2020: O risco vai compensar?

16 de agosto de 2019

Ao invés de cara ou coroa



Hoje o assunto é sobre a probabilidade de ocorrer uma recessão nos EUA. Esses eventos ocorrem de tempos e tempos e na maioria das vezes, no passado, existiram 3 fatores que ocasionaram a recessão: juros elevados, choque de petróleo ou uma crise de crédito. Nenhum desses três aparece nesse momento.

É sabido que não existe nenhum modelo que permite antever uma recessão, nem mesmo os economistas são bons nesse quesito. Normalmente quem acerta é mais por sorte do que por qualquer outro motivo, pois esse passa a ser seu único acerto, ou seja, as outras recessões são prognosticadas por outros profissionais.

Por que o mercado está tão preocupado? Existem alguns indicadores que se mostraram correlatos em outras recessões e estão aparecendo agora. O mais acurado acontece quando o diferencial de juros entre os títulos de 10 anos versus o de 2 anos se tornam negativos, o que o mercado denomina de curva invertida.

Como investidor, essa questão é de extrema importância. É precisamente nesses momentos em que as fortunas podem ser feitas ou perdidas. Não há escassez de especialistas com opiniões fortes nos campos afirmativos e negativos armados com narrativas plausíveis e conjuntos de dados de apoio. Como decidir qual lado tomar?

Previsões estão sujeitas a erros pois ninguém pode adivinhar o futuro, as bem elaboradas compartilham quatro características:

- São probabilísticos
- Começam com uma taxa básica formada por uma “visão externa”
- São ajustados usando os detalhes da "visão interna"
- São atualizados com a frequência exigida pelos fatos recebidos, independentemente de quão pequenos sejam os incrementos.

Pense de forma probabilística

Os melhores previsores fizeram previsões de maneira probabilística. Em outras palavras, os resultados não eram binários, ou seja, algo ocorreria ou não ocorreria. Em vez disso, os melhores previdentes atribuíram uma probabilidade a sua previsão. Por exemplo, eles atribuem uma chance de 30% aos EUA entrarem em uma recessão em vez de dizer que é improvável. Essa precisão é importante.
Estabeleça uma taxa básica formada por uma “visão externa”

Antes de fazer uma previsão, os melhores previdentes primeiro estabeleceram uma taxa básica informada por uma “visão externa”. Uma taxa básica é meramente uma probabilidade inicial. Mais tarde será ajustado. Uma visão externa, como foi introduzida em seu livro Thinking, Fast and Slow, de Daniel Kahneman, é uma perspectiva que procura por situações historicamente análogas de orientação.

Para estabelecer uma taxa básica usando uma visão externa, devemos primeiro examinar recessões e períodos anteriores em que as condições econômicas eram semelhantes. Quantas vezes as condições se deterioraram em recessões? Quais eventos tendiam a precedê-los? Isso deve nos dar ponto de partida.

Ajustar usando a “visão interna”

Depois de estabelecer uma taxa básica usando uma visão externa, os melhores previdentes ajustaram-na, adotando uma visão interna - outro conceito de Kahneman. Uma visão interna é uma perspectiva que considera apenas a situação em questão. Ignora precedentes históricos e procura induzir um resultado usando apenas os fatos atuais. De certo modo, toda situação é tratada como única.

Assim, eles consideraram tanto o contexto histórico quanto as características idiossincráticas para informar suas previsões, por exemplo, ajustaria sua taxa básica de recessão de 30% para cima ou para baixo com base nas condições econômicas e de mercado atuais. Pode ser aumentado devido à perspectiva de uma guerra comercial; pode ser reduzido com base em dados de emprego fortes.

Atualizado com frequência

Por fim, eles frequentemente ajustavam suas previsões. Constantemente atualizavam suas probabilidades, mesmo em incrementos que pareciam insignificantes, se justificados por novas informações. Embora isso possa parecer banal, é um componente essencial da precisão. Assim, as previsões podem ser alteradas com cada tweet presidencial.

Armado com um método de previsão melhorado, o mesmo foi usado à questão atual da recessão. O processo usado foram as duas das métricas mais debatidas: o PMI (Institute of Purchasing Manager Index) e a curva de juros do Tesouro Americano (YC), definida pelo bônus de 10 anos do Tesouro americano menos a taxa dos Fed funds.
Foram compilados dados mensais até julho de 2019. Em seguida, foi analisado a frequência de retornos mensais negativos para o índice SP 500, após um limite específico ter sido violado. Para o PMI, foi usado a última leitura de 51.2. Para (YC), os períodos de inversão (ou seja, quando a diferença era zero e abaixo). Depois que esses meses foram identificados, calculou-se o retorno do SP500 nos próximos 1 mês, 3 meses, 6 meses, 12 meses e 24 meses.

Observem que foi analisado os retornos da bolsa e não se ocorreu ou não uma recessão. Como investidor, a única preocupação é se os preços dos ativos sobem ou descem, e não as recessões como tais. Acontece que as recessões e os preços das ações em queda coincidem; mas são os valores com os quais nos preocupamos, não as recessões.

Para não alongar os resultados individuais de cada conjunto de PMI e (YC), vamos analisar o dado combinado, ou seja, quando o PMI é inferior a 51.2 e o (YC) negativo.

É uma ocorrência rara para os juros inverter quando o PMI for 51,2 ou inferior. Isso aconteceu em apenas 65 meses dos últimos 780, ou 8% do tempo. Os retornos do SP500 foram negativos em 28% a 55% do tempo, dependendo do período de tempo, com 3 meses exibindo a frequência mais alta. Poderíamos usar uma taxa básica de 46% para um horizonte temporal de 6 meses. Enquanto as perdas foram menos frequentes usando este sinal duplo do que a (YC) sozinha, elas também foram mais severas. As quedas médias variaram de 4,3% a 31,4%.


Calibrando os resultados

Essa análise proporciona duas vantagens. Primeiro, elimina a adivinhação binária na tentativa de prever uma recessão. Não é necessário fazer uma indicação definitiva sobre se os retornos provavelmente serão maiores ou menores nas condições atuais; pode-se ter uma abordagem mais sutil e probabilística. Em segundo lugar, é possível estabelecer uma taxa básica inicial baseada em dados históricos.

De acordo com as melhores práticas apontadas no início desse post, estas são apenas as duas primeiras etapas na criação de uma previsão robusta. A taxa básica requer ajustes considerando uma visão interna dos cenários econômicos e de mercado atuais. Ele também deve ser atualizado à medida que novas informações se materializam.

As condições examinadas (um PMI menor ou igual a 51,2 e uma curva invertida) foram acionadas recentemente. A história sugere que estamos em uma posição séria. No passado, os retornos da SP500 eram negativos quase a metade do tempo nos próximos 3 a 12 meses. Para ter certeza, usar apenas dois sinais não é um processo exaustivo. No entanto, é um bom primeiro passo para ajudar a calibrar os instintos pessimistas.

Fica ao leitor, aplicar sua própria visão interna dos mercados a essa taxa básica. Em última análise, devemos determinar em que medida "é diferente desta vez". Embora a previsão seja uma adivinhação por definição, esses passos fornecem uma estrutura útil para aplicar a todas as situações de investimento.

O momento merece bastante atenção, pois segundo esses dois critérios, somente em 8% dos meses ele ocorreu, como agora. A probabilidade de um retorno negativo é levemente superior e sua extensão é significativa da ordem de 30% num período mais longo. Por outro lado, a chance de um retorno positivo não é desprezível e sua magnitude não difere muito da negativa. Em outras palavras, uma parte da queda já está embutida nos preços, e caso não ocorra a recessão, acontece uma recuperação.

Em relação a minha “visão interna” teria duas observações a fazer: em relação ao PMI enfatizo a diminuição de sua importância, haja visto que, a maioria das fábricas não se encontram mais nos EUA, talvez fosse mais útil usar o PMI de serviços, e em relação aos juros não se pode saber qual é o efeito que, a maioria das economias desenvolvidas terem juros negativos atualmente. É possível que isso force estes investidores a buscar alternativas com juro positivo, o que é o caso dos EUA, forçando as taxas para baixo de forma “artificial”.

No post quando-principal-falha, fiz os seguintes comentários sobre os juros de 10 anos: ... “Meus novos cálculos apontam para dois objetivos inicias, o primeiro em 1,73% e o segundo 1,65%. Em atingindo algum desses pontos, eu ficaria na observação de uma reversão. Caso isso não aconteça, o próximo nível seria nas mínimas históricas em 1,32%” ... O primeiro intervalo nem fez cocega estando ameaçado agora o nível de 1,35%. O gráfico a seguir, com janela diária, aponta os pontos onde se deve observar a possibilidade de uma reversão.


Quero aproveitar para frisar a importância desses níveis para o longo prazo. No post acima frisei: ... “Se o nível de 1,35% não for rompido, é possível uma análise não tão desastrosa para o futuro, porém se romper, níveis inferiores ficam expostos (vejam gráfico abaixo) ” ...


O nível está se aproximando próximo da barra inferior cinza, onde um rompimento abre (escancara) a porta para novas quedas. O assunto de hoje coloca um contexto a essa possibilidade, pois provavelmente, se os juros americanos caírem abaixo de um nível razoável, é porque algo de ruim estaria por acontecer. Não consigo imaginar que o juro de 10 anos esteja a 1%, por exemplo, e a taxa de desemprego não suba, bem como o PIB apresente resultados próximos de zero. Nem um caso, nem o outro, é ainda visível nas informações publicadas. Em relação ao PIB, o ultimo GDPnow, publicado pelo Fed de Atlanta, aponta para um nível superior a 2% no 3º trimestre, que pode ser considerado bastante satisfatório.


Uma conclusão que se pode tirar da situação atual é que, ou a bolsa está cara ou os juros caíram muito, sendo que, esse último pode estar sendo influenciado pelo movimento dos outros países. Façam suas apostas!

O SP500 fechou a 2.888, com alta de 1,44%; o USDBRL a R$ 4,0020, com alta de 0,28%; o EURUSD a 1,1090, com queda de 0,14%; e o ouro a U$ 1.513, com queda de 0,64%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário