2020: O risco vai compensar?

20 de agosto de 2019

O desconhecido conhecido



Muitos investidores continuam preocupado com as maluquices do Presidente Trump. Com uma agenda indefinida com a China é natural se questionar qual seria o impacto nos ativos caso seja implementada as elevações de tarifas. Mas será que o mercado está encarando dessa forma?

Um estudo realizado pela Gavekal sugere que a cada nova medida tomada tem seu impacto reduzido. Depois que os EUA impuseram sua primeira grande rodada de tarifas sobre bens chineses em setembro, o SP 500 caiu 20%. Após a entrada a segunda rodada em maio de 2019, o SP 500 caiu 6,8%. E desde 1º de agosto, quando Trump anunciou a terceira rodada, o SP 500 declinou 6,1%. Em suma, parece que a cada escalada sucessiva no comércio EUA-China. a guerra está tendo um impacto menor no mercado de ações dos EUA. E como o gráfico mostra a seguir, isso se aplica não apenas ao mercado acionário, mas também ao índice VIX, uma proxy para medir a volatilidade das ações, e na dispersão dos setores no SP 500.


Dado que esta resposta do mercado é cada vez mais otimista, e em desacordo com o pânico de comentários econômicos muito recentes, vale a pena perguntar por que os investidores parecem considerar o pior cenário. Existem três explicações possíveis, nenhuma delas eles mutuamente excludentes.

·         O mercado aceita que não há fim à vista para o aprofundamento da guerra fria econômica EUA-China. As tensões devem continuar indefinidamente, um resultado inevitável da crescente rivalidade entre duas potências econômicas com fundamentalmente sistemas políticos incompatíveis. Como resultado, os investidores em ações dos EUA, já precificados em um ambiente de incerteza de longo prazo, explica a diminuição das reações a sucessivas rodadas de tarifas. Os choques foram amplamente antecipados.

Até certo ponto, isso não deveria ser surpreendente. Há muitas evidências que as empresas começaram a se adaptar a este novo ambiente de economia incerta através da diversificação da produção fora da China (e dos EUA). Mesmo que esse ajuste leve tempo agora, as empresas mais afetadas têm planos de contingência para mitigar o impacto de qualquer nova escalada na guerra tarifária.

·         O Federal Reserve se tornou mais disposto a afrouxar sua política para combater a resistência econômica das incertezas da guerra comercial. Desde o final do ano passado, as comunicações do Fed e suas ações tornaram-se cada vez mais brandas, já que passou de uma abordagem de esperar para ver, e começar a reduzir as taxas de juros, além de acabar com o aperto quantitativo, citando incertezas e expectativas de inflação fracas. Isso faz sentido. Desde setembro de 2018, a taxa de inflação de equilíbrio de 10 anos dos EUA caiu de 2,15% para apenas 1,54%, o menor em três anos. Este declínio nas expectativas de inflação aumentaram tanto a urgência quanto a margem de cortes destinados a alcançar a meta de inflação de 2% do Fed.

Seis semanas atrás, a combinação de uma perspectiva de crescimento dos EUA relativamente benigna e pressões inflacionárias latentes sugeriram que o Fed teria abordagem de reduzir apenas uma vez. Agora, após a mais recente escalada da guerra comercial e o consequente declínio nas expectativas de inflação, a probabilidade de "um pouco mais" aumentou. Mesmo assim, com o crescimento econômico dos EUA ainda relativamente saudável, e o mercado ainda apertado, o Fed continua improvável a embarcar num ciclo prolongado cortes de taxa.

·         Os investidores consideram o mercado acionário dos EUA como um refúgio seguro. Considerando a contribuição relativamente pequena do comércio internacional para o crescimento econômico, e a margem relativamente grande do Fed para afrouxar a política, o mercado acionário dos EUA é considerado menos vulnerável do que outros mercados acionários internacionais, a novas deteriorações nas relações comerciais EUA-China. Como resultado, quanto mais a guerra comercial aumenta, é provável que mais capital flua para os mercados dos EUA, amortecendo a desvantagem para as ações americanas. Esta preferência pelos mercados dos EUA como porto seguro na tempestade, responde em parte pela força atual do dólar dos EUA.

Além disso, a atratividade relativa do dólar e dos ativos norte-americanos poderia tornar-se ainda mais pronunciada se a administração dos EUA seguir através de suas ameaças de impor tarifas adicionais aos produtos chineses. Isso porque as autoridades chinesas sinalizaram sua disposição de permitir uma depreciação do renminbi impulsionada pelo mercado para compensar o impacto de novos aumentos tarifários. Tal depreciação seria negativa para as economias e moedas dos países, nomeadamente na Europa e nos mercados emergentes, que são relativamente dependentes da demanda chinesa.

O resultado líquido de tudo isso é que os investidores devem considerar tratar quaisquer outras alienações tarifárias induzidas, no mercado acionário dos EUA, como oportunidades de compra. Com a guerra tarifária agora com um ano de idade, os investidores estão cada vez mais, tratando a perspectiva de agravamento das tensões comerciais não como um desconhecido, desconhecido, mas como um desconhecido conhecido. Como resultado, o impacto negativo no mercado de choques sucessivos está ficando progressivamente menor e mais curto.

No post ruim-com-pior-sem, fiz os seguintes comentários sobre o Ibovespa: ... “preferi traçar os limites que considero importantes nesse curto prazo. A linha inferior amarela (98.000) é onde existe a sugestão de trade proposta pelo Mosca. Mas é possível que a correção já tenha terminado, ou ainda, poderá ter uma configuração diferente da imaginada” ...

As cotações foram com precisão Suíça no nível apontado pelo Mosca. Para quem não conhece análise técnica, os níveis que eu coloco podem parecer mágicos, como poderia alguém ter tamanha precisão? O cara é um guru! Mas para quem conhece sabe que esses níveis são corriqueiros e dentro do que é esperado na teoria de Elliot Wave, não gasto mais de 1 minuto para estabelecer. Lógico que não é tão simples antes de se chegar a esses números, pois é necessário assumir uma hipótese de movimento, e aí que poderá ocorrer os erros, depois disso é moleza.

Para o trade em questão, estabeleci o nível de 96.000 como stoploss, o motivo pode ser visto no gráfico com janela semanal abaixo.


- David, não entendi sua observação, se cair abaixo de 96.000 está tudo perdido?
Não estaria tudo perdido, apenas quero evitar de ter posições abaixo desse nível. Como coloquei no gráfico “ eu não gostaria”. Mas se isso acontecer, noto alguns pontos como “desmotivadores” da alta. O primeiro é 95.000, fica ruim; depois 93.000, fica pior; e por último abaixo de 90.000, aís sim ficaria péssimo.

Amanhã comento sobre o SP500, e o que acontecer com a bolsa americana pode ter impacto por aqui.

O SP500 fechou a 2.900, com queda de 0,79%; o USDBRL a R$ 4,0473, com queda de 0,66%; o EURUSD a 1,1099, com alta de 0,20%; e o ouro a U$ 1.507, com alta de 0,82%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário