Inflação: A Revanche

27 de abril de 2017

O PT ganha folego


O PT foi dizimado nas últimas eleições com perdas de prefeituras e outros cargos legislativos, o que tornaram a sobrevivência desse partido questionável. Até aquele momento as delações da Odebrecht não tinham se tornando publicas, assim todo a raiva do público recaiu sobre o PT, oriundas da operação lava jato.

Depois do impeachment da Dilma o novo governo Temer ganhou carta branca para colocar o país na rota certa. Uma equipe econômica exemplar se juntou tomando as medidas necessárias. Alguns resultados já podem ser observados como a queda vertiginosa do nível de inflação, agora até abaixo da meta, controle dos gastos públicos com a imposição de limites, e a conquista de credibilidade perante os investidores internacionais. Ontem por exemplo, comentei sobre os excelentes resultados de nossas contas cambiais.

Porém, o baixo índice de aceitação do Temer sempre me deixou preocupado, como comentei aqui no Mosca diversas vezes. O “Fora Temer” era visto e ouvido em muitos eventos das mais diversas naturezas. Isso fez com que o Presidente não aparecesse publicamente. Através dos bastidores da política, sua especialidade, conseguiu conduzir as votações necessárias com bastante competência.

Recentemente, as delações da Odebrecht acarretaram dois prejuízos ao status quo: Primeiro expos a grande maioria dos políticos de todos os partidos nas operações de propina, caixa 2 e tudo o mais que não é lícito. Eu não fiquei surpreso, ou muito surpreso, afinal essa era a forma que o Brasil funcionava (ou funciona?); e segundo, deixou a população revoltada com todo e qualquer partido. PMDB, PSDB, e P qualquer coisa, é corrupto!

Do lado dos políticos seu maior objetivo no curto prazo é se livrar do Moro. Por conta disso, já se notícia acordos entre PSBD, PMDB e PT para tal fim, além das propostas que circulam na câmera com esse objetivo. Esses políticos já estão sendo odiados por quem os elegeu imaginem agora aprovar algo contra seus eleitores?

Em virtude dessas evidencias, eu cálculo que grande parte dos 70% que rejeitam Temer, resolveu juntar- se na greve geral proposta para amanhã.

Vocês devem ter notado que aderiram à greve grupos da sociedade que não teriam a menor razão para tanto, como as escolas particulares. A cada hora, um novo grupo adere. É provável que o país vá parar amanhã.

Garanto que a grande maioria das pessoas que estão condescendendo não tem a menor ideia do por que, só sabem o que se notícia nas manchetes que é ruim para todos. Se eles soubessem que 55% das despesas do governo são gastas para os aposentados, que é muito superior à saúde, educação, iriam parar para pensar. Sem entrar nos detalhes da reforma da previdência, pois é um assunto técnico, posso dizer que as regras atuais não foram atualizadas para os novos padrões de mortalidade, e privilegiam o setor público de forma absurda.

O PT oportunista como é, se aproveitou das circunstâncias para essa adesão maciça, primeiro os argumentos colocados acima e segundo o fato desta sexta-feira anteceder um feriado do dia do trabalho, na próxima segunda-feira. Afinal, quem não gosta de emendar um dia a mais sem trabalhar num feriadão?

Eu acredito que daqui em diante o governo ficará sem aprovar medidas que dependam de adesões macias dos deputados. A reforma da previdência será insuficiente, e dentro de alguns anos uma nova terá que ser proposta, isso se essa não for retirada, o que seria péssimo. Temer vai ter que dirigir a nação na segunda marcha, não dá para engatar a quarta! Parece-me que esperar juros na casa dos 8% a.a. só sobre nova direção após 2019!

A GV publicou o índice de confiança dos consumidores para o mês de março que inesperadamente reduziu- se em relação ao anterior, ficando abaixo das expectativas. Será interessante observar nos próximos meses como esse indicador irá se comportar.


Além das bolsas de valores alcançarem novos recordes, o Bitcoin também está! Eu consigo entender a lógica do porque essa moeda atingiu a cotação de US$ 1.000 em 2013, naquele momento se tinha muita desconfiança sobre a saúde da economia global. Os receios da deflação e de suas consequências atemorizavam a todos. Em seguida, caiu para US$ 200 no final de 2014. A partir de 2015 começou a subir de forma constante, só recuando quando alguma autoridade fazia alguma ameaça.

As notícias dão conta que os chineses são os responsáveis por essa alta. Não tenho como avaliar se isso é verdadeiro ou não, mas não existe uma explicação de cunho econômico que justifique.


O Ibovespa, bem como o dólar, não sofreu grande impacto em função da greve e suas possiveis consequências. As ações, mesmo tendo suportado um saque elevado por parte dos estrangeiros no mês passado, ainda se encontram próxima das máximas.  No post allez-le-bleu, fiz os seguintes comentários sobre o Ibovespa: ...” No gráfico acima apontei duas possibilidades para os próximos meses:
1)      Verde – Nesse caso o Ibovespa permaneceria contido no intervalo entre 63.000 -69.000, para depois buscar novas altas ultrapassando os 70.000. Esta situação é compatível com a nossa posição.

2)      Rosa – A correção seria mais extensa e atingiria os níveis de 61.500 ou 58.500 (mais provável). Também teria uma duração mais prolongada ”...


O Ibovespa encontra-se confinado dentro de um triângulo. Como no caso do dólar comentado nesta semana no post e-se..., triângulos tendem a romper no sentido do movimento precedente que nesse caso é para baixo como indicado em rosa.


- David, então por que você não cai fora da posição?
Sua pergunta é válida, e se usasse alguns parâmetros da análise técnica, é isso o que eu teria que fazer. Porém, algumas considerações me levam a aguardar: Primeiro que só se tem certeza que o movimento é um triângulo, e vai romper na direção esperada, depois que acontece, nesse caso o nosso stoploss está logo a seguir em 62.000 pontos; segundo os triângulos tem 1/3 de chance de romper no sentido contrário.

Se eu não tivesse posição aguardaria uma definição, porém o fato de estarmos posicionado e o mercado não ter violado meu stoploss, nos colocou nessa situação. Em todo caso, vou pensar no assunto.

O SP500 fechou a 2.388, sem alteração; o USDBRL a R$ 3,1795, com alta de 0,27%; o EURUSD a 1,0871, com queda de 0,29%; e o ouro a US$ 1.264, com queda de 0,37%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário