Inflação: A Revanche

17 de agosto de 2015

Cadê os jovens!

Ontem resolvi me juntar aos milhares de paulistanos, vesti minha camisa da seleção e fui a Avenida Paulista. Não que eu esperasse muito desta manifestação, como acabou apontando uma menor aderência que as anteriores, mas mesmo assim, tinha muita gente! Tive a mesma impressão que se tem quando se caminha rumo ao estádio numa partida de futebol. Lentamente as pessoas se locomoviam em direção ao Masp. A cada intervalo havia um carro de som, com protestantes gritando palavras contra o PT e o governo. Aqui, muito diferente de uma partida de futebol, faltou emoção.

Mas o que mais chamou minha atenção foi a idade média dos protestantes, eu calculo ao redor de 40 anos. Eu me perguntei: Cadê os jovens? Muito poucos. Fiquei especulando qual o motivo para não estarem ali: Não acham o assunto importante? Não concordam com a manifestação? O Brasil é assim mesmo e não vai mudar? Tem coisas mais interessantes a fazer? Realmente não consigo entender a ausência desse grupo, pois se nós "velhos" estamos lá, é muito mais em seu benefício que do nosso. Agora uma coisa é certa, sem a sua adesão, qualquer manifestação não passa de um mero encontro social!

Na Ásia, especificamente na China, o Yuan ficou bem comportado nesta segunda-feira, não se tornando necessário anexar seu gráfico. Sua cotação, pelo segundo dia, ficou ao redor de 6,40. A grande dúvida que está surgindo em Wall Street, é qual será a reação do FED a esses movimentos, bem como a queda ininterrupta das commodities, onde em especial o petróleo vem diariamente atingindo novas mínimas.

O gráfico acima é do índice CRB, que é uma média ponderada de várias commodities. Somente neste ano a queda aproxima-se de 40% e tecnicamente encontra-se numa conjectura muito importante, pois como a linha em verde aponta, está prestes a romper um ponto que sugere mais quedas.

Sobre a China, o gráfico abaixo dá uma dimensão da defasagem que ocorreu na moeda chinesa, comparada a uma cesta de moedas de países emergentes, nestes três últimos anos. Uma boca de jacaré!

E o euro como está? Ainda sem muita definição! No post futuro-muito-incerto, fiz os seguintes comentários: ...Notem que desde de março o euro busca um rumo. Depois de tentar romper para baixo até o final de abril, daí em diante, negociou a maior parte tentando romper para cima. E agora encontra-se exatamente no meio do intervalo maior de 1,045 - 1,145. " arriba ou abajo", continuam a ser as opções para a moeda única, que continua pregando peça nos operadores, merecendo o apelido de traiçoeira...
Parece que estar com dificuldades de romper a linha azul. Nos últimos dias, atingiu a cotação de 1,1212 e depois recuou para 1,1070 (hoje).
Ainda acredito que o cenário "arriba" é o mais provável, assim vou propor um trade de curto prazo, comprar 1/3 da posição a 1,0990, 1/3 a 1,0950, e o restante 1/3 a 1,0920, com um stop  1,08. A aposta é que o euro estaria terminado a formação de um triângulo.

O SP500 fechou a 2.102, com alta de 0,52%; o USDBRL a R$ 3,4837, sem alteração; o EURUSD a 1,1077, com queda de 0,26%; e o ouro a US$ 1.117, com alta de 0,34%.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário