2020: O risco vai compensar?

14 de maio de 2020

Sub produto da pandemia



Basta observar as estatísticas que fica claro qual classe econômica está sendo mais prejudicada pela pandemia. É natural que isso acontecesse, pois a parcela da população que tem menos instrução e condições de suportar um confinamento, fica mais exposta a contrair o corona vírus. O problema é que essa situação se sobrepõe a uma tendência da última década onde a concentração de renda se acerbou. Um artigo publicado pela Bloomberg elenca seis pontos que tornaram a desigualdade mais profunda.

A diferença de renda e riqueza vinha aumentando há décadas. Isso foi temporariamente mascarado pelo boom imobiliário no início dos anos 2000, mas o crash de 2008 acabou com essas ilusões. E com os bilionários de celebridades interagindo cada vez mais diretamente com os americanos comuns nas mídias sociais, essas vastas desigualdades estavam se tornando cada vez mais aparentes. A maioria das medidas mostra a desigualdade nos EUA em níveis mais altos de todos os tempos. O índice Gini comumente usados é apenas um exemplo:

O Coeficiente de Gini consiste em um número entre 0 e 1, onde 0 corresponde à completa igualdade (no caso do rendimento, por exemplo, toda a população recebe o mesmo salário) e 1 corresponde à completa desigualdade (onde uma pessoa recebe todo o rendimento e as demais nada recebem). O índice de Gini é o coeficiente expresso em pontos percentuais (é igual ao coeficiente multiplicado por 100).


Agora, a pandemia de coronavírus ameaça piorar uma situação já ruim. Alguns chamam o vírus de um grande equalizador, porque pode atingir até os ricos e poderosos. Mas, em termos do efeito a longo prazo sobre os resultados econômicos, é provável que a doença não seja um equalizador. Aqui estão algumas das maneiras pelas quais a pandemia provavelmente exacerba a desigualdade.


1. Desemprego

Pesquisas realizadas pelos economistas Davide Furceri, Prakash Loungani, Jonathan Ostry e Pietro Pizzuto descobriram que a desigualdade de renda tende a aumentar por cinco anos depois que um país sofre uma epidemia. O desemprego - agora mais de 14% nos EUA e ainda subindo rapidamente - é obviamente uma grande parte disso. Os trabalhadores com baixos salários tendem a ser os primeiros a perder o emprego e os últimos a serem contratados de volta. Os economistas descobriram, sem surpresa, que os trabalhadores com baixa escolaridade sofrem muito mais desemprego após uma pandemia.


O desemprego também prejudica mais as pessoas de baixa renda porque estão menos equipadas financeiramente para gerenciá-las. Um trabalhador de alto rendimento que é demitido geralmente tem um colchão de economias em que pode confiar até que novas oportunidades se tornem disponíveis. Caso contrário, geralmente não é muito difícil pedir emprestado. Mas, para os trabalhadores mais pobres, que têm menos economias e não podem emprestar a juros baixos, um período de desemprego pode significar despejo, perda de carro ou outros danos a longo prazo que os impedem de se recuperar.

2. Menos redistribuição

Furceri e seus co-autores descobriram que o desemprego e outros resultados de mercado aumentam a desigualdade, mas não podem responder por todo o aumento. Isso implica que os países tendem a reduzir a redistribuição após uma pandemia. Isso pode parecer estranho, dados os grandes esforços que os governos estão fazendo para lançar uma tábua de salvação para os desempregados. Mas essas políticas, bem como as políticas de apoio às empresas durante e após a pandemia, têm um alto custo fiscal. Devido à perda de receita tributária da depressão, a pressão fiscal pela austeridade persiste após o perigo imediato. Certo ou errado, muitos governos provavelmente tentarão apertar o cinto, o que significa menos serviços sociais e transferir pagamentos para a classe pobre e média.

3. Suporte ao mercado de ativos

Ações, imóveis e outros ativos financeiros tendem a cair em valor no início das recessões, porque os ganhos das empresas e a capacidade dos inquilinos de pagar aluguéis são afetados. Mas, cada vez mais, os bancos centrais estão sustentando os valores dos ativos, agindo como compradores de último recurso. Enquanto houver pressão descendente sobre os preços, o Federal Reserve e outros bancos centrais podem criar dinheiro e comprar ações (embora isso possa levar a manobras legais criativas). Isso gera múltiplos de avaliação. Como as ações são detidos desproporcionalmente pelos ricos, isso provoca uma maior desigualdade de riqueza. O setor imobiliário, um ativo no qual a classe média detém grande parte de sua riqueza, tem menos probabilidade de obter um socorro direto. E os pobres têm poucos ativos financeiros.

4. Desigualdade geográfica

A epidemia atingiu alguns estados e cidades muito mais do que outros. Enquanto isso, liderança federal incompetente ou ausente significa que as medidas para suprimir o surto variaram bastante - alguns estados reprimiram com êxito seus surtos com bloqueios, outros estão usando testes generalizados e rastreamento de contatos para controlar a disseminação, enquanto outros estão reabrindo prematuramente os negócios com poucos medidas de supressão em vigor. Isso criará o equivalente a zonas vermelhas e zonas verdes. As empresas e os rendimentos sofrerão mais no primeiro enquanto florescem no segundo. Foi exatamente o que aconteceu após a gripe espanhola de 1918-19. Aqueles que são azarados o suficiente para viver em estados com respostas pandêmicas fracas sofrerão mais.

5. Desigualdade no estilo de vida

O coronavírus impôs grandes mudanças na maneira como as pessoas vivem e trabalham. Como nas épocas passadas, muitas pessoas ricas são capazes de superar a epidemia se retirando para casas isoladas no país; depois que a classe média e os pobres sofrem uma parcela desproporcional de infecções e morte, a imunidade do rebanho é estabelecida e os ricos podem retornar com segurança a áreas mais populosas. Além disso, muitos profissionais do conhecimento são capazes de trabalhar remotamente, enquanto aqueles em ocupações menos qualificadas, como varejo e construção, precisam escolher entre arriscar sua saúde e perder sua renda. Assim, a pandemia também criou desigualdades em segurança e conveniência, que tendem a se alinhar com disparidades em renda e riqueza.

6. Desigualdade internacional

A desigualdade internacional tem sido um dos poucos pontos positivos nas últimas décadas, pois os países pobres ganharam terreno com os ricos. Mas muito disso ocorreu devido à globalização, que agora está em reversão total. Os preços das commodities caíram, o que será um golpe devastador para as grandes áreas do mundo em desenvolvimento que ainda dependem da exportação de recursos naturais. A queda do comércio global está sufocando os mercados de exportação dos países industrializados. Se as tensões entre a China e o resto do mundo continuarem aumentando, ou se a pandemia der origem a um nacionalismo estridente, o declínio da globalização pode ser duradouro e o crescimento da recuperação pode terminar em grande parte.

Esse é um assunto sério que tem repercussão no tempo, uma vez que, não eclode instantaneamente. Um colega de trabalho dizia uma frase que ficou gravada “nunca briga com alguém que não tem nada a perder, no final, você acabará perdendo”. Vale lembrar que as grandes guerras ocorreram depois de períodos de elevada insatisfação da população, na maioria das vezes por fatores econômicos. Podemos esperar aumento de manifestações e elevação de impostos.

Queria acrescentar um gráfico que me foi disponibilizado hoje, que complementa os tipos de recuperação esperada para a economia americana. São bem criativos, mas com efeito prático duvidoso, apenas ilustrativo.


Um outro gráfico aponta a distorção entre o que a bolsa americana espera na recuperação, em função do nível atual, e o que os dados econômicos sugerem. Um dos dois terá que se ajustar em algum momento.


No post macaco-velho, fiz os seguintes comentários sobre o ouro: ... “parece agora estar se preparando para novas altas. Mas isso só pode ser confirmado, caso, a máxima seja ultrapassada sem que haja um false break novamente. Desta forma, vou sugerir um trade de compra do metal a U$ 1.750” ... ... “Existe uma outra possibilidade, a da formação de um triangulo conforme demarcado a seguir (em laranja)” ...

Nesse meio tempo, o ouro atingiu o preço de U$ 1.690, em concordância as minhas observações acima. Você poderia se perguntar, qual foi a razão de eu não ter sugerido a compra nesse nível? O motivo é que prefiro a confirmação do rompimento superior ao invés de “arriscar” num movimento de correção (triângulo).

O rompimento nesse caso é importante por 3 motivos que destaquei no gráfico acima:
  1.        Foi completado 5 ondas de alta, que na teoria de Elliot Wave, indica continuidade (verde).
  2.      Rompimento do triângulo (azul)
  3.      Ultrapassar a marca de 161,8% (laranja).

Se tudo isso for cumprido, aumentam a chance de o ouro atingir U$ 2.000, ultrapassando a máxima atingida em 2011, que coincide com o início da publicação do Mosca.

O SP500 fechou a 2.852, com alta de 1,15%; o USDBRL a R$ 5,8102, com queda de 1,28%; o EURUSD a 1,0801, com queda de 0,14%; e o ouro a U$ 1.731, com alta de 0,89%.

Fique ligado!

2 comentários:

  1. Mosca qual papel do ouro nas corretoras para fins de negociação?

    ResponderExcluir
  2. Aqui está o Sr. Benjamin, detalhes de contato do email, lfdsloans@outlook.com. / Ou Whatsapp +1 989-394-3740 que me ajudou com um empréstimo de 90.000,00 Euros para iniciar meu negócio e estou muito agradecido, foi muito difícil para mim aqui tentar abrir caminho como mãe solteira, as coisas não têm sido É fácil comigo, mas com a ajuda do senhor Benjamin, colocar um sorriso no meu rosto enquanto vejo meus negócios se fortalecerem e se expandirem também. para obter ajuda financeira ou passar por dificuldades com os negócios ou desejar iniciar um projeto de negócios, pode cuidar disso e ter a esperança de sair das dificuldades. Obrigado.

    ResponderExcluir