2018: Vestibular Político

29 de agosto de 2017

Jogo arriscado


Hoje fomos surpreendidos com uma nova ação por parte da Coréia do Norte a lançar um míssil balístico cruzando os céus do Japão. A reação do primeiro-ministro japonês foi imediata “ essa ação chocante ao lançar um míssil sobre nosso país é algo improcedente, grave e uma ameaça séria que causa danos a paz e segurança da região”. Já o Presidente Trump, que recentemente trocou farpas com Kim Jong Un, disse que a Coréia do Norte desprezou seus vizinhos e que todas as opções estão na mesa.

Refleti quais poderiam ser os objetivos da Coréia do Norte. A primeira hipótese, e de difícil julgamento, é que o cara é louco e toma medidas inconsequentes, se esse for o caso poderemos ter um cenário imprevisível daqui em diante; o segundo, e mais maquiavélico, é que essas ações estariam sendo coordenadas em conjunto com a China.

Todos sabemos da dependência desse país com a China, com as restrições impostas pelo mundo Ocidental, a Coréia depende dos chineses para tudo, desde alimentos, bens de consumo, e armamentos. Fica muito difícil imaginar alguma ação sem que os chineses aprovem, pois basta fechar a torneira que a Coréia para rapidamente.

Vocês devem lembrar que algumas semanas atrás, a China deu um chega para lá nos dois países: aos norte coreanos, se houvesse qualquer ataque as instalações dos Ocidentais, a China lava as mãos, e para os EUA, a de que nem pensem em atacar a Coreia do Norte pois isso significa comprar briga com eles.

Agora vamos nos recordar as declarações de Trump antes de tomar posse e mesmo no início de seu mandato. Naquele momento fez várias ameaças aos chineses no campo comercial, além de acusá-los de comportamento injusto. Os chineses ficaram quietos, porém não é de seu estilo não reagir a ameaças. Talvez esta é a hora de eles darem o troco colocando os EUA numa situação delicada. As ações tomadas pela Coreia do Norte não justificam um ataque americano, pois até o momento, o “doidinho” só está mostrando suas forças. Por outro lado, a cada evento como o de hoje, as palavras de Trump ficam cada vez menos temerosas, cão que muito late não morde, já diz a expressão popular.

Essa situação se assemelha aquela quando criança, um colega pequeninho invocava com todos os grandões. Ninguém fazia nada, pois tinha um irmão mais velho que intercederia caso alguém lhe tocasse a mão. Não me parece razoável que a Coreia do Norte estaria peitando os EUA sem ter o aval da China.

Se minha leitura estiver correta, outras ocasiões como essa acontecerão e cada vez mais a posição de Trump ficará mais fraca. O risco é alguém perder a paciência. A China tem que calcular bem os momentos de usar essa tática. Ao mesmo tempo dizer aos americanos que conseguem segurar o “doidinho”. Agora se Kim Jon Un gostar da brincadeira, e achar que dá para enfrentar os americanos, o risco de um envolvimento militar aumenta. Esse é um jogo arriscado que a China estaria bancando.

A queda dos preços dos alimentos tem impactado os índices de inflação no Brasil. Afora esse lado positivo, um dos fatores que contribuíram foi a queda dos preços agrícolas nos mercados internacionais. Isso terá um impacto negativo na balança comercial do próximo ano. A título de exemplo, veja a queda expressiva no preço do trigo, que num pequeno espaço de tempo, caiu quase 30%.


A Amazon anunciou recentemente a compra da cadeia de lojas de alimentos Whole Foods Market. Ao tomar posse dos negócios dessa empresa, anunciou essa semana que, iria cortar os preços dos alimentos vendidos nessa cadeia. Vejam o que aconteceu com as ações de seus concorrentes após o anuncio.



No post Selic-6% é uma-miragem?, fiz os seguintes comentários sobre o ouro: ... “Permaneço com as seguintes hipóteses:

1.       Sobe um pouco mais não atinge U$ 1.300 – provavelmente vou comprar na próxima correção.
2.       Sobe e ultrapassa U$ 1.300 – compro no rompimento.
3.       Não aguenta e retrocede, onde o dia de hoje seria considerado como um false break -  voltamos à estaca zero” ...

... A opção 2 caminha para se concretizar e por essa razão vou deixar um trade condicional. Comprar ouro a U$ 1.305, desde que, feche nesse preço ou acima, nessa situação o stoploss ficará em U$ 1.270” .... Ontem essa opção acabou se concretizando desencadeando o trade de compra.


Fica mantido o stoploss acima, e o objetivo passa a ser de U$ 1.380 anotado no gráfico. A história do míssil disparado pela Coréia fez as cotações atingir U$ 1.325, pela manhã. Mas independentemente deste fato, o ouro já tinha rompido a barreira ontem de U$ 1.305 abrindo as portas para novas altas. O noticiário enfatizará que o desencadeamento da alta foi por conta do “doidinho”, mas vocês que já estão escolados é sabem que sempre é preciso uma razão. Pensamento do Nietzsche mais uma vez comprovado!

O SP500 fechou a 2.446, sem variação; o USDBRL a R$ 3,1644, sem variação; o EURUSD a 1,1963, com queda de 0,11%; e o ouro a U$ 1.308, sem variação.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário