Inflação: A Revanche

27 de abril de 2016

Apple: "The return back!"

Há três semanas o governo daquele país decretou um dia adicional de descanso por semana para a população. Adotaram o que é sonho de todos nós naquelas discussões de botequim, depois de alguns drinks, que seria melhor uma semana com quatro dias de trabalho e três de descanso. Acontece que o Presidente “Podre” – nem Maduro é mais - Hahaha... agiu assim para poupar energia, uma vez que, a principal hidroelétrica do país estava com pouca água.

Ontem num ato mais desesperador, anunciou que a semana de trabalho será de apenas dois dias para os funcionários do governo. O governo lembra que essa atitude é temporária. O nível da hidroelétrica de Guri está a 2 metros do nível para ordenar o seu fechamento. Essa fonte representa 75% do total da energia do país.

Esse é um exemplo como um Presidente pode levar um país à ruína. Ele deve rezar toda noite para seu guru Hugo Chaves, o equivalente ao nosso “cumpanheiro” e agora São Pedro. Enquanto isso, os funcionários públicos daquele país, que devem ser favoráveis ao governo, se deliciam com o sonho de qualquer cidadão, trabalhar dois dias e descansar cinco. Só que eles esqueceram que os Chineses trabalham sete dias por semana e descansam quando dá!

Os leitores do Mosca sabem, de longa data, minha opinião sobre as ações da Apple. Em vários posts disse que essa empresa teria que se adaptar a evolução do ciclo de produtos. No último, gestão-101, elenquei algumas questões para quem tinha ações da Apple:

...”Se você possui ações da Apple, está apostando que:

A Apple irá manter ou até mesmo aumentar a sua participação de mercado, já enorme, em smartphones.

Ninguém nunca vai construir um aparelho melhor.

O smartphone irá resistir à comoditização que aconteceu com praticamente todos os produtos de tecnologia.

Parece que só há uma maneira para que as coisas deem certo, e muitas maneiras para que as coisas deem errado”...

Ontem a empresa publicou seu primeiro declínio nas vendas em treze anos. Segundo matéria do Wall Street Journal, faz os seguintes comentários: ...”Esses resultados questionam se os melhores dias da Apple estão no passado”...



Os argumentos de seu Presidente, Tim Cook, são que as vendas de smartphones caíram de uma maneira geral, e que as pessoas acabaram não substituindo seus celulares antigos pelos novos, haja visto que, não tem muitas diferenças. Outra causa foi a queda de vendas na China em 26%, quando no ano anterior subiram 71%.

Acredito que dentro dos motivos que eu havia listado, existe um pouco de cada um, e a grande pergunta que fica para o futuro é se a Apple será a líder daqui a dez anos, ou outra marca irá substituí-la – Xaomi talvez?

Com o resultado de ontem as ações da Apple caem mais de 7% e como o gráfico acima aponta, está rompendo uma linha importante. Do ponto de vista técnico ainda é cedo para avaliar quais seriam os pontos esperados nessa queda. De uma forma grosseira indicaria os níveis de $ 85 e $ 70.

- David, também você jogou tanta uruca que acabou acontecendo.
Não tenho todo esse poder!

Aqui no Brasil o processo de impeachment vai transcorrendo de forma organizada e tranquila. Na semana passada, quando a Presidente foi à Nova York e resolveu dar uma passada no MOMA, para mim ficou claro que ela tinha jogado a toalha. Em sua cabeça deve ter assumido que não tem nada a fazer agora e só resta infernizar a vida de Temer e preparar sua defesa. Em contrapartida, Temer já está com sua equipe montada e deve se tornar pública, um minuto após o afastamento da Dilma, no próximo dia 11. Terá um trabalho dificilíssimo.

 No post quando-perda-significa-mortelogo após o impeachment no Congresso, ressaltei que o real poderia já ter atingido a sua mínima: ...”Posso dizer que, do ponto de vista técnico, o dólar pode ter atingido o seu objetivo, igual ao livro texto. Eu não ficaria surpreso se começasse a subir agora. No gráfico apontei o nível, onde o gato subiu no telhado - R$ 3,72”... Acontece que nestes últimos dias o dólar não vem sofrendo muitas oscilações.

Como anotei acima, antes de R$ 3,72 ser ultrapassado, na dúvida, o movimento ainda é de queda. Vejam que, quando escrevi o post acima, eu estava desconfiado que o movimento pudesse estar revertendo. Por isso, é importante que se estabeleça o nível que confirmaria essa hipótese. Não adianta só você, o mercado também tem que acreditar e principalmente agir!

Por enquanto, não mudo uma palavra do que disse acima, mas se o dólar cair abaixo de R$ 3,45, o próximo intervalo é de R$ 3,25, como venho apontando desde o começo deste ano. Algumas outras hipóteses existem, mas não quero encher vocês de dúvidas, acompanhem o Mosca para novas atualizações. 

O SP500 fechou a 2.095, com alta de 0,16%; o USDBRL a R$ 3,5262, sem alteração; o EURUSD a 1,1319, com alta de 0,27%; o ouro a US$ 1.245, com alta de 0,24%.
Fique ligado!


Nenhum comentário:

Postar um comentário