2020: O risco vai compensar?

25 de setembro de 2019

Dois pesos duas medidas



O lucro de uma companhia pode variar tremendamente em relação a uma outra, até dentro do mesmo setor. O mesmo se aplica entre setores, mas algo estranho aconteceu nos EUA. Os lucros operacionais para a economia geral permanecem praticamente estáveis desde 2014. No entanto, durante o mesmo período de 5 anos, estima-se que os lucros operacionais das empresas do SP500 aumentaram em um terço.

Os dados de lucros mostram um aumento dos ganhos para as empresas que compõem o índice SP 500, enquanto os lucros de milhões de outras empresas estão estagnados, se não estiverem em contração. Como pode ser? Os ganhos das empresas do SP 500 são "reais" ou os artifícios contábeis estão inflando-os?

De acordo com os dados de lucro corporativo do Bureau of Economic Analysis (BEA), os lucros operacionais de todas as corporações dos EUA (grandes e pequenas e públicas e privadas) totalizaram US $ 2,13 trilhões no segundo trimestre de 2019 (em azul), essencialmente inalterados em relação ao lucro de 2014, US $ 2,12 trilhões.

No mesmo período de 5 anos, os lucros operacionais das empresas do SP 500 aumentaram de US $ 1,00 trilhão em 2014 para um valor estimado anualizado de US $ 1,33 trilhão no segundo trimestre de 2019, um aumento de 33%.

Ambas as estimativas de lucro calculam ganhos como a diferença entre receitas e despesas. No entanto, os relatórios de lucro são baseados em duas estruturas contábeis diferentes: contabilidade financeira e tributária.


As empresas usam a contabilidade financeira para relatar seus resultados, enquanto os resultados da contabilidade tributária são a principal fonte da medida de lucro do PIB. Como resultado, as diferenças entre as duas medidas de lucro podem resultar do momento em que os recebimentos e despesas são registrados, bem como do que está incluído e não incluído nos recebimentos e despesas.


Por exemplo, a medida do PIB dos lucros operacionais ajusta medidas mal informadas e / ou superestimadas da renda atual. As receitas ou perdas derivadas da venda de ativos não fazem parte da medida de lucro do PIB, porque refletem a venda de ativos existentes e o PIB está medindo apenas os lucros da produção atual, e não a mudança na avaliação dos itens que foram produzidos em períodos anteriores.

No entanto, os lucros do SP 500, que são baseados em uma base de contabilidade financeira, incluem receitas provenientes de vendas de ativos e outros fluxos e ajustes financeiros.

Nos níveis atualmente relatados os lucros do SP 500 representam um recorde de 63% dos lucros operacionais gerais para todas as empresas dos EUA. Nos últimos 30 anos, há apenas um outro período em que a participação nos lucros do SP 500 superou o nível de 60%. Isso ocorreu no final dos anos 90, quando o grande ganho nos lucros reportados no SP 500 foi em grande parte impulsionado pela receita de ganho de capital. E, durante esse período, a medida do PIB dos lucros operacionais seguiu um padrão semelhante ao de 2014 a 2019 - estável ou um pouco abaixo.

Os lucros corporativos são uma medida importante do desempenho geral da economia, bem como uma referência para a saúde financeira do setor corporativo. Os dados gerais de lucro levantam questões sobre a saúde geral do setor corporativo. Além disso, o aumento relativo nos ganhos do SP 500 parece não ser impulsionado pelas operações principais e a experiência do final dos anos 90 argumentaria que eles são insustentáveis ​​em sua forma atual.

No post ataque-pela-retaguarda, comentei sobre a distorção que ocorreu nos mercados de troca de reservas nos EUA. Desde então, o Fed tem implementado operações para injetar liquidez no sistema bancário. Acontece que a cada dia que passa, os volumes crescem indicando uma situação inesperada pelas autoridades monetárias.


Quando eu era tesoureiro do BFB nunca me utilizei do redesconto, que era uma linha de crédito disponibilizada aso bancos, diretamente como o banco central, em casos de necessidade. Naquela época era necessário que dois diretores do banco assinassem uma nota promissória. Imagina eu ter que explicar a esses diretores o porque estávamos precisando desses recursos. Preferia pagar os tubos no mercado. Mas essa situação poderia ter um alcance mais extenso e danoso, caso isso vazasse ao público. Os clientes poderiam ficar preocupados com a saúde do banco e iniciar uma corrida para sacar seus recursos. Aí sai de baixo, pois mesmo um banco sem problemas maiores pode ter que fechar as portas se ficar sem caixa.

Um risco semelhante poderá acontecer nos EUA, se esse problema de liquidez não for sanado de forma definitiva pelo Fed. É bom acompanhar esse desenrolar. 

No post a-vista-é-mais-caro, fiz os seguintes comentários sobre o Ibovespa: ... “               Para poder confirmar o que apontei como mais provável e necessário que a bolsa ultrapasse o nível de 106.650. Se isso acontecer, existem dois pontos onde poderia acontecer um topo, o primeiro a 110 mil, que se ultrapassado, tenderia a 121 mil” ...
Mais uma semana se passou sem que uma definição tivesse acontecido. Os dados publicados pelo banco central relativos as contas externas brasileiras apontam para uma saída liquida de U$ 6,5 bilhões de investimentos em carteira que compreendem: ações, fundos de investimento, e títulos de renda fixa. Esse movimento tem se mantido nesse último ano, aonde aponta para saídas sucessivas dos estrangeiros. Por outro lado, os investidores locais estão elevando sua parcela na bolsa de valores, motivada pela queda dos juros.

No médio prazo e em continuando o cenário benigno internamente, calculo que uma boa parcela oriunda dos locais, ainda deverá entrar na bolsa.

Do ponto de vista técnico fica mantido as mesmas observações observadas no post acima, é necessário ultrapassar os 106.500, caso contrário, a correção ainda estará em curso.

O SP 500 fechou a 2.984, com alta de 0,62%; o USDBRL a R$ 4,1512, com queda de 0,31%; o EURUSD a 1,0943, com queda de 0,70%; e o ouro a U$ 1.504, com queda de 1,77%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário