Inflação: A Revanche

11 de agosto de 2015

Jogando a Toalha

Nos meus últimos posts o assunto foi China, desde a oscilação nas cotações da bolsa de valores, a estabilidade do Yuan frente ao dólar, a enorme venda de seu estoque de títulos americanos (US$ 180 bilhões) para manter a cotação de sua moeda, e ontem as preocupações sobre a real situação da economia naquele país. Parece que o governo está lendo o Mosca e resolveu agir, levando o Yuan a se desvalorizar 1,86% num único dia. Outra mudança importante é que o governo está mantendo a banda de oscilação diária em +/- 2%, porém o ponto de partida para fixar o meio da banda no dia seguinte, é o fechamento do dia anterior.

Para bom entendedor meia palavra basta, o câmbio agora naquele país é flutuante, com uma oscilação máxima de 2% num mesmo dia. Quais são os potenciais efeitos?

1 - Outras moedas Asiáticas vão começar a se desvalorizar perante ao dólar - o que alguns referem-se como "guerra cambial". Título criado pelo ex- Ministro Mantega, mas de direção exatamente inversa, uma vez que naquele momento era o dólar que se desvalorizava perante as outras moedas. Mais uma contra mão hein Mantega!
2 - A renovada força do dólar irá criar pressão sobre as exportações americanas, que já estão sofrendo atualmente.
3 - Novas pressões deflacionárias serão sentidas nos USA, pois os produtos tendem a ficar mais baratos.
4 - Aumenta o incentivo para transferir plantas dos USA para outros países, uma vez que o seu custo tende a ficar mais barato. Assim, o crescimento de empregos pode diminuir.
5 - Os imóveis nos USA foram impulsionados por compradores estrangeiros. Agora estas propriedades se tornaram mais caras para um Chinês.
6 - É positivo para economia chinesa, uma vez que, beneficia os exportadores daquele país - em detrimento de seus concorrentes. É uma forma de estímulo sem reduzir os juros.

Alguns movimentos nos mercados já foram sentidos. As moedas Asiáticas tiveram quedas contra o dólar, como o dólar coreano.
Já nos USA as bolsas tiveram ligeira queda nos mercados futuros, assim como os juros caíram, o que melhor poderá ser avaliado, durante o dia. Será que esse movimento poderá influenciar para que o FED não suba os juros? Uma coisa parece certa, a moeda chinesa está começando um ciclo de ajuste, e não deve para por aí.

Surgiu uma situação interessante no mercado de ouro, no post no-escuro, fiz os seguintes comentários: ...O gráfico acima abaixo destaca um triângulo se formando e como vocês já sabem, nestas situações são esperadas novas quedas. Usando os parâmetros de Elliot Wave, US$ 1.050 seria um dos objetivos. O que não se pode saber de antemão, é se irá respeitar esse nível, ou continuará caindo. Em situações tão delicadas, onde suas ideias de longo prazo podem estar em cheque, o melhor é ficar observando e não procurar acertar o bumbum da mosca. Não vale arriscar nem um centavo!
Porém não foi o que acabou acontecendo, o ouro subiu ontem e hoje. Por isso, devemos abandonar a análise técnica? De jeito nenhum, o que diz a teoria é que, quando um triângulo se forma existe uma probabilidade de 67% que haja um rompimento no mesmo sentido do movimento anterior, que nesse caso, seria para baixo. Porém, existe também, uma chance de 33% de romper para cima, e foi o que aconteceu nesse caso. Assim, se você quer ser mais cauteloso, pode operar depois do rompimento.


- David, será que finalmente o ouro vai subir, como você está esperando há muito tempo?
Calma, este foi um primeiro movimento, são necessárias mais algumas vitórias, pois não se pode eliminar ainda novas quedas. Então vamos lá, primeira área de interesse seria o intervalo entre US$ 1.128 - US$ 1.140. Se ultrapassar, começo a ficar mais animado, mas é necessário romper US$ 1.170, para o ânimo se elevar. Vamos acompanhar e observar como o metal evolui. Ah, antes que eu me esqueça, se não conseguir romper o primeiro intervalo, poderá cair rumo aos US$ 1.050.

O SP500 fechou a 2.084, com queda de 0,96%; o USDBRL a R$ 3,4744, com alta de 1,17%; o EURUSD a 1,1040, com alta de 0,22%; e o ouro a US$ 1.108, com alta de 0,36%.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário