2018: Vestibular Político

31 de agosto de 2017

Desafiando o livro texto


Por mais que a curva de Phillips tão comentada recentemente não esteja funcionando - “Segundo esta teoria, desenvolvida pelo economista neozelandês William Phillips, uma menor taxa de desemprego leva a um aumento da inflação, e uma maior taxa de desemprego a uma menor inflação” – e se os dados econômicos continuarem dispares, o FED terá um enorme dilema dentro em breve.

Como de costume, nesta sexta-feira será anunciada a taxa de desemprego nos EUA. Embora os dados publicados pelo ADP não tenham se mostrado um bom indicador do dado oficial, não custa observar. O resultado publicado ontem apontou a criação de 236,6 mil empregos. Se os dados de emprego anunciados amanhã confirmarem esse patamar, não restara dúvida que o mercado de trabalho está caminhando para um nível perigoso de aquecimento, e pela teoria conhecida, é um indicador de alta da inflação futura.


Para completar nesse front, altista de juros, o PIB americano do 2º trimestre foi republicado com alterações em relação a primeira publicação. O resultado foi ótimo, a economia cresceu a uma taxa de 3% a.a., muito acima de qualquer previsão dos economistas. Como se pode verificar na figura abaixo, nenhum subitem sofreu retração sendo o consumo o grande responsável desse desempenho, como seria o esperado.


A projeção do modelo usado pelo FED de Atlanta, aponta para o trimestre em curso, um resultado também bastante interessante de PIB, acima de 3%. Naturalmente, em função das graves consequências do Furacão Harvey, o PIB será afetado negativamente. Por outro lado, nos trimestres seguintes, uma demanda adicional de reconstrução terá um impacto positivo. Até o momento não existe nenhuma estimativa desses efeitos.


Agora vamos observar o que ocorreu com a inflação. Incialmente os salários ao invés de mostrarem uma evolução positiva vem retorcendo, depois de terem subido, em bases anuais, no final de 2016. O gráfico a seguir ainda apresenta outra característica preocupante, com uma tendência de queda no longo prazo, ou na melhor das hipóteses de estabilidade. Não se pode desconsiderar o fato da taxa de desemprego, após de ter atingindo o pico na crise de 2008, vem retorcendo constantemente, o que deveria ter um impacto inverso nos salários.


A inflação expressa pelo CPI core – sem considerar combustíveis e alimentos – medida em bases semestrais anualizada, está abaixo de 1%. Se o item moradia for excluído, o resultado leva a uma deflação, como se pode notar a seguir.



Com estes dados inconsistentes do ponto de vista econômico, o FED terá a difícil missão de adotar um caminho nos próximos meses: ou subir os juros admitindo que em algum momento a inflação vai responder ao que se espera na teoria econômica; ou postergar essa decisão levando em consideração uma força deflacionaria com efeito nos preços oriunda da revolução digital.  No primeiro caso poderá induzir uma recessão mais adiante e ter que baixar os juros, e no segundo caso, ser surpreendido por uma onda inflacionaria tendo que subir os juros mais rapidamente.

Não sei qual caminho será adotado, mas se tivesse que apostar optaria pelo primeiro. O motivo é que os membros são de forte formação acadêmica sendo levado por suas crenças. Em todo caso, admito que é uma decisão dificilíssima!

No post bitcoin-mania, fiz os seguintes comentários sobre o SP500: ...”   Acredito que uma correção está em curso, o que eu não sei se é uma pequena, média ou grande. Tudo incida que será uma pequena, entre 5% – 7,5%, no máximo 10%. Em função disso, vou sugerir um trade de venda do SP500 a 2.465, com stoploss a 2. 495” ...


Depois de ter ameaçado romper o nível de 2.400, e isso foi antes do lançamento do míssil pela Coreia do Norte, o SP500 se encontra no nosso nível de venda, ao redor de 2.470. Como mencionei acima, naquele momento estava em dúvida qual a extensão da correção. Passados alguns dias, minha convicção agora é que será pequena, meu target é 2.370 ou na melhor das hipóteses 2.300. 


O que eu não disse a vocês é que não será numa linha reta, essa queda se houver, será lenta e cheia de percalços. Notem que, como anotei no gráfico, minha expectativa mais a frente é de alta, ou seja, estamos buscando um retorno numa queda contra a tendência. Nessas ocasiões, que considero bem especulativas, o mercado pode retornar ao movimento original sem se prender ao nível estatístico esperado.

A nível ilustrativo, uma outra forma de se posicionar nesses momentos seria simplesmente aguardar a correção sem posição, e caso não aconteça, entrar no mercado quando do rompimento, que neste caso, seria acima de 2.490. Essa é uma forma mais prudente, ficando inclusive fora de um eventual sentimento de frustração caso o trade acima se mostre negativo. Por essa e outras razões a aposta nestes casos têm que ser pequena, e sem paixão.

O SP500 fechou a 2.471, com alta de 0,57%; o USDBRL a R$ 3,1494, com queda de 0,32%; o EURUSD a € 1,1905 com alta de 0,20%; e o ouro a U$ 1.321, com alta de 1,01%.

Fique ligado!   

Nenhum comentário:

Postar um comentário