2020: O risco vai compensar?

27 de abril de 2020

O Fed está na borda do trampolin


Esta semana o Fed se reúne para discutir o rumo da política monetária. No mês de março, de forma atípica, reduziu os juros em duas reuniões emergenciais, levando as taxas para 0,25%. Será que essa semana a autoridade monetária vai baixar os juros abaixo da linha d’água como o ECB e BOJ?

Um membro do Fed até 2015, Narayana Kocherlakota, através de um artigo publicado na Bloomberg, aconselhou ser sensato, reduzir os juros para – 0,25%. Cita que a autoridade monetária não tem bons argumentos contra a negativa. Um desemprego aterradoramente alto e uma desinflação potencialmente rápida são argumentos poderosos a favor.

Entretanto, o Fed telegrafou o que faria no limite inferior a zero antes de sucumbir a taxas negativas: controle da curva de juros. Em novembro, o governador do Fed, Lael Brainard, expôs precisamente a situação em que o banco central se encontra hoje e disse que os traders esperam que o banco central comece a limitar os rendimentos dos títulos do Tesouro de curto a intermediário, intervindo na compra de ativos para definir os níveis que considera apropriados .

Certamente, o Fed já está fazendo exatamente isso com suas enormes compras de títulos do Tesouro dos EUA. O balanço do banco central aumentou para US $ 6,57 trilhões, mais de US $ 2 trilhões em apenas seis semanas. Com uma mão tão pesada no mercado, o rendimento do juro de 10 anos se moveu em uma faixa de menos de 25 pontos base no mês passado. Para colocar isso em perspectiva, os bonds oscilou pelo menos essa magnitude, durante cada sessão de negociação, de 6 a 20 de março.


O controle de curva de rendimento é um pesadelo para os traders de títulos. Mas abrir a caixa de taxas de juros negativas da Pandora, seria ainda mais angustiante, pois teria consequências de longo prazo para o sistema bancário e poderia até prejudicar a psique de um público americano já frágil.

Empresas e pessoas físicas despejaram um recorde de US $ 1 trilhão em depósitos nos bancos dos EUA no primeiro trimestre, com mais da metade indo para o Bank of America, Citigroup Inc., JPMorgan Chase & Co. e Wells Fargo & Co. Enquanto isso, os fundos de investimento de curto prazo, chegaram a US $ 4,65 trilhões, superando em muito o pico anterior em janeiro de 2009.

Tudo isso está acontecendo, apesar de depósitos e fundos do mercado monetário, renderem quase nada. O que aconteceria se as pessoas realmente perdessem dinheiro procurando um lugar seguro para gastar seu dinheiro?

Em teoria, uma pequena penalidade incentiva os indivíduos a gastar, em vez de economizar, impulsionando a economia. A busca por retornos positivos estimula um maior risco e suprime os custos de empréstimos para as empresas, para que possam inovar e contratar mais pessoas. Parece perfeitamente plausível.

As evidências reais da Europa e do Japão são muito menos convincentes. Certamente, o desemprego caiu na Alemanha e nos chamados países periféricos, como Itália e Espanha, desde que o Banco Central Europeu reduziu sua taxa de depósito abaixo de zero em 2014. Mas é difícil saber quanto disso foi resultado da ação do BCE, em comparação com o argumento da expansão econômica global. O que é óbvio é que, as taxas de juros abaixo de zero, fizeram pouco para impulsionar o crescimento dos preços de maneira sustentável. O núcleo de inflação na zona do euro nunca superou 1,5% nos últimos cinco anos. No Japão, nunca ultrapassou 1%.

Isso sugere que taxas de juros negativas podem ser apenas desinflacionarias. Não é difícil extrapolar o motivo: se as pessoas estão economizando e têm um retorno negativo em seus fundos do mercado monetário, há duas opções. O primeiro é correr mais riscos, o outro é apenas gastar mais dinheiro para o futuro.

Como sempre, os formuladores de políticas do Fed nunca dirão nunca. "Não vemos taxas negativas como provavelmente uma resposta de política apropriada aqui nos Estados Unidos", disse Powell em sua entrevista coletiva em 15 de março. Isso implica que algum conjunto de circunstâncias possa mudar de ideia.

A situação atual não chega a esse nível. Os números de reivindicações de desemprego têm sido surpreendentes, mas outro corte 0,25% nas taxas de juros não vai encher restaurantes, cinemas, hotéis, navios de cruzeiro e aviões. De qualquer forma, as várias linhas de crédito de emergência do Fed chegaram mais perto de atingir esse objetivo, ajudando a fornecer acesso ao mercado para empresas que precisam de dinheiro como AMC, Carnival, Hyatt Hotels e Marriott.

O Fed deve se concentrar diretamente em colocar esses programas em funcionamento, em vez de seguir um caminho potencialmente perigoso e totalmente desnecessário. As taxas de juros não são mais a única ferramenta do banco central.

Mas os tempos hoje são outros, as pessoas estão mais suscetíveis a decisões no intuito de diminuir riscos, mesmo que essa ação não leve a esse objetivo. Certamente, uma redução pelo Fed nessa quarta-feira, seria uma surpresa para o mercado.

O pedido de demissão de Sergio Moro na última sexta-feira, tiveram repercussões no final de semana, apontando para uma diminuição da popularidade do Presidente Bolsonaro, e um movimento inverso na aprovação de Moro. Se alguém não imaginasse dessa forma seria por pura torcida.

Moro representava um alicerce importante da equipe de Bolsonaro no que tange colocar o país dentro de padrões éticos internacionais. A partir de agora, esse critério fica sob judice. Mas sem dúvida, o alicerce econômico é fundamental para governabilidade daqui em diante. Nesse quesito existem 2 hipóteses: Guedes fica ou não fica.

Se Guedes fica, ele está muito mais forte, o Presidente agora é seu refém. O Ministro é macaco velho é sabe muito bem disso. O primeiro teste deve acontecer em breve, com o plano mirabolante de Rogério Martinho de R$ 200 bilhões, duvido que Guedes agora, aceite R$ 1 desse plano. Como se diz no jargão de mercado, vai tripudiar o Ministro do Desenvolvimento Regional. Não esqueçam que como trader que é, coloca no corner que é contra.

O gráfico a seguir, mostra o déficit publico esperado dos países emergentes, já considerado as decisões feitas em função do Covid-19. A situação brasileira que estava caminhando no bom sentido, tem um revés importante. Se for algo temporário, o mercado terá complacência, mas não se pode brincar com fogo!

No post petróleo-de-graça-e-caro, fiz os seguintes comentários sobre o dólar: ... “caso o dólar ultrapasse o nível de R$ 5,35, e bem provável que rume ao objetivo traçado anteriormente de R$ 5,70” ... A correção que eu estava esperando acabou não acontecendo e embarcamos no trade a R$ 5,35 que foi liquidado na última sexta-feira.

No gráfico a seguir, se observa a escalada das cotações do dólar na última semana, seguramente é o par com maior ascensão, depois de ter subido de forma semelhante em março. Após me aprofundar na análise, cheguei a uma “área de congestão” compreendida entre R$ 5,70 e R$ 5,90.

O que significa essa área? É obtida através de diferentes medidas pelo método de Elliot Wave. Quando isso ocorre, é mais provável, o ativo deva ter dificuldade de romper essa região, ou ocorre uma reversão. Essa é a razão que me fez zerar a posição que detinha na sexta-feira. Vou acompanhar os próximos dias para melhores indicações se continua em alta ou entrará numa correção, ou quem sabe, numa reversão.

O SP500 fechou a 2.878, com alta de 1,47%; o USDBRL a R$ 5,6582, com alta de 1,21%; o EURUSD a € 1,0825, sem variação; e o ouro a U$ 1.713, com queda de 0,77%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário