2020: O risco vai compensar?

6 de abril de 2020

Pandemia dupla



O professor Robert Shiller, um dos percursores da teoria de finanças comportamentais, e ganhador do prêmio Nobel em 2013, faz um relato interessante sobre os efeitos da Convid-19, bem como, o stress financeiro que as pessoas têm passado ultimamente.

Estamos sentindo os efeitos da ansiedade não de uma pandemia, mas de duas. Primeiro, há a pandemia do COVID-19, que nos deixa ansiosos porque nós, ou pessoas que amamos, em qualquer lugar do mundo, em breve poderemos ficar gravemente doentes e até morrer. E, segundo, há uma pandemia de ansiedade em relação às consequências econômicas da primeira.

Essas duas pandemias estão inter-relacionadas, mas não são o mesmo fenômeno. Na segunda pandemia, as histórias de medo se tornaram tão virais que muitas vezes pensamos nelas constantemente. O mercado de ações está caindo como uma pedra, aparentemente em resposta às histórias de COVID-19 esgotando nossa economia vitalícia, a menos que tomemos alguma ação. Mas, diferentemente da própria COVID-19, a fonte de nossa ansiedade é que não temos certeza de qual ação tomar.

Não é uma boa notícia quando duas pandemias estão ocorrendo simultaneamente. Uma pode alimentar a outra. O fechamento de empresas, o aumento do desemprego e a perda de renda alimentam a ansiedade financeira, que pode, por sua vez, impedir as pessoas, desesperadas pelo trabalho, de tomar as devidas precauções contra a propagação da doença.

Além disso, não são boas notícias quando dois contágios são, de fato, pandemias globais. Quando uma queda na demanda é confinada a um país, a perda é parcialmente espalhada no exterior, enquanto a demanda pelas exportações do país não diminui muito. Mas desta vez, essa válvula de segurança natural não funcionará, porque a recessão ameaça quase todos os países.

Muitas pessoas parecem assumir que a ansiedade financeira nada mais é do que um subproduto direto da crise do COVID-19 - uma reação perfeitamente lógica à pandemia da doença. Mas a ansiedade não é perfeitamente lógica. A pandemia da ansiedade financeira, que se espalha através da reação de pânico à queda de preços e à mudança de narrativas, tem vida própria.

Os efeitos que a ansiedade financeira tem no mercado de ações podem ser medidos por um fenômeno que o psicólogo Paul Slovic, da Universidade de Oregon e seus colegas chamam de "heurística afetada". Quando as pessoas ficam emocionalmente perturbadas por causa de um evento trágico, elas reagem com medo mesmo em circunstâncias em que não há razão para temer.

 Em um artigo conjunto com William Goetzmann e Dasol Kim, descobrimos que terremotos próximos afetam o julgamento das pessoas sobre a probabilidade de um colapso no mercado de ações de 1929 ou 1987. Se houve um terremoto substancial centrado dentro de 48 quilômetros nos 30 dias anteriores, a avaliação dos entrevistados sobre a probabilidade de um acidente foi significativamente maior. Esse é o efeito heurístico no trabalho.

Pode fazer mais sentido esperar uma queda do mercado de ações de uma epidemia de doença do que de um terremoto recente, mas talvez não uma queda da magnitude vista recentemente. Se se acreditasse amplamente que um tratamento poderia limitar a intensidade da pandemia do COVID-19 a uma questão de meses, ou mesmo que a pandemia durasse um ano ou dois, isso sugeriria que o risco do mercado de ações não é tão grande para um investidor de longo prazo. Pode-se comprar, segurar e esperar.

Mas um contágio de ansiedade financeira funciona de maneira diferente de um contágio de doença. É alimentado em parte pelas pessoas que notam a falta de confiança de outras pessoas, refletida na queda de preços e na reação emocional de outras pessoas à queda. Uma bolha negativa no mercado de ações ocorre quando as pessoas veem os preços caindo e, tentando descobrir o porquê, começam a amplificar histórias que explicam o declínio. Então, os preços caem nos dias subsequentes, e de novo e de novo.

Observar sucessivas reduções nos preços das ações cria um poderoso sentimento de arrependimento para quem não vendeu, junto com o medo de que alguém possa vender na mínima. Esse arrependimento e medo têm o interesse das pessoas principais em ambas as narrativas de pandemia. Para onde o mercado vai daí depende de sua natureza e evolução.

Para ver isso, considere que o mercado de ações nos Estados Unidos, não entrou em colapso quando, em setembro-outubro de 1918, a mídia começou a cobrir a pandemia de gripe espanhola que acabou com 675.000 vidas americanas (e mais de cinquenta milhões no mundo). Em vez disso, os preços mensais no mercado americano subiram de setembro de 1918 a julho de 1919.

Por que o mercado não despencou? Uma provável explicação é que a Primeira Guerra Mundial, que estava terminando após a última grande batalha, a Segunda Batalha de Marne, em julho-agosto de 1918, se sobre pós a história da gripe, especialmente após o armistício em novembro daquele ano. A história da guerra era provavelmente mais contagiosa do que a história da gripe.

Outra razão é que a epidemiologia estava apenas na sua infância. Os surtos não eram tão previsíveis e o público não acreditava plenamente no conselho de especialistas, com a adesão das pessoas às medidas de distanciamento social "desleixadas". Além disso, acreditava-se geralmente que, crises econômicas eram crises bancárias e não havia crise bancária nos EUA, onde o Federal Reserve System, estabelecido apenas alguns anos antes, em 1913, foi amplamente anunciado como eliminador desse risco.

Mas talvez a razão mais importante pela qual a narrativa financeira tenha silenciado durante a epidemia de gripe de 1918 seja que muito menos pessoas possuíam ações há um século atrás, e poupar para a aposentadoria não era a preocupação que é hoje, em parte porque as pessoas não viviam tanto e mais dependia rotineiramente da família, se precisassem.

Desta vez, é claro, é diferente. Vemos pânico dos compradores em supermercados locais, em contraste com 1918, quando a escassez de tempo de guerra eram ocorrências regulares. Com a Grande Recessão logo atrás de nós, certamente estamos bem cientes da possibilidade de grandes quedas nos preços dos ativos. Em vez de uma trágica guerra mundial, desta vez os EUA estão preocupados com sua própria polarização política, e há muitas narrativas raivosas sobre o mau uso da crise pelo governo federal.

Prever o mercado de ações em um momento como este é difícil. Para isso, teríamos de prever os efeitos diretos na economia da pandemia do COVID-19, bem como todos os efeitos reais e psicológicos da pandemia da ansiedade financeira. Os dois são diferentes, mas inseparáveis.
Acredito que é um raciocínio interessante de como o ciclo vicioso ocorre no mercado de ações ao redor do mundo. Tenho participado de inúmeros calls sobre esse assunto, e não encontrei ninguém que se atreve a fazer uma previsão mais acurada dos estragos que essa pandemia irá ocasionar. Aqui quero dizer não da queda do PIB no curto prazo, mas como estará a economia daqui a 6 meses ou 1 ano. Essa é a razão da pandemia financeira a que Shiller se refere.

No post acertou-no-que-não-viu, fiz os seguintes comentários sobre o dólar: ... “sugiro comprar ¼ nesse nível com stoploss a R$ 5,15. Como podem notar, não é um trade maravilhoso, pois se tivesse que colocar o stoploss no lugar certo – R$ 4,95, o prejuízo poderia ser de 6% para buscar um ganho de 8,5%” ...

Na semana passada o dólar “namorou” no nível de R$ 5,25, e ultrapassou essa marca na última sexta-feira, chegando à cotação de R$ 5,35. Hoje ocorreu um pequeno recuo oriundo da melhora nas bolsas ao redor do mundo.

Neste final de semana participei de um call com o Presidente do BCB, Roberto Campos Neto, mostrando que é a pessoa certa no lugar certo. Grande conhecedor do sistema bancário, pelo seu histórico profissional, sabe exatamente aonde estão os problemas e como deve agir. Se em seu lugar estivesse um economista clássico, mesmo muito competente, estaríamos numa situação mais delicada.

Quando perguntado sobre o câmbio, de forma elegante e naturalmente não direta, deixou claro que irá atuar para dar liquidez ao mercado, sem um objetivo de formar preço. Em outras palavras, não está torcendo. Sendo assim, fiquei confiante que a gestão das reservas está sendo executada de forma profissional. Agora, não é necessário grandes cálculos para saber que a taxa está elevada, basta fazer uma comparação dos preços aqui com seus equivalentes no exterior.

A partir de hoje vou retornar a postagem de videos de Youtube na conta moscatrend. 



O SP500 fechou a 2.663, com alta de 7,03%; o USDBRL a R$ 5,2859, com queda de 0,82%; o EURUSD a 1,0791, com queda de 0,15%; e o ouro a U$ 1.661, com alta de 2,80%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário