2018: Vestibular Político

29 de março de 2018

Sem novidades



É raro o dia que se acorda sem novidades. No exterior temos o Trump que age como um elefante numa loja chinesa, impossível não quebrar inúmeros vasos, e localmente as frustrações de uma população esclarecida, que observa a Justiça refém de alguns Ministros que agem de forma incompreensível.

Mas hoje, véspera de pascoa, todos buscam um descanso!

O trimestre está terminado muito diferente do que começou, no início do ano, a bolsa americana parecia que nada poderia deter seu movimento ascendente, e melhor ainda, despacito. Num ambiente como esse, o investidor e levado a crer que basta passar no caixa e pegar os dividendos, sem susto. Mas não foi o que aconteceu, O SP500 deve encerrar com uma queda de 3 %, nada dramático, porém, quem gosta de perder quando era “obvio” que só poderia ganhar!

Outro risco que ronda Wall Street é a inflação. O Mosca publicou diversos posts alertando para essa possibilidade. A publicação hoje do PCE, índice que o FED se utiliza para estabelecer a sua política monetária, não mostra ainda nenhuma preocupação, ao contrário encontra-se abaixo do objetivo traçado pelo FED de 2% a.a. A taxa mensal foi de 0,2%, dentro do esperado, enquanto a taxa anual subiu levemente, muito levemente, para 1,8% a.a.


Mesmo com dados econômicos recentes, um pouco mais fracos, alguns analistas como os do Deutsche Bank, continuam acreditando que é uma questão de tempo para que a economia americana fique aquecida. Seus argumentos podem ser vistos nos indicadores que eles acompanham no gráfico abaixo.

Em termos comparativos, a recuperação em curso, que se iniciou em 2009, já pode ser eleita a campeã da lentidão, nunca antes foi tão vagarosa. Conforme o desenrolar futuro, pode resultar na mais longa da história, o que não seria grande mérito, haja visto seus baixos resultados.


Em termos de curiosidade, vejam a concorrência que os motoristas de Taxi em Nova York, estão enfrentando dos aplicativos que compartilham carona. Infelizmente, acho que aqui não vai pegar, quem tem coragem de pedir ou aceitar carona?


No post bons-tempos, fiz os seguintes comentários sobre o Ibovespa: ...” Até o momento não existe uma definição clara para onde a bolsa brasileira caminha, uma nova alta, ou um período mais extenso de correção? ” ... ...” A configuração futura do Ibovespa dá margem a dúvidas conforme tracei acima. Pode ser que, o índice ainda atinja o nível esperado de uma forma mais “tortuosa”, onde o que observamos desde o início de março é a primeira sequência, ou não, já estamos num processo de correção mais demorado que levaria o índice a 81.000, 76.500, ou 73.000 (menos provável) ” ...

A única coisa de bom que posso acrescentar, com uma boa probabilidade, é que o Ibovespa está numa correção. Só existe uma possibilidade mais complexa, disso não estar acontecendo. Mas não entrarei nesse detalhe, vamos partir do mais provável.


Porém isso não é suficiente para decidir o que fazer. Uma condição que sempre se deve seguir, é nunca fazer nada quando se está em dúvida, aguarde melhores definições. Depois, não se esqueçam que 70% do tempo o mercado está num movimento errático – correção, e somente 30%, num movimento direcional, e é nesse último que queremos pegar uma carona. Let’s the market speak!



O SP500 fechou a 2.640, com alta de 1,38%; o USDBRL a R$ 3,3049, com queda de 0,44%; o EURUSD a 1,23, sem variação; e o ouro a U$ 1.324, sem variação.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário