Inflação: A Revanche

12 de abril de 2016

Temer: Test drive!


Hoje foi manchete ao redor do mundo, a aceitação pela comissão do Congresso do processo de impeachment.  O jornal Valor publicou em sua edição de hoje o seguinte teor sobre um áudio enviado por engano: ...“O Vice-presidente - futuro presidente, Michel Temer, enviou ontem mensagem de voz a parlamentares e assessores, na qual antecipa promessas e planos de governo que pretendia tornar público, depois da aceitação no domingo, o processo de impeachment da presidente Dilma”...

Ao tomar conhecimento desse fato e considerando que só existem raposas neste meio, não acredito que foi por engano. Primeiro que nosso Vice-presidente é muito recatado e dificilmente se expõe, fica, como se diz na gíria, “na moita”, segundo que se fosse segredo mesmo, jamais enviaria seu conteúdo por WhatsApp, com todos os vazamentos recentes, somente uma pessoa muito ingênua acreditaria que não seria imediatamente copiado.

Acredito que tenha sido proposital, seu objetivo pode ser enfraquecer os adversários, como numa luta de boxe, cada boxeador alardeia que acabará com o outro. O governo pelo seu lado está desesperadamente tentando “comprar” mais alguns votos. Diríamos que Temer fez um test drive!

Ontem um leitor me indagou qual era a minha opinião sobre a votação e respondi que não poderia dizer nada além do que se lê nos jornais. A verdade é que não parece existir uma vitória clara, nem de um lado nem de outro, os votos dos indecisos e dos que não quiserem declarar suas posições, serão o fiel da balança.

Mas algo parece razoável supor, depois da votação, independente de quem vença, não vai ser fácil. Se o governo continuar, uma onda de pessimismo tomará conta do país, e caso o impeachment seja aprovado, ainda deverá ser levado ao Senado, além de que, o governo deverá contestar no Supremo.

Enquanto o embate entre o mercado e os economistas continua no exterior, a mais recente atualização do PIB feita pelo FED de Atlanta, não projeta um número muito bom para esse indicador. Depois de apontar em fevereiro para um resultado muito próximo às previsões dos analistas, a partir do final de março iniciou um movimento de queda forte. Hoje encontra-se praticamente em zero, flertando com um índice negativo.


Também é nesta semana que as empresas americanas de capital aberto, iniciam a divulgação dos resultados do 1º trimestre do ano. É esperada uma queda dos lucros quando comparadas com o trimestre anterior. Um setor que está gerando certa preocupação, é o bancário, em função dos vários empréstimos para as empresas de petróleo que não apresentam garantias.



No post gridlock eu fiz alguns comentários sobre o ouro: ... O ouro não vem mostrando muita força nesses últimos 30 dias, é verdade também, que não mostra muita fraqueza. Mas essa “demora” sugere que o preço de compra deva ser ajustado para US$ 1.180, conforme apontado no gráfico a seguir”...

Vocês já devem saber que correções podem sempre nos pregar peças. E não foi diferente com o ouro desta vez. Notem que no primeiro gráfico ele estava contido entre as duas linhas verdes e agora não mais. Minha hipótese principal, é que a correção ainda não terminou, mas não posso deixar de considerar que eu possa estar errado. 
Em função disso, sugiro dois caminhos, o que eu ainda mais acredito, é que a correção ainda não terminou (1) e ainda podemos comprar o ouro a US$ 1.180, e a outra é que se encontra no primeiro estágio de uma nova alta (2), neste caso, o nível de US$ 1.282 é o triger.

Para o caso (2) recomendo compra, se no fechamento esteja acima de US$ 1.282, com stoploss a US$ 1.240.

Como podem perceber o Mosca vai comprar, a diferença é o preço. Antes que eu me esqueça, se uma dessas ordens for ser executada, a outra ordem é cancela.

- David, por que não compra logo e para de encher com tanta tecnicidade?
Se você acha que ganhar dinheiro nos mercados é fácil, sugiro trocar de blog! Veja o motivo: por exemplo, se compramos agora a US$ 1.254, e o mercado cair, o stop teria que ser no nível de US$ 1.140, o mesmo sugerido no trade bipolar. Neste caso, nosso risco seria de US$ 114,00.

Já se comprarmos a US$ 1.254 e o mercado subir, haveria um ganho extra comprando agora, de US$ 28 (1.282-1.254).

Assim, você arrisca um ganho de US$ 28 para uma perda de US$ 114, não parece um bom risco x retorno, não acha?

O SP500 fechou a 2.061, com alta de 0,97%; o USDBRL a R$ 3,4836, com queda de 0,22%; o EURUSD a 1,1385, com queda de 0,19%; e o ouro a US$ 1.255, com queda de 0,18%.
Fique ligado!


Nenhum comentário:

Postar um comentário