2020: O risco vai compensar?

8 de abril de 2020

Pode a bolsa americana atingir novas máximas?



Participo de um grupo abrangente que analisa o mercado americano com uma visão técnica. Hoje pela manhã, depois de algumas horas de discussão, analisamos um cenário diferente para o SP500, onde estaríamos no início da alta que levaria a bolsa americana a novas máximas. Para quem assistiu meu Youtube publicado ontem, levanto essa possibilidade com alternativa.

O analista financeiro, Barry Ritzhold, publicou uma matéria que busca argumentos usando a teoria comportamental, para justificar essa hipótese de alta citada acima.

É bastante difícil enxergar hoje como isso seria possível, com tantas notícias ruins publicadas, além de previsões sobre uma economia incerta no futuro. Porém, talvez o Coronavírus não tenha encerrado o mercado em alta. A queda é apenas um comício de contra-tendência em um mercado em alta secular mais longo; é semelhante ao crash de 1987, um revés temporário no longo mercado secular de 1982-2000.

Se a economia estiver apenas sofrendo uma contração temporária, uma vez que as ordens de abrigo no local sejam levantadas, ela se recuperará rapidamente. A demanda reprimida enviará 330 milhões de americanos, todos com febre alta, para fazer compras, jantar, brincar e comemorar! As empresas recontratarão mais de 10 milhões de trabalhadores.

Já existiu acidentes anteriores, colapsos econômicos e recuperações antes. Durante esse período sem precedentes, de 10 milhões de empregos perdidos em um mês, e um colapso de 35% nos preços de mercado (mais a recente recuperação de 21%), simplesmente não há nada comparável na experiência anterior. Pearl Harbor? Estagflação? Destruição da tecnologia? GFC (Grande Crise Financeira)?

Todos esses eventos ocorreram durante um longo período, tanto na execução quanto na recuperação subsequente de cada um.

Como exemplo, os fatores diplomáticos, comerciais e econômicos que antecederam o Ataque de Pearl Harbor, levou os Estados Unidos à Segunda Guerra Mundial, demoraram anos. O mercado de baixa das décadas de 1960 e 1970 teve vários choques de preços, inflação elevada e alto desemprego, que se desenrolaram contra o mal-estar de décadas da guerra do Vietnã, e do escândalo de Watergate. Ou considere o boom das pontocom - por muitas medidas, o mercado foi supervalorizado anos antes do pico. O discurso de "exuberância irracional" do Presidente do Fed, Alan Greenspan, foi em 1996. As causas do estouro da bolha foram literalmente décadas em preparação.

O tempo pode ser apenas o aspecto mais importante, mas menos bem compreendido, impactando o comportamento dos investidores durante essas quedas anteriores do mercado.

Somos criaturas que reconhecem padrões, procurando dar sentido a uma confusão de informações confusas e muitas vezes contraditórias. Fora do caos, o primata humano confabula uma narrativa reconfortante. Ficamos tão desconfortáveis ​​com a ideia de que nossas vidas são aleatórias que procuramos desesperadamente uma história que seja coesa, compreensível e justa. Coletivamente, perdemos a cabeça quando alguma forma de racionalidade não está presente.

Encontramos padrões repetíveis.

Nossa psicologia é tal que continuamos fazendo o que funciona até que não funcione mais. Desde o final da grande crise financeira de 2009, a mentalidade "Compre na queda" foi ampla e consistentemente recompensada. Todo recuo levou a novas altas; cada queda de 10, 15 e 20% provou ser temporária, pelo menos até o momento.

Os traders reconhecem esse padrão, seja ele aleatório, temporário ou destinado a eventualmente falhar. Quando confrontados com as configurações de compra que funcionaram no passado, nós ratos corremos pelo labirinto para pegar nossos pedaços de queijo. É improvável que esse comportamento pare até que o comportamento pare de ser recompensado.

Considere o que os traders fizeram após o pico da tecnologia em março de 2000. Levou vários anos para ver o fim do comportamento de compra por queda. Antes desse topo, havia quase duas décadas de novas máximas de todos os tempos. (Mesmo o acidente de 1987 foi um revés temporário de 31% no mercado secular mais longo de 1982-2000). Quando o Nasdaq atingiu o pico de 5.100, a queda subsequente viu repetidas tentativas de recuperação.

A esperança brota eterna entre aqueles que foram recompensados ​​no passado por sua fé. Leva tempo para quebrar esses hábitos de ganhar dinheiro.

Não está claro se isso já ocorreu.

A velocidade desse colapso faz parte do motivo. Os danos psicológicos que ocorrem nos mercados em baixa "normais" geralmente levam tempo para vir à tona. Considere a Grande Crise Financeira (GFC). Os mercados acionários dos EUA atingiram o pico em outubro de 2007; eles fizeram seus mínimos finais em março de 2009. Ao longo desses 18 meses, os investidores se desgastaram por um fluxo incansável de más notícias. Os bancos estavam implodindo, grandes demissões estavam sendo anunciadas, as inadimplências estavam explodindo. Realmente parecia que o mundo econômico estava acabando. Mas isso não aconteceu em um mês - foram necessários 18 meses para a negatividade dos investidores entrar em pânico, culminando em capitulação. A definição da palavra capitulação é rendição: os investidores simplesmente desistem. Eles tiveram que fazer algo, qualquer coisa, para parar a dor. Essa exaustão dos vendedores é a forma como são produzidas as mínimas duradouras.

Ainda temos que ver algo remotamente parecido em 2020.

- David, não acredito que você possa estar pensando em tamanha loucura, para não dizer outra coisa!
Entendo sua indignação o ambiente não permite sequer pensar num cenário otimista. Mas tenho que ter opções sobre a premissa atual. A configuração do mercado, e principalmente do setor de tecnologia que não é coberto aqui, me fazem deixar essa alternativa como opção B.

- E como operar nessa situação?
Sempre observando o que o mercado está dizendo. Traduzindo em português claro, fiquem de olho no nível do SP500 entre 2.900 – 2.940, o que acontecer lá vai definir o caminho a seguir. Nunca esqueça que nos não nos postamos como o analista fundamental que tem só um caminho, ou para ele mudar de direção é necessário tempo.

No post empregos, fiz os seguintes comentários sobre o Ibovespa: ... “Para aproveitar um trade de venda a 86.000 com stoploss a 91.000 parece atrativo. A mesma observação feita para o SP500 é válida aqui, a posição deve ser ¼ do tamanho” ... ... “

Assim como na bolsa americana, existe a possibilidade de novas altas do Ibovespa, que poderia também ter um cenário mais positivo, embora diferente em estrutura técnica, quando comparados entre si. Sendo assim, vou cancelar temporariamente a sugestão de trade de venda para a bolsa brasileira.

Como havia comentado, a configuração do Ibovespa no longo prazo, sugere algumas hipóteses com resultados distintos, o que torna a decisão mais difícil. Nestas situações, a observação de movimentos em prazos mais curtos, ajudam. Vejam a seguir minhas observações.

Até 85.000 estaria dentro do que eu imagino deva conter a alta, se novas quedas estão nas cartas. Entre 85.000 e 95.000, fico desconfiado que uma mínima tenha ocorrido, embora não possa afirmar, e acima do último intervalo, elevam se as chances de novas altas.

- David, como pretende operar?
Um acompanhamento em janelas mais curtas poderá nos dar uma pista, mesmo antes de atingir os níveis citados acima e mesmo abaixo deles, se houver uma reversão.

O SP500 fechou a 2.749, com alta de 3,41%; o USDBRL a R$ 5,1353, com queda de 1,67%; o EURUSD a 1,0853, com queda de 0,33%; e o ouro a U$ 1.644, com queda de 0,27%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário