a US$ 3,1333, com queda de 0,11%; o EURUSD a 1,0661, com alta de 0,56%; e o ouro a US$ 1.284, com alta de 0,84%.
Estou atualizando o stoploss do trade de ouro para US$ 1.245.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário