2020: O risco vai compensar?

21 de abril de 2020

Os BCs perderam sua autonomia?



Um artigo publicado pela Bloomberg analisa o efeito estrutural das intervenções efetuadas pelos bancos centrais do mundo, especialmente o Fed, e suas consequências em seu objetivo principal.

A inflação global das décadas de 1970 e 1980 - marcou pela primeira vez o caso da independência do banco central. Essa nova crise exigirá, no mínimo, uma coordenação muito mais estreita entre governos e bancos centrais. Mas provavelmente exigirá mais, talvez colocando os bancos centrais, incluindo o Federal Reserve, sob controle político aberto.
O caso da independência do banco central ficou praticamente inquestionado por anos. A lógica era direta. Ele assumiu que os políticos pensam a curto prazo e tomam decisões por razões políticas. No pleno emprego ou quase pleno, a política monetária expansionista pode sumarizar brevemente a economia, mas, após um atraso, causa inflação. Se o atraso for suficiente para levar o governo até a próxima eleição, a política terá um viés inflacionário. Se você mantiver a política monetária à distância da política, assumindo a responsabilidade de um banco central independente, evita o problema.

Isso não é tudo. De acordo com a visão convencional, não há uma troca duradoura entre inflação e emprego. Tolerar uma inflação mais alta não diminui o desemprego e provavelmente reduz o crescimento. Manter a inflação baixa, portanto, não coloca vencedores contra perdedores; isso ajuda a todos. A política monetária torna-se então uma questão amplamente técnica, adequada para delegação a especialistas sem responsabilidade direta com os eleitores.

Mesmo antes da pandemia, porém, a recessão e a lenta recuperação subsequente haviam mudado as coisas. A perspectiva de crescimento persistentemente lento - "estagnação secular" - já havia questionado as políticas do Fed. O risco de inflação mais alta parecia remoto. Para muitos, uma postura mais expansionista da política fiscal e monetária parecia desejável.
Para agravar o problema, com taxas de juros iguais ou próximas a zero, as ferramentas convencionais da política monetária não eram mais muito úteis. Para apoiar a demanda, o Fed e outros bancos centrais tiveram que recorrer à compra de títulos em uma escala enorme - uma política que esbarra a linha entre a política monetária e a política fiscal (mais explicitamente política).

Com efeito, após 2008, os bancos centrais enfrentaram um dilema. Eles poderiam ser contidos e acusados ​​de deixar sua economia estagnada; ou eles podem ser ousados ​​e avançarem no campo fiscal e político. Eles avançaram. A emergência do coronavírus os empurrará muito além dessa linha.

Até agora, o Fed respondeu à pandemia de maneira rápida e abrangente - muito mais suavemente do que o Congresso ou o governo, uma demonstração de energia tecnocrática e experiência no seu melhor.

Ele reduziu a taxa de juros para um intervalo de 0% a 0,25% e prometeu que as taxas permaneceriam baixas indefinidamente ("até estarmos confiantes de que a economia resistiu aos eventos recentes"). Anunciou um novo programa de compra de títulos em aberto e ampliou o leque de títulos elegíveis. Relaxou alguns requisitos regulatórios. Ele reviveu e expandiu os programas de empréstimos desenvolvidos após o colapso de 2008 para apoiar bancos, mercados financeiros, mutuários corporativos e famílias. Atuou para ajudar estados e cidades sob pressão financeira. Na semana passada, anunciou um novo Programa de Empréstimos no valor de US $ 600 bilhões, que comprará 95% dos empréstimos qualificados concedidos pelos bancos a pequenas e médias empresas.

Apesar de sua escala notável, essas medidas ainda se encaixam perfeitamente no modelo apolítico. Eles podem ser vistos como iniciativas técnicas para manter os mercados financeiros em funcionamento, mantendo o fluxo de crédito para a economia. A compra renovada de títulos é uma exceção parcial. Isso testa a fronteira política, mas não com muita severidade, já que ela é amplamente vista como necessária e agora é familiar.

O novo problema político do Fed surgirá mais tarde - devido ao tamanho das intervenções fiscais que estão apenas começando. O presidente Trump assinou recentemente um projeto de lei propondo cerca de US $ 2 trilhões em novos gastos, cerca de meio trilhão a mais do que as medidas combinadas aprovadas em resposta ao acidente. E é improvável que isso seja suficiente. Com sorte, a emergência do coronavírus pode chegar ao fim dentro de alguns meses e a recuperação subsequente também pode ser forte, mas, a curto prazo, a economia diminuirá drasticamente.

A paralisação parece causar a maior queda de curto prazo na produção que a economia já experimentou, e é difícil adivinhar o ritmo da recuperação subsequente. Na visão de que os gastos públicos devem aumentar para proteger os milhões de trabalhadores que estão sendo demitidos ou dispensados, os desembolsos na nova lei de ajuda não vão longe. O Congresso já está debatendo outras medidas. Mais tarde, apoiar a recuperação depois que a epidemia estiver sob controle exigirá gastos públicos adicionais, e os aumentos de impostos para cobrir o custo do que já está sendo gasto provavelmente precisarão ser adiados. Após a recessão de 2008, e antes da pandemia, a dívida pública líquida dos EUA aumentou de 38% do produto interno bruto para 79%. Durante o próximo ano, e talvez além, ele subirá novamente.

Em termos de política, isso não será mais o mesmo - porque desta vez, os gastos públicos terão que fazer tudo. Com as taxas de juros de curto prazo já em zero, a política monetária convencional não pode fornecer nenhum novo suporte macroeconômico. A flexibilização quantitativa pode continuar, mas há um escopo limitado para que a compra de títulos funcione através do canal pretendido de taxas mais baixas de longo prazo, porque elas também são muito baixas. Uma das lições aprendidas desde 2008 é que o QE enfrenta retornos decrescentes.

Portanto, a grande questão é até que ponto os empréstimos públicos podem se expandir antes que os credores se assustem com a emissão rápida e potencialmente indefinida de dívida pública adicional. Estreitamente relacionada a essa questão, há outra questão: por quanto tempo os bancos centrais podem insistir em que seu alívio quantitativo é um expediente temporário, que suas compras de títulos serão desfeitas no devido tempo e que, portanto, mais cedo ou mais tarde, os contribuintes terão de pagar as dívidas do governo?
A alternativa para manter essa postura - alegar, em outras palavras, que a política monetária ainda é distinta da política fiscal - seria que os bancos centrais simplesmente apagassem a adição à dívida pública e financiassem diretamente os gastos públicos necessários. Graças à pandemia, um eventual recurso ao financiamento monetário direto, que combina totalmente a política monetária e fiscal, é possível e talvez até provável.

Isso poderia ser feito de várias maneiras, envolvendo muito menos drama do que o termo "dinheiro de helicóptero" sugere. O mais simples, do ponto de vista contábil, seria anunciar que alguns dos títulos adquiridos pelo banco central passariam a ser isentos de juros e irrecuperáveis. A expansão monetária proporcionada pelas compras de títulos seria então permanente e os impostos futuros não precisariam aumentar para cobrir os custos do serviço da dívida do governo.

Um risco nessa abordagem da expansão fiscal e monetária, desnecessário será dizer, é a inflação. Mas vamos supor que o perigo possa ser evitado limitando criteriosamente a escala de qualquer expansão desse tipo. O outro risco, independentemente da escala, é o fato de exigir uma cooperação tão estreita entre um governo e um banco central que a distinção entre os dois seria apagada juntamente com uma parte da dívida pública.

Ou o banco central se torna inteiramente passivo, financiando qualquer quantia de dívida pública que o governo considere necessária; ou, no mínimo, torna-se o parceiro do governo na concepção do tamanho da intervenção monetária e fiscal necessária. No primeiro caso, não tem mais voz na política monetária; no segundo, não pode esperar permanecer acima da briga política.

Em ambos os casos, sua independência acabou e uma nova era pós-pandêmica do banco central terá começado.

No caso brasileiro, é a primeira vez na história desse órgão onde um programa de compra de ativos, denominada de QE, é implementada. Sempre existiu um receio que medidas desse tipo levaria a um descontrole da dívida pública, com resultados perversos na inflação. O momento vivido atualmente é muito distinto do passado, com a queda do consumo a praticamente a zero, o risco maior é deflação e não de inflação. Entretanto, as taxas de vencimento mais longos da dívida brasileira tiveram um aumento por conta dessa atuação.

 Aqui, o banco central não é autônomo, estava em vias de ser aprovado. Mesmo assim, já atuava com uma certa imparcialidade. Daqui em diante, sua ação será testada no mercado, e tanto mais bem sucedido será, se as taxas longas declinarem de forma saudável. Até a semana passada, o Presidente do Banco Central, Roberto Campos, indicava que a taxa de juros SELIC teria chegado a um nível desejável, porém, em conferência realizada ontem indicou a possibilidade de mais queda, estimada pelo mercado em 0,50%, para a próxima reunião. Será interessante observar se essa possível redução se traduzira numa queda da curva de juros de forma linear, ou as taxas longas se distanciaram das curtas, elevando o custo de empréstimos longos.

No post divagações-sobre-o-futuro fiz os seguintes comentários sobre o SP500: “ ... “Acredito que, o intervalo entre 2.900 – 2.930 é um grande candidato para que haja uma reversão daí em diante, caso seja ultrapassado, o próximo seria ao redor de 3.150” ... ... “ o SP500 se aproxima da região crítica apontada acima, será muito ilustrativo acompanhar o que vai acontecer quando atingir esse nível. Fiquem atentos!” ...

O SP500 atingiu na semana passada a máxima de 2.847, bastante próximo do limite indicado acima. Ontem com o desenrolar do mercado de óleo deixou uma sensação ruim, do qual eu compartilho. Depois de presenciar a queda do preço a números negativos, fica a impressão de que tudo é possível, mesmo o impossível!

O gráfico acima com janela de 1 hora permite um acompanhamento “cirúrgico” e acredito que, o desenrolar das próximas horas poderá nos dar boas pistas sobre o futuro próximo.

Você pode ter 2 estratégias no momento de indicar um trade: a primeira é executar quando um nível esperado é atingido, a outra, consiste em acompanhar os preços e quando ocorre a reversão, seu shape imediato permitirá que você entre num determinado nível, naturalmente inferior ao do primeiro caso. Para o SP500 adotaremos a segunda estratégia em função da importância do nível apontado acima (2.900-2.930).

Hoje ao acordar não me atentei que era feriado local. Nesses dias de distanciamento todo dia é um dia qualquer!

O SP500 fechou a 2.736, com queda de 3,07%; o EURUSD a 1,0858, sem variação; e o ouro a U$ 1.678, com queda de 0,87%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário