2020: O risco vai compensar?

5 de fevereiro de 2020

E se ...


Nós somos todos epidemiologistas amadores. Mas como uma população preocupada em todo o mundo, tentou dominar exatamente o progresso do novo coronavírus, e a ameaça que isso representa tanto para a vida humana quanto para a atividade econômica, houve muitas evidências novas na terça-feira sobre como o mundo econômico seria sem o susto de saúde das últimas duas semanas.

O primeiro dia útil de cada mês traz uma série de dados econômicos, liderados por pesquisas do ISM em cada país, fixadas para que 50 marque a linha divisória entre expansão e contração. As pesquisas ainda não mostravam nenhum impacto do vírus, portanto, dão uma boa ideia se a recente baixa no mercado de juros foi motivada apenas pela epidemia ou por tendências mais fundamentais. E elas – as pesquisas, sugerem que as coisas estavam realmente melhorando, como muitos pensavam no final do ano passado, no momento em que o vírus assumiu a notícia. Este gráfico mostra os números da pesquisa na Alemanha, recentemente o “doente” da manufatura global, a zona do euro, a China e os EUA:



Diante disso, a crença de que a indústria chegou ao fundo do poço e começou a se recuperar no final do ano passado parece confirmada (embora a chinesa, como muitas outras estatísticas do país, pareça suspeito, estável em torno de 50). O fechamento generalizado de fábricas e as restrições de viagens na China garantem que esse número será muito menor no próximo mês.

Enquanto isso, se observarmos os detalhes das pesquisas para os EUA, veremos o que parece ser um boom de reabastecimento clássico. Tanto os novos pedidos quanto os estoques ficaram deprimidos durante grande parte do ano passado, com as empresas parando em meio à incerteza sobre o comércio. Novos pedidos saltaram acima de 50, sugerindo que chegou a hora de atender aos requisitos atrasados. Se as empresas não puderem atender aos pedidos dos estoques existentes, terão que fazer mais; este é o ciclo comercial clássico em ação:


Os dados da indústria ajudaram os mercados de títulos a se movimentarem para uma posição menos extrema, com os rendimentos subindo e as curvas se inclinando um pouco da posição exposta que alcançaram no final da semana passada. Portanto, a desgraça escrita nos mercados de títulos foi um pouco reduzida.

A mania no mercado de ações dos EUA, no entanto, avança rapidamente. A excitação concentrou-se em um pequeno número de grandes ações, e elas continuam a subir. De fato, o índice NYSE FANG +, que inclui várias empresas de internet dominantes e algumas outras ações da moda, incluindo a Tesla, teve seu melhor dia desde janeiro passado.


Enquanto isso, os mercados de commodities continuam se comportando da maneira clássica que se poderia esperar, quando há problemas na economia da China. O petróleo foi negociado brevemente abaixo de US $ 50 por barril, pela primeira vez desde o susto de crescimento no final de 2018. Evitou quedas adicionais nas negociações de terça-feira na Ásia, mas claramente ainda está sinalizando sérios problemas para a economia da China.

Onde isso nos deixa? Cenários muito diferentes permanecem vivos, mas parece que a crença predominante é que a epidemia interrompeu o que, de outra forma, parecia um quadro reflacionário.

David Kotok, que chefia a Cumberland Advisors Inc., sugere que o cenário mais provável é o seguinte: A China permitiu que o vírus se espalhasse muito antes de tomar uma ação e agora tem pouca escolha a não ser tomar medidas que terão um efeito severo em sua economia. Também corre o risco de perder credibilidade nas negociações comerciais e ver sua posição enfraquecida. Enquanto isso, no resto do mundo, a epidemia aumenta a pressão sobre governos e bancos centrais para manter a política monetária frouxa.

Sua narrativa é um pouco como o cenário tradicional de "Goldilocks", quando a economia "não está muito quente" para justificar taxas de juros mais altas e "não está muito fria" para que o crescimento sofra. Neste momento, o inimigo deste cenário parece ser um vírus insidioso e aterrorizante. Embora o risco da epidemia permaneça, e enquanto continua prejudicando a atividade chinesa, essencial para grande parte da economia global, não há nada a não ser manter os juros baixos - e isso, como todos sabemos até agora – suporta investimento em ações. Em face de doenças e contágio, não há outra alternativa às ações dos EUA. Enquanto isso, as ações chinesas e dos mercados emergentes, deverão sofrer. E nada importa mais do que o dano que o vírus pode causar.

O SP500 fechou ontem muito próximo das máximas, apenas 1% abaixo, hoje os mercados futuros já estão flertando com esse nível extremo. As bolsas querem subir e parece que nada poderá deter essa fúria para fugir de juros mínimos ou negativos, nem a ameaça do coronavírus foi suficiente – vejam análise técnica do SP 500 a seguir.

E se ... não houvesse coronavírus – ou for contido rapidamente? as bolsas parecem não ter outro caminho que não a da alta.

No post o-sinal-do-dr-cooper, fiz os seguintes comentários sobre o SP500: ... “O que não sabemos ainda é de qual a sua extensão, se uma correção pequena, média ou grande, como costumo qualificar esses momentos” ... ... “De imediato, talvez até o final da semana, saberemos se é pequena ou não: se for pequena o SP500 deveria recuperar o nível de 3.305” ...

Nesta semana a bolsa praticamente zerou a queda que ocorreu desde o dia 22 de janeiro. Como comento no gráfico a seguir, tudo indica que a correção foi pequena, muito pequena! e as cotações estariam próximas a romper o nível de 3.337, 0,09% abaixo do nível de fechamento. Não se pode cantar vitória antes do tempo, é importante que esse nível seja rompido e não aconteça um false break em seguida.

 
Qual o risco de isso não acontecer, ou seja, uma queda dos níveis atuais? Pequena, e mesmo que aconteça estaríamos dentro de uma correção, praticamente sepultando o cenário do “Triangulo maldito”.

Quando fiz as análises do SP500 na semana passada, não imaginava que passado tão pouco tempo, o mercado estaria próximo das máximas. Não que as informações do coronavírus sejam mais animadoras agora que antes, continuam com muitas dúvidas.

A leitura que se pode fazer do mercado é que os investidores estão ávidos de ações, ou porque: estão pouco alocados; ou porque esperam que a economia americana pelo menos continuara com um bom crescimento; ou não aguentam mais, juros “sem juros”. Tanto faz o motivo, o que importa para nós é a leitura do mercado que se pode concluir. Está forte!



Eu tinha uma perspectiva do que iria acontecer nos mercados, na melhor das hipóteses ficar de lado, mas acabou calhando bem diferente. A pior coisa que poderia acontecer para um investidor, seria ficar estagnado no que  ele achava ao invés de escutar o que o mercado está dizendo. Depois de muitos anos com esse estigma, acredito que estou mais aberto agora.

Se a condição acima for satisfeita ...”, é importante que esse nível seja rompido e não aconteça um false break em seguida” ... o próximo objetivo será 3.450, a será mais bem calculado a frente.

O SP500 fechou a 3,334, com alta de 1,13%; o USDBRL a R$ 4,2400, com queda de 0,34%; o EURUSD a € 1,0997, com queda de 0,39%; e o ouro a U$ 1.557, com alta de 0,32%.


Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário