2020: O risco vai compensar?

15 de maio de 2020

How much?



Quando vamos comprar algum produto que supostamente é caro, depois de contemplar seu desejo, a pergunta que fica por último é quanto custa? Dai em diante, a decisão é função do valor relativo, mas não somente desse, as vezes não sendo algo que vai te comprometer, nos recusamos a pagar um absurdo.

Essa é a parte boa, a parte ruim é quando se trata de um prejuízo, nesse caso, o valor passa a ter um impacto emocional direto, quase nunca não tem como negociar, e se tem, somente diminui o sofrimento.

Quanto custou ou custara a pandemia ao mundo? Esse montante é tão elevado que levou os governos a obscurecer a linha entre emprestar o dinheiro ou simplesmente cria-lo.

A maioria das economias modernas tentou manter as duas atividades o mais separadas possível. A configuração típica foi para os políticos eleitos se encarregarem dos orçamentos e atenderem a qualquer déficit de empréstimos nos mercados de títulos - enquanto o maquinário de impressão de dinheiro estava isolado em outro ramo do governo, o banco central.

Mas essas barreiras começaram a parecer porosas após a crise financeira de 2008. E na crise do coronavírus, elas praticamente desapareceram.


Com indústrias inteiras fechadas e o desemprego em alta, apenas os gastos públicos mantêm milhões de famílias e empresas em atividade. Os governos envolvidos nesse esforço de ajuda estão enfrentando alguns dos maiores déficits orçamentários da história. E estão pagando pelo menos algumas das contas com o que são efetivamente empréstimos de seus próprios bancos centrais - dívidas que podem ser acumuladas indefinidamente e são realmente mais como dinheiro.

Nos EUA, o Federal Reserve deve comprar US $ 3,5 trilhões em títulos este ano, segundo estimativas da Bloomberg Economics. A maior parte será do Tesouro, cobrindo a melhor parte de uma previsão de déficit fiscal para atingir pelo menos US $ 3,7 trilhões. Ninguém sabe quando a dívida será transferida do balanço público para as mãos de investidores privados, se for o caso.

Histórias semelhantes estão ocorrendo em economias desenvolvidas da Europa ao Japão - e mesmo em alguns mercados emergentes, com a Indonésia e a Polônia entrando na briga.


Por trás do tabu de longa data contra o que é conhecido como "dívida monetária" está o medo da inflação. A história está cheia de episódios em que os políticos assumiram o controle das máquinas de impressão e gastaram muito dinheiro com a economia, fazendo com que os preços ficassem fora de controle e corroendo o valor real de todos os tipos de poupança, de contas bancárias a carteiras de títulos.

Os bancos centrais foram mantidos separados do resto do governo precisamente para aplicar os freios quando os políticos foram longe demais. Essa autonomia provavelmente será necessária novamente um dia.

Na pandemia, os economistas veem a ameaça vindo da direção oposta - com a deflação um risco maior. Nos países desenvolvidos de crescimento lento, a política já está inclinada dessa maneira há anos. O desafio era estimular as economias, não as esfriar. Quando os formuladores de políticas ficaram sem espaço para fazer isso cortando as taxas de juros, tentaram outras maneiras. O efeito foi gradualmente minar a separação ortodoxa das políticas monetária e fiscal. Olhando para trás, é difícil ver exatamente se ou quando o cordão foi rompido.

Depois que o Japão se tornou o primeiro país a atingir taxas zero no final dos anos 90, seus ministros das Finanças aumentaram os gastos com déficit, enquanto os banqueiros centrais começaram a comprar a dívida resultante. As compras foram feitas via bancos, não diretamente do ministério das finanças - e foram faturadas como participações temporárias, não permanentes. Essas nuances permitiram que os formuladores de políticas argumentassem que não havia ocorrido monetização. Os críticos não foram convencidos. Mas o que eles alertaram, como um aumento na inflação ou fuga dos mercados de títulos, nunca aconteceu.

Após o crash de 2008, o debate foi repetido em todo o mundo, à medida que mais países combinavam maiores déficits orçamentários com o chamado alívio quantitativo. O Fed comprou títulos do Tesouro no mercado aberto, por meio de uma lista seleta de revendedores, e outros bancos centrais fizeram acordos semelhantes. E essas políticas foram levadas ainda mais longe na pandemia atual.

Faz décadas que as economias desenvolvidas sofreram algo remotamente parecido. A inflação permaneceu moderada ou inexistente, por mais que os governos emprestassem ou os banqueiros centrais emprestassem. Sua longa ausência incentivou políticas ainda mais ousadas para arrastar as economias para fora da crise do vírus, mesmo que isso signifique obscurecer ainda mais as linhas entre dívida e dinheiro.

Na União Europeia, por exemplo, o investidor veterano George Soros propôs que os Estados membros unissem forças para emitir “títulos perpétuos” que nunca precisam ser reembolsados. Ele sugeriu que eles pagassem uma taxa de cupom de 0,5% ou mais. Reduza isso em meio ponto e os valores mobiliários seriam basicamente dinheiro, diz Alessandro Tentori, diretor de investimentos da Axa Investment Managers em Milão. "Não haveria diferença entre um bônus perpétuo de 0% e uma moeda".

Se essas etapas são exageradas, outras já estão em andamento. O Banco da Inglaterra estendeu um cheque especial ao governo. O banco central da Nova Zelândia disse que estava aberto a comprar títulos soberanos diretamente. O Banco do Japão tem atrelado a uma dívida pública de 10 anos em torno de 0%, uma política conhecida como controle da curva de rendimento que pode ser adotada mais amplamente.

Os governos e seus bancos centrais provavelmente deixarão de transformar abertamente a dívida pública em dinheiro, julgando que os riscos à estabilidade monetária superam quaisquer benefícios, de acordo com Nicola Mai, gerente de portfólio da Pimco.

"Não acho que você precise necessariamente dessa cooperação explícita", diz ele. "É uma cooperação implícita." Mas o resultado não é tão diferente: "O banco está efetivamente apoiando o mercado soberano - permitindo que o governo gaste dinheiro".

O prejuízo causado pelo Covid-19 não é privado e sim público, se assim não fosse estaríamos na pior depressão da humanidade. Isso não significa que não tem, ou terá, custos para a sociedade, afinal, quem é o governo senão nós.

Quando um devedor não pode pagar sua dívida seu impacto recai sobre o credor. Se ele não está alavancado (caso de um banco), terá que absorver sozinho essa perda. Eu tenho uma frase antiga que se encaixa “em situações como essa quem perde é quem tem recursos e não sobre quem não tem”. No caso do governo quem pode perder? A forma clássica é através da inflação que não manda a conta explicita para um grupo, fica na moita. Nesses casos, o maior perdedor é o povo que não tem como se defender.

Num processo inflacionário ocorrem 2 consequências principais: desvalorização de quem detêm títulos longos, normalmente do governo e desvalorização da moeda, em relação as outras. Mas como o mundo todo está na mesma situação, a moeda vai se desvalorizar contra quem? Normalmente nesses casos, sobre ativos reais.

Por enquanto estamos num processo de deflação sem que a moeda principal o dólar tenha perdido valor, ao contrário, se encontra quase nas máximas. Vale a pena ficar muito atento no futuro próximo para identificar quem vai pagar essa conta incalculável desse prejuízo. Se o vírus foi mesmo criado num laboratório, o poder desses ambientes tem que ser controlado como o mesmo rigor de quem pode acionar uma bomba atômica.

No post vivendo-de-mesada, fiz os seguintes comentários sobre o Ibovespa: ... “ existe uma alternativa dessa correção, que poderia levar a bolsa até ao redor de 90.000” ... ... “ No gráfico abaixo, apontei esses possíveis intervalos onde poderia ocorrer a reversão que estou esperando - Notem, que o 1º intervalo já poderia ter acontecido”

A bolsa brasileira parece não mostrar muito interesse aos investidores. Nos diversos calls que participei é consenso que os gestores preferem a bolsa americana ficando com posições marginais localmente. Em relação aos estrangeiros acredito que mesmo quem é dedicado a essa região, não deve estar nem acompanhando, sobrando apenas o pessoal de hedge fund que procura barganhas, pois em dólares o Ibovespa caiu mais de 50%. Quem sobra é o investidor brasileiro que ainda busca retornos superiores ao CDI.

Do ponto de vista técnico, ainda não mudei de opinião, a de que, ainda podemos ver um nível mais elevado antes de que ocorra uma queda. Mas quero deixar claro que os elementos não sugerem muita convicção.

Destaquei a possibilidade de um triangulo ascendente cujo rompimento deveria ser para cima (mais provável). Se isso acontecer, o objetivo seria ao redor de 89.000/92.000. Tudo vai depender das inúmeras atrapalhadas que o governo se mete, como o pedido de demissão do Ministro da Saúde que ficou menos de 1 mês, assim como o comportamento das bolsas internacionais.

O SP500 fechou a 2.863, com alta de 0,39%; o USDBRL a R$ 5,8382, com alta de 0,48%; o EURUSD a 1,0816, com alta de 0,11%; e o ouro a U$ 1.741, com alta de 0,71%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário