2020: O risco vai compensar?

27 de maio de 2020

Hong Kong



O governo chinês tomou uma medida radical a anunciar alguns dias atrás um controverso projeto de lei de segurança que visa aumentar os mecanismos de controle do país sobre Hong Kong. A proposta prevê que Hong Kong adote em sua Lei Básica, a miniconstituição do território autônomo, normas para proibir e punir "qualquer ato de traição, separação, rebelião e subversão" contra o Estado chinês, além da interferência estrangeira na região ou atos que colocariam em risco a segurança nacional.

Infelizmente, a incerteza sobre o futuro de Hong Kong como sociedade livre permanecerá mais tempo do que o gás lacrimogêneo que foi lançado diversa vezes. Agora existe uma boa chance de que a imposição da China de uma nova lei de segurança nacional em Hong Kong causará uma cadeia de eventos que encerra seu status como um centro financeiro internacional de primeira linha.

A ironia é que esse processo também poderia tornar Hong Kong "segura" para o continente investidores e instituições e estimular mais fluxos de capital e assumir riscos. Ainda não se sabe muito sobre a lei de segurança nacional que o parlamento da China planeja impor pelo diktat. Na sexta-feira, o Congresso Nacional do Povo delineou um esqueleto que cobria sedição e intromissão estrangeira em Hong Kong. Isso também disse que as agências do Continente serão criadas na cidade para fazer cumprir a lei e auxiliado por novas “instituições especiais”.

O texto completo não será publicado por alguns meses, mas a lei poderá estar operacional em agosto. Até certo ponto isso formaliza a realidade das agências de segurança da China que trabalham em Hong Kong, como eles fazem há anos. No entanto, uma coisa é esquivar-se nas sombras, mas outro para o Ministério da Segurança do Estado ter escritórios no centro da cidade que supervisionar a expressão política, comentários da mídia e estudos acadêmicos.

O maior desconhecido é como os processos judiciais serão gerenciados na nova época e que os juízes presidirão. O firewall do modelo de Hong Kong “um país e dois sistemas” tem ocorrido com um judiciário imparcial que aplica o “common law” como princípio, a uma miniconstituição que consagra direitos básicos. Tendo os tribunais locais mediando contradições entre a nova lei de segurança e as que foram usadas, promete a mãe das bagunças legais. Portanto, há especulações de que a tarefa pode ser encaminhada para os tribunais de segurança administrados pelo continente. Este é um cenário negativo que claramente contraria as disposições básicas da declaração” entre o Reino Unido e a China” e levar a um calafrio na cidade.

Supondo que a lei seja devidamente adotada e que a supervisão seja deixada para os tribunais de Hong Kong, os juízes locais enfrentarão uma enorme pressão para tomar decisões "corretas". O resultado será uma nova cultura política que castiga os expressos como dissidentes e “antipatrióticos”. Um efeito secundário pode ser uma mudança na cultura legal expressa pela construção chinesa de “Estado de Direito” - a adoção sistemática de códigos ditado pelo Estado-partido - além do “estado de direito”, o que torna os atores, incluindo o governo, subsidiário da lei. Hong Kong pode não ser uma democracia, mas tem sido uma jurisdição rara na Ásia, onde um indivíduo pode processar o governo e ter uma boa chance de ganhar.

O efeito será tornar Hong Kong mais parecida com Cingapura, que tem um sistema jurídico profissional capaz de sustentar disputas por delito, mas que raramente vê indivíduos buscarem reparação contra uma autoridade superior no caso de disputas fundamentais. É provável que esse ambiente legal seja incompatível com a execução de muita atividade internacional, de modo que a natureza dos serviços e as transações realizadas em Hong Kong podem mudar. Em suma, provavelmente tornar-se um centro mais intimidado, dócil e menos criativo.

Esse processo de “desinternacionalização” pode ser acelerado pela remoção dos EUA. O status especial da cidade concedido de acordo com a Política entre Estados Unidos e Hong Kong, Lei de 1992, como parece provável. Hong Kong não será ferido imediatamente por uma revogação, mas o impacto a médio prazo de sua posição internacional poderia debilitado, especialmente se a guerra comercial EUA-China se aprofundar e a cidade enfrenta sanções dos EUA afetando sua função principal como centro financeiro do dólar.

A compensação para todas essas más notícias para Hong Kong é que as coisas podem parecer muito diferente para investidores do continente e empresas estatais, que têm temido pelo risco político desde que violentos protestos nas ruas eclodiram em junho passado. Não apenas as chegadas de turistas do continente secaram, prejudicando o luxo de Hong Kong - setor de varejo de mercadorias, mas o mesmo aconteceu com muitas interações comerciais transfronteiriças.

A preocupação do ano passado para um investidor do continente era que Hong Kong seria punido através de um tratamento de ombro frio que favoreceu Shanghai ou Shenzhen. Ao impor controle político sobre Hong Kong - e, portanto, possuir o problema para o bem ou para o mal - o sinal é que Hong Kong está sendo higienizado como centro de negócios e comprometimento de capital.

É verdade que a extensão do controle político em Hong Kong diminuirá seu apelo aos “bandidos” do continente que costumam usar a cidade para realizar operações duvidosas. Haverá também os investidores do continente que perdem a confiança na cidade, pois valorizam muito o “estado de direito” que poderia ser comprometido. No entanto, no geral, a maioria das instituições do continente provavelmente verão a lei de segurança nacional como mercado mais uma vez totalmente invertível. Ao mesmo tempo, é provável que Hong Kong se torne o principal destino para listagem na bolsa das empresas chinesas, à medida que se afastam dos EUA, gerando assim outra fonte de entrada de capital.

Essa "continentalização" pode estimular mudanças de população, uma vez que o nível superior de Hong Kong, sua classe média - com seus passaportes e residências no exterior em Vancouver, Londres ou Sydney – desejem abandonar. A imigração do continente pode aumentar ainda mais. Um risco final desse processo é que elementos radicais no movimento de protesto se transformem em uma resistência explicitamente paramilitar, como visto na Irlanda do Norte ou a região basca. Apesar dos protestos vistos em Pequim e Hong Kong, contra o governo, nada até agora sugere que tenham um elemento terrorista, mas os eventos ainda podem mudar essa dinâmica.

Em suma, o efeito será tornar Hong Kong uma cidade mais chinesa, cujo sucesso econômico está vinculado às transações internacionais realizadas por entidades do continente. O lócus da atividade econômica mudará ainda mais para a captação de capital do continente e o processo de internacionalização do renminbi. Assim, mesmo quando Hong Kong perder sua identidade única e é potencialmente excluído por várias instituições de forma independente, é plausível que veja mais fluxos de capital e atividades de tomada de risco emanadas do continente.

Essa é a opinião da Gavekal que tem um de seus escritórios localizados em Hong Kong. Sua opinião é baseada em sua experiencia bem como na sua capacidade de análise, tornando essas avaliações fundamentadas.

A China já vem algum tempo buscando tornar o Yuan uma moeda de troca, condição necessária para que se torne no futuro uma ameaça a hegemonia do dólar nesse sentido. Parece que essa atitude vai nessa direção, pois embora seja questionada pelos principais países ocidentais, e principalmente os EUA, não se importou em quebrar o compromisso assumido quando, o Reino Unido devolveu Hong Kong para a China em 1997, onde o sistema econômico e o padrão de vida seria mantido por 50 anos.

No post o-rumor-se-espalha, fiz os seguintes comentários sobre o SP500: ... “ Parece que o SP500 está querendo romper essa barreira de forma mais definitiva, entretanto eu gostaria de aguardar uma pequena retração para sugerir um trade de compra. Sendo assim, vou deixar uma sugestão para entrar a 2.870 com stoploss a 2.770” ... ... “somente a ultrapassagem do nível de 2.970 sugere um conforto maior” ...

A retração foi uma miséria! A mínima alcançada foi de 2.913 nem perto do nível que eu havia comentado. O patamar de 2.970 foi rompido dando conforto a assunção de uma posição comprada com o tamanho de 40% das antigas – pré Covid-19, o stoploss inicial fica em 2.850.

O gráfico acima com janela semanal aponta o próximo ponto aonde poderia eventualmente ocorrer uma reversão. Agora, se for ultrapassado, os vendidos irão jogar a toalha - a posição deles no SP500 ainda é enorme, veja abaixo. Pode esperar a partir daí uma aceleração do movimento, pois agora, quem estava atrasado no movimento (áreas, energia, bancos) está subindo mais firme que o próprio índice.

Infelizmente, por enquanto, essa força não está contaminando a bolsa brasileira, os motivos venho externando, que são tanto do ponto de vista técnico, como do ponto de vista de fundamento, falta substância para que isso aconteça. Mas pelo menos ajuda!

O SP500 fechou a 3.036, com alta de 1,48%; o USDBRL a R$ 5,2865, com queda de 1,11%; o EURUSD a 1,1100, com alta de 0,18%; e o ouro a U$ 1.712, sem variação.

Fique ligado!                      

Nenhum comentário:

Postar um comentário