2020: O risco vai compensar?

14 de novembro de 2019

A chave mestra



A economia americana é a única dos países desenvolvidos que ainda cresce. Se depender da Europa ou Japão estamos ferrados. Até pouco tempo, a China também contribuía marginalmente, haja visto que, o consumo interno não é elevado. Na composição do PIB americano 70% corresponde a seus consumidores. O gráfico a seguir fornece uma boa dimensão.


Uma tendência que se observa com destaque no consumidor americano e sua propensão a assumir dívidas, de tal forma que permite manter seus gastos. Contanto que eles tenham um salário, reembolso de imposto, cartão de crédito irão gastar. Esta é a razão que a dívida do consumidor não para de crescer.


A diferença entre o "padrão de vida" e a renda real disponível é mostrada abaixo. A partir de 1990, somente a renda não era mais capaz de atender ao padrão de vida, de modo que os consumidores se endividaram para preencher a "lacuna". No entanto, após a "crise financeira", mesmo os níveis combinados de renda e dívida deixaram de preencher a lacuna. Atualmente, há quase um déficit anual de US $ 2.654 que não pode ser preenchido. ”


Quando se mede a evolução do SP500 em relação aos salários, se nota uma dissociação no movimento, onde os salários e juros permanecem baixos. No segundo gráfico a seguir, está a explicação, o crescimento do crédito.


Os consumidores estão atualmente mantendo a economia fora da recessão? Sim. Será que vai continuar assim?

A confiança do CEO está nos dizendo é que, provavelmente estamos chegando ao fim deste ciclo atual. Como os empregadores demoram a contratar e demoram a dispensar, a atual desaceleração na contratação é uma indicação antecipada de que o fim do ciclo está se aproximando.


Quando as perdas de empregos começam a acelerar, a confiança cairá muito rapidamente, assim como os gastos do consumidor e os mercados. Sendo assim, devemos ficar muito atentos com o que acontece com o emprego nos EUA, a chave mestra para a continuidade do crescimento mundial

No post sinal-de-vida, fiz os seguintes comentários sobre o SP500: ... “No curto prazo, o nível de 3.125 parece ser um ponto onde o SP500 pode entrar numa correção. Enquanto estiver contido entre as duas retas paralelas, o nível projetado parece factível” ... ... “A não ser que haja uma explosão de preços fazendo com que o SP500 acelere sua alta acima dessas retas, o movimento se mantem confinado entre elas” ...

Por enquanto, o SP500 está confinado entre as duas retas, não ocorrendo a eventual explosão que comentei, pode até ser que ainda aconteça. Acredito que em algum momento deve ocorrer uma correção, das pequenas, mas quem sabe! Desta forma, resolvi apertar o stoploss para 3.070, e aguardar o que ocorre primeiro: ou o nível de 3.125 ou nosso stoploss. Em todo caso, o resultado será, 1% para cima ou para baixo.

O SP500 fechou a 3.096, sem alteração; o USDBRL a R$ 4,1939, com alta de 0,57%; o EURUSD a € 1,1018, com alta de 0,12%; e o ouro a U$ 1.470, com alta de 0,54%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário