2020: O risco vai compensar?

1 de abril de 2020

Quem vai vencer a guerra contra o Covid-19?



Dos países desenvolvidos podemos dividir o mundo em 3 grandes blocos: China, Europa e EUA. Não que os outros sejam menos importantes, mas são esses 3 que tem maior impacto na Geopolítica e economia.

O Gavekal preparou um relatório avaliando quem pode ser o ganhador da guerra contra o Covid-19. Veja a seguir os principais pontos.

Esses países recorreram à retórica belicosa dos líderes da guerra e, em muitos casos, invocaram poderes definitivos de guerra. Os meios de comunicação de massa foram mobilizados para transmitir o mundo está em "guerra" contra essa nova praga - uma guerra total que não permitirá objetores de consciência ou trapaceiros, e que remodelarão as sociedades uma vez que a vitória é conquistada. Como em qualquer guerra total, restrições monetárias e orçamentárias foram jogadas para fora da janela. A única coisa que importa é a vitória.

Europa

A crise atual revelou todas as verrugas da Europa. Em primeiro lugar, ao contrário dos sonhos com os europeus e eurocratas, a Europa simplesmente não é uma nação.

Hoje, a Europa, como o resto do mundo, está sob ataque; um ataque que garante uma resposta do governo. Se a União Europeia era uma nação, então os líderes da UE estariam na vanguarda da contraofensiva. Entretanto não é isso que se vê, e sim, um vídeo da chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen lavando as mãos. A resposta das instituições europeias à crise foi ensurdecedora no seu silêncio. Isso levanta várias questões.

• Se as instituições da Europa não protegerem os europeus contra nada, especialmente numa crise internacional, então a que propósito eles servem?

• Se as instituições da Europa não cumprem essas funções básicas, por que nações europeias renunciaram à soberania sobre seus orçamentos, suas fronteiras, suas leis e suas moedas para essas mesmas instituições?

• E, é claro, por que os europeus deveriam pagar com seus impostos para financiar esse
camada extra de governo inútil?
Por enquanto, líderes europeus concordaram em discordar e em se reunir duas semanas depois. No entanto, até então uma das três coisas pode acontecer.

• O primeiro ministro italiano Giuseppe Conte se dobra e concorda em explorar o
Mecanismo Europeu de Estabilidade para lidar com a crise. Mas fazer isso seria colocar seu país sob a tutela econômica de Bruxelas. Na Itália o clima político atual, que é altamente carregado emocionalmente, com legítima impressão de que nem Berlim nem Bruxelas fizeram qualquer coisa para ajudar a Itália em sua hora de necessidade, isso seria um suicídio político.

• A Chanceler alemã Angela Merkel dobra e concorda em pressionar por uma mudança
na constituição alemã e a criação de títulos soberano pan-europeu. No entanto, não é absolutamente certo que dois terços do Bundestag (ou até seu próprio partido) seguiria Merkel por esse caminho.

• Os líderes nacionais da Europa, fisicamente exaustos e emocionalmente esgotados
depois de dois meses angustiantes, não alcançam um compromisso de trabalho,
videoconferências a noite toda, e a Europa realmente começa a implodir.

Nesse ponto, qual cenário parece o mais provável?

Estados Unidos

Em qualquer discussão sobre mudanças de poder relativo, os EUA geralmente começam com
ases no bolso. No entanto, na crise de coronavírus de hoje, as coisas não estão indo muito
bem para os EUA.

1) A forma como o sistema de saúde é organizada parece ter prejudicado a resposta política em todo o país. Com o tempo, isso provavelmente aumentará as chamadas para uma nacionalização do setor de saúde americano - certamente um tópico importante
para próxima eleição presidencial dos EUA.

2) Por trás da crise do Covid-19 existe outro desafio: a iminente falência de grandes seções do complexo energético dos EUA. Simplificando, em US $ 20 o barril de petróleo, as centenas de bilhões de dólares americanos investidos em momentos mais felizes, nas plantas de xisto, precisarão ser eliminados. Isso causará um prejuízo considerável.

3) O aumento espetacular no desemprego nos EUA, uma consequência direta da crise de Covid-19, complica as tentativas de estabilização econômica de governo pela simples razão de que os EUA não têm muito no caminho da infraestrutura que beneficie o desemprego. Consequentemente, o governo é forçado a direcionar sua ajuda através de auxílio as empresas. Infelizmente, existem poucas garantias que esse dinheiro ajudará os mais necessitados. Em vez disso, o auxílio acaba procurando, seja como gastos tipicamente políticos (a conta da semana passada incluía subsídio de US $ 25 milhões para o Centro de Artes Kennedy) ou o bem-estar (a cadeia de suprimentos da Boeing recebeu US $ 60 bilhões).

A combinação desses fatores tornará ainda mais emocional do que se esperava a eleição de novembro . O resultado é ainda mais incerteza para os investidores.

Há três meses, o amplo consenso entre os investidores era que, em um mundo carregado de incertezas, os EUA eram de longe o lugar menos ruim. A questão hoje é se essa crença foi abalada e começam a diminuir quando o Covid-19 domina o país e a política doméstica dos EUA tornar-se ainda mais agressiva e intransigente.

China

Entre os desafios de tentar enxergar a crise do Covid-19 na China está a confiança dos dados fornecidos pelas autoridades. De acordo com os números oficiais, o Covid-19 é responsável por 3.305 mortes dos 1,4 bilhões de habitantes do país. Em termos absolutos, isso é menos de um terço das 11.591 mortes sofridas na Itália que tem uma população de apenas 60mn.

Então a China, com uma população e densidade populacional muito maior, um sistema de saúde pública muito inferior, sofreu apenas uma fração das fatalidades da Itália, Espanha e agora muito provavelmente da França. Como podemos explicar essa dramática divergência?

1)      Enquanto viajava, o vírus pode ter se transformado em formas mais letais.
Este é um pensamento preocupante.

2)      As mortes na China podem ser massivamente subnotificadas, seja por funcionários que não ousam ser portadores de más notícias ou simplesmente de hospitais que não se aprofundam muito nas causas de morte entre seus pacientes idosos.

3)      Pode ser que, as sociedades asiáticas estejam simplesmente melhor preparadas para enfrentar pandemia como o Covid-19, do que os países ocidentais.

4)      É concebível que a exposição ao Sars-CoV, o coronavírus que causou Sars em 2003, e outros coronavírus, conferiram às doenças asiáticas, populações com um elemento de imunidade.

5)      A divergência entre as taxas de mortalidade asiática e europeia pode refletir
sub financiamento e preparação inadequada dos cuidados de saúde dos sistemas europeus. Ou pelo menos alguns deles - até agora Alemanha, Holanda e
a Escandinávia parece ter sido muito menos afetada que a Itália, Espanha e a
França.

Isso leva a uma observação simples: é a primeira vez que, no meio de uma crise, os preços dos ativos asiáticos não estão se desvalorizando, mas ao contrário,  estão superando com volatilidade muito menor, os ativos ocidentais.

Os títulos denominados em renminbi superaram os títulos corporativos dos EUA, zona do euro
títulos do governo e títulos japoneses. Melhor ainda, eles continuam a oferecer uma mínimo de rendimento positivo.

Talvez mais interessante, enquanto a correlação entre o título do governo e os mercados acionários dos EUA oscilaram drasticamente em fevereiro e março, os títulos chineses continuaram a entregar retornos não correlacionados.
Em resumo, diante da crise:

• As respostas políticas na Ásia foram superiores às respostas políticas no Ocidente.

• O nível de preparação para pandemia na Ásia foi superior ao nível de
Ocidente.

• O nível de incerteza política no Ocidente é agora muito maior do que o
incerteza política na Ásia. A União Europeia sobreviverá a esta crise?
De que forma? A eleição presidencial dos EUA levará à nacionalização
do sistema de saúde americano? Os EUA podem pagar suas respostas políticas?

• O custo humano da crise parece ser muito menor na Ásia do que no
Ocidente.

• A implementação de respostas de política econômica tem sido muito mais
convencional na Ásia do que no Ocidente.

Diante de tudo isso, devemos nos surpreender com o fato de os ativos asiáticos estarem superando ativos ocidentais? E existe alguma razão para esse desempenho superior não continuar? Entenderam quem é o vencedor dessa guerra!

Agora mais do que nunca os EUA serão colocados a prova como a principal potencia mundial, abrindo espaço para que a China, caminhe rumo em seu objetivo principal de destronar os americanos. Ainda falta muito, mas cada vez menos.

No post o-ótimo-e-inimigo-do-bom, fiz os seguintes comentários sobre o ouro: ... “ O que posso adiantar é que: se o ouro adentrar no intervalo entre U$ 1.650 a U$ 1.700 aumentam as chances de novas altas para o ouro, e caso contrário, no intervalo entre U$ 1.515 e U$ 1.450 as chances de baixa. De forma mais afirmativa, abaixo de U$ 1.515 a vulnerabilidade se eleva bastante” ...

Desde a última atualização, o ouro chegou à máxima de U$ 1.642, muito próximo do intervalo apontado acima, em seguida, recou ligeiramente a U$ 1.587, sem que haja qualquer definição ainda. No gráfico abaixo, com janela semanal, pode se notar que o ouro está sem oscilação desde que os mercados financeiros, e principalmente as bolsas, despencaram.

Agora suponha que você estivesse em outro planeta e recebesse um WhatsApp comentando o que está ocorrendo na Terra. Preocupado com esse relato, procurou saber como estavam seus investimentos em renda fixa e na bolsa. Levou um choque!

Em seguida pergunta o que os governos estão fazendo para mitigar esse momento dramático, e recebe a informação que só os EUA estão injetando U$ 2,0 trilhões, fora o resto da Europa e adjacências.

Aí pensa, ainda bem que tinha comprado um pouco de ouro como hedge antes de sair, e o preço estava em U$ 1.589 no último dia de janeiro. Aí recebe a informação que está no mesmo preço. A princípio acredita que deve ter sido um engano, abre o Mosca e vê que não.

Depois de tanta notícia ruim decide que é melhor e mais seguro ficar por lá!

Não é incrível que o metal conhecido como o porto mais seguro em crises, foi o ativo menos volátil, e sem direção?

O SP500 fechou a 2.470, com queda de 4,41%; o USDBRL a R$ 5,2633, com alta de 1,14%; o EURUSD a 1,0962, com queda de 0,60%; e o ouro a U$ 1.588, com alta de 1,11%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário