2020: O risco vai compensar?

4 de maio de 2020

Jogando com a sorte


Tenho observado em meus contatos, uma crescente ansiedade ocasionada pelo distanciamento. Por mais que as rotinas de trabalho puderam ser deslocadas para Home Office, o que não é valido para todas as profissões, a incerteza sobre o futuro pesa sobre o emocional das pessoas.

Em cada ramo de negócios existem especulações de como será quando a circulação das pessoas voltar ao normal. Alguns setores parecem serão mais afetados e outros menos, mas não deixam de ser previsões desprovidas de histórico em situações anteriores, que permitiriam um track record para se basear.

A pergunta que tenho mais ouvido é quando voltaremos a viajar. Toda e qualquer resposta é um mero chute. Mas é indiscutível que, uma nova componente de elevado peso a ser considerada, é o quão seguro será essa viagem.

Para buscar responder essas diversas questões é fundamental avaliar o que acontecerá no futuro próximo, até que uma vacina esteja disponível.

Um trabalho efetuado pela Stat, um serviço de análise especializado em Biotecnologia, Farmácia e Ciências Humanas, visiona 3 cenários possíveis.

Cenário 1 -Pequena ondas até onde os olhos podem ver: O pico atual nos casos de Covid-19 é seguido nos próximos dois anos por alta e queda, alta e queda. As altas terão menos da metade do tamanho do surto atual, com alguns dos números mais altos coincidindo com a temporada de gripe no próximo outono e as valas no verão. Provavelmente haverá variação regional devido a fatores que incluem surtos aleatórios, a má sorte de ter superespalhadores e muito pouco teste e rastreamento de contatos, para extinguir novos surtos antes que eles explodam.

A possibilidade de crista e queda reflete um consenso emergente de que esse coronavírus possui alguma sazonalidade, mas não será eliminado pelo clima quente e úmido.

É por causa de como o vírus é transmitido. O calor e a umidade podem matar o vírus nas superfícies, mas no verão ainda haverá muitas pessoas que poderão transmiti-lo de pessoa para pessoa através de espirro, tosse e até falando.

A mini-onda de verão sugerida por Micahel Osterholm, epidemologista da Universidade de Minnesolta, mostra uma redução de mais de 20% nos casos, refletindo o que os especialistas prevêem que será um dos legados duradouros da pandemia: os governadores podem abrir bares e praias o quanto quiserem, mas grandes reuniões internas ainda provavelmente estarão fora dos limites, e muitas pessoas continuarão a praticar o distanciamento social voluntário.

"Mesmo sem mandatos de distanciamento social, as pessoas o farão de qualquer maneira", disse Amesh Adalja, da Universidade Johns Hopkings. "Foi construído em nossas vidas." Como resultado, ele disse, "esportes para espectadores e shows de rock provavelmente não farão parte da equação. Eu suspeito que certos shoppings irão fechar; eles já estavam morrendo, então [a relutância das pessoas em estar próximas das outras] provavelmente será o ponto de partida da morte. "

Medidas que os varejistas, empregadores e outros estão se preparando para reabrir, de turnos de trabalho surpreendentes, a erguer partições entre cubículos, e enviar para casa qualquer funcionário que esteja com febre leve, o novo normal trará um pouco do distanciamento físico que manteve as piores previsões da primeira onda do Covid-19. Para muitos, vestir uma máscara facial antes de encontrar os amigos em um parque ou ir à academia se tornará tão natural quanto embolsar o celular. Nos restaurantes, os clientes provavelmente terão suas temperaturas medidas antes de serem sentados e os garçons usarão máscara e luvas, previu o governador Gavin Newsom, da Califórnia, no mês passado.

E quando surtos locais ocorrem de qualquer maneira, essas medidas se tornam mais rigorosas, mesmo que apenas por meio de medidas voluntárias. Muitos trabalhadores, amedrontados com uma crise local, se comunicam. As pessoas novamente evitarão o transporte público, até os táxis e os aplicativos. Eles adiarão cirurgias agendadas e consultas médicas, especialmente quando a telemedicina ocorrer.

E então o surto se dissipará novamente, graças a essas medidas. Muitas pessoas tomam isso como um sinal de que é seguro baixar a guarda. O distanciamento social será menos rigoroso. A próxima onda vai bater ... repetidamente até que tantas pessoas tenham sido infectadas, ou uma vacina seja bem-sucedida, para produzir imunidade.

Cenário 2 ´Hsitória restaurada: Março de 1918 trouxe a primeira onda moderada da gripe espanhola. Os casos caíram naquele verão, mas seis meses depois, no outono, a epidemia explodiu. Isso foi seguido por picos menores no início de 1919. E então a pandemia terminou. As pandemias de influenza de 1957 e 1958 e a gripe suína de 2009 seguiram um padrão semelhante.

Nesse cenário, em vez de reaparecer ao longo do ano como as cristas e vales do primeiro cenário, o Covid-19 retornaria com mais ferocidade no final do verão (Hemisfério Norte) e no outono e depois se dissiparia, estabelecendo-se em um número pequeno, mas quase constante de casos. "Você teria o que chamamos de penhasco", disse Osterholm.

A queda precipitada e duradoura teria duas causas. Primeiro, tantas pessoas seriam infectadas na primeira onda moderada (agora) e na gigantesca segunda onda (atingindo o pico em outubro) que a população poderia se aproximar da imunidade. A segunda onda, disse Osterholm, "derrubaria absolutamente o sistema de saúde".

Evitar esse desastre do sistema de saúde, foi o objetivo de "achatar a curva" nos EUA a partir de março, e eles tiveram sucesso. Mas mesmo que hospitais e outras pessoas usem a pausa do verão para carregar equipamentos de proteção individual, ventiladores e outras necessidades, e se preparar para um retorno total do Covid-19 no outono e inverno, provavelmente não seria suficiente .

"Se também tivéssemos uma temporada ruim de gripe, seria realmente difícil para os hospitais lidar", disse Adalja, de Hopkins.

Um colapso iminente ou real do sistema de saúde, semelhante ao que ocorreu no norte da Itália em março, forçaria autoridades nacionais, estaduais e locais a impor medidas de mitigação ainda mais rigorosas do que as das últimas seis semanas, as quais - como aconteceu na China final de janeiro ao início de março - acabaria com o Covid-19.

Como o novo coronavírus continuaria circulando, como os outros quatro coronavírus humanos, ainda haveria transmissão de baixo nível. Mas os casos seriam tão poucos que dificilmente seriam contados como "surtos"; em vez disso, o Covid-19 estaria conosco em um nível bastante baixo, talvez milhares de casos ao mesmo tempo.

Cenário 3 - O pior Dia da Marmota: Se tudo der errado, "continuamos tendo surtos nesta cidade ou naquela cidade e continuamos tentando sufocá-los", disse Osterholm, que chama isso de cenário de "queima lenta".

As ondas continuam chegando porque o tamanho dos surtos que seguem o atual é menor do que no segundo cenário de ondas monstruosas. Portanto, leva mais tempo para a imunidade da população se acumular. Os surtos locais ocorrem, pior em alguns lugares do que em outros devido a, entre outras coisas, capacidade diferente de realizar testes regulares e extensos e rastreamento de contatos.
Nenhuma pandemia de influenza do passado jamais seguiu esse padrão. Existem duas razões pelas quais o Covid-19 pode, no entanto.

Uma é biológica: os coronavírus, como demonstrado pelos quatro endêmicos, são assustadoramente hábeis em continuar a circular e nunca desaparecer (o coronavírus SARS no início dos anos 2000 foi uma exceção).

O outro é sociológico: existem questões reais sobre a capacidade da sociedade de resistir a outro desligamento econômico, sem falar em repetidos. No futuro, essas políticas, pelo menos em algumas cidades e estados, podem muito bem ser menos rigorosas e, portanto, menos eficazes no controle de surtos do que as impostas nesta primavera. É por isso que surtos futuros neste cenário continuam chegando, com durações e cargas de casos comparáveis ​​ao atual.

As ondas intermináveis ​​significam que o distanciamento social terá que ser reposicionado repetidamente, forçando os repetidos fechamentos de empresas que acabaram de reabrir e a demissão de funcionários cujos empregos continuam sendo eliminados? Embora seja difícil lembrar, as ordens de permanência em casa, as paralisações de negócios e outras medidas de mitigação serviram para achatar a curva: retardar a disseminação do Covid-19 o suficiente para manter o número de pacientes que precisam de hospitalização, terapia intensiva, ou um ventilador não superior à capacidade do sistema de saúde. Achatar a curva não significou zero casos e mortes, nem mesmo alguns milhares.

Se esse for o objetivo das futuras ondas do Covid-19, a mitigação poderá não ser tão severa, como um número crescente de epidemiologistas reconhece: Tendo visto o quão desastrosamente insuficiente de suprimentos e capacidade eles eram, muitos hospitais usarão a pausa do verão “para gerenciar melhor capacidade e fazer ajustes para absorver melhor um aumento de casos . "Espero que não seja sempre uma calamidade."

Ironicamente, isso pode aumentar um pouco a tolerância das pessoas a um grande número de doenças, especialmente se a chegada de tratamentos eficazes significa que o retorno do Covid-19 é menos letal do que era inicialmente.

A sociedade deve arbitrar o que Leung chama de "cabo de guerra de três vias" entre um trio de necessidades concorrentes: manter baixos os casos e as mortes, preservar empregos e atividades econômicas e preservar o bem-estar emocional das pessoas. "É uma batalha entre o que precisamos fazer pela saúde pública e o que precisamos fazer pela economia e pelo bem-estar social e emocional", disse ele. Se a parte da saúde pública do cabo de guerra enfraquecer, as ondas continuarão chegando até o final de 2022.

E qual cenário é mais provável? Osterholm não tem certeza. "Este vírus tem a sua própria agenda", disse ele. "Mas teremos alguns meses difíceis pela frente."

Se uma análise de resultados for feita pelo que se denomina worst case scenario, é bom nos acostumarmos com o dia a dia em que vivemos, intercalados por períodos de liberdade. Mas mesmo no melhor caso, a vida será seguida de altos e baixos. Mesmo que na melhor hipótese não seja como se vivia antes, será suficiente para evitar inúmeros costumes como: ir a eventos ou estádios de futebol, viagens cujo o avião é o meio de transporte.

Programar qualquer evento futuro, será um exercício sujeito a mudanças frequentes, estaremos jogando com a sorte!

No post  o-fed-esta-na-borda-do-trampolin, fiz os seguintes comentraios sobre o dólar: ... “ cheguei a uma “área de congestão” compreendida entre R$ 5,70 e R$ 5,90” ... ... “Quando isso ocorre, é mais provável, o ativo deva ter dificuldade de romper essa região, ou ocorre uma reversão” ...

Mesmo com um Presidente que nitidamente está sem rumo, que vem buscando apoio de forma desordenada, gerando instabilidade nos mercados, o dólar mantém-se abaixo do nivel máximo de R$ 5,75. Até que a ultrapassagem dessa marca ocorra, eu trabalho com uma queda do dólar até o nivel apontado a seguir.

O dólar deveria recuar até R$ 5,30 e R$ 5,05, para que em seguida ocorra uma reversão de curso.  Ainda para baixo, a queda poderia atingir R$ 4,85. Se mesmo assim, continuar a cair, o movimento de alta de longo prazo fica comprometido dando margem a outras interpretações.

O SP500 fechou a 2.842, com alta de 0,42%; o USDBRL a R$ 5,5347, com alta de 0,90%; o EURUSD a 1,0897, com queda de 0,79%; e o ouro a U$ 1.703, com alta de 0,25%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário