2020: O risco vai compensar?

13 de novembro de 2019

Dúvidas da nova geração



Não sei se é um caso corriqueiro ou se realmente é muito diferente desta vez. Quando éramos jovens não compreendíamos nossos pais, frequentemente, quando ocorria uma discordância de opinião, éramos levados a responder “vocês não entendem são de outra geração”. Como todo jovem, não pensávamos qual era o argumento deles, uma vez que, era o nosso que estava certo.

Agora em situação inversa, nos deparamos com nossos filhos na geração denominada de Millennials, ou se você é mais jovem, a geração X. Eu estou no primeiro caso. Confesso que tenho muitas dúvidas de como será seu futuro e o que eles estarão pensando quando tiverem nossa idade.  Não que o embate entre a velha geração e a nova irá sucumbir, isso sempre vai existir, pois é através dela que o mundo evolui.

Resumindo: Eles estão tendo uma juventude melhor que a nossa? Tenho grandes dúvidas. Irão atingir a idade avançada com recursos suficientes para enfrentar a aposentadoria? Também, tenho grandes dúvidas. Um artigo publicado pela Bloomberg aborda este tema.

A geração millennials - geralmente definida como os nascidos na década de 1980 e na primeira metade da década de 90 - está chegando à meia-idade. Em menos de dois meses, o mais velho deste grupo completará 40 anos. A geração recentemente retratada como jovens rebeldes, que pretendem reformular a cultura americana, se tornará elegível para proteção sob a Lei de Discriminação de Idade no Emprego. Os mais jovens millennials terão 23 anos, o que significa que o campus das universidades serão quase inteiramente cedidos à próxima geração Z.


Mas a geração do millennials, cujos números superam os do baby boomers, não possui muitas das armadilhas de uma geração, que se aproxima da meia-idade. Como documentou o economista Gray Kimbrough, um grande número de pessoas entre os 20 e os 30 anos vive com os pais, enquanto que, correspondentemente, menos pessoas são donas de suas próprias casas. Eles também têm uma probabilidade significativamente menor de se casar, do que as gerações anteriores.


Essas tendências estão entre as razões pelas quais os millennials estão tendo menos filhos. E aqueles que o fazem estão tendo mais tarde.


Por que tantos millennials experimentaram falhas no casamento? Parte disso pode ser simplesmente o resultado da mudança de cultura; aplicativos de namoro e uma liberalização dos costumes sexuais, bem como a ascensão da vida de colegas de quarto, podem ter deixado alguns millennials relutantes em abandonar o estilo de vida urbano boêmio. Mas isso provavelmente não é um dos principais motivos. Pesquisas mostram que o número médio de crianças que as mulheres querem se manteve estável em cerca de 2,5 desde 1970, e pode até ter aumentado um pouco. Enquanto isso, o declínio do casamento é muito mais pronunciado entre os americanos menos instruídos e de baixa renda.


Em vez de cultura, os estilos de vida da geração Y são mais bem explicados pela educação e pela economia.

Nos dias dos sindicatos e da indústria, muitas vezes era possível conseguir um bom emprego na classe média com apenas o ensino médio. Esses dias se foram há muito tempo. Desde o início da década de 1970, os ganhos semanais para homens sem diploma universitário diminuíram, enquanto os para mulheres mal se moveram. Os únicos homens com ganhos crescentes são aqueles com educação pós-universitária. Isso implica que mesmo um diploma de bacharel não é mais suficiente para alcançar a classe média. Diplomas profissionais, mestrado e várias formas de certificação de pós-graduação estão se tornando a norma.

A crescente importância do ensino superior significa que um jovem que poderia começar uma carreira aos 22 anos, algumas décadas atrás, agora tem que esperar até os 30 anos. Isso significa que mesmo a geração do millennials começa a economizar dinheiro muito mais tarde, atrasando o dia em que poderá comprar uma casa.


Também pode significar que eles ganham menos dinheiro ao longo de suas carreiras. Tradicionalmente, os ganhos tendem a se estabilizar quando as pessoas atingem entre 30 e 40 anos. À medida que a educação aumenta, esse platô pode avançar um pouco, mas a pesquisa mostra que os trabalhadores mais velhos tendem a ser menos produtivos, em média; mais educação significa uma janela mais curta dos primeiros anos de trabalho e uma janela mais curta para acumular a riqueza necessária para criar os filhos.

Além disso, a geração teve que lutar contrafortes ventos econômicos. Uma porcentagem substancial se formou durante a Grande Recessão de 2008-9 ou nos anos de crescimento lento que se seguiram. Estudos mostram que se formar em recessão reduz os ganhos da vida. A bolha imobiliária, por sua vez, causou um golpe sem precedentes na riqueza das pessoas no meio da distribuição e abaixo:


E, além de tudo isso, a desigualdade aumentou substancialmente. Embora essa geração educada deva adiar a economia para casas e crianças, seus pares com menos escolaridade nem sempre conseguem começar.

Assim, para muitos jovens da geração Y, o estilo de vida da adolescência prolongada - vivendo com pais ou colegas de quarto, marcando encontros com o Tinder, iniciando relacionamentos e terminando de novo - provavelmente está começando a parecer menos uma festa interminável do que uma armadilha. Mesmo os regimes e dietas modernos de treino não podem adiar eternamente o dia em que a idade avançada chega, as articulações começam a ranger e a acuidade mental começa a diminuir.

Talvez não seja uma grande surpresa, portanto, que a geração do millenialls esteja se voltando para o socialismo, clamando por perdão da dívida dos estudantes e adotando candidatos à presidência que prometem esquemas ousados ​​de redistribuição de riqueza. Portanto, essa geração deve ser pensada não como jovens rebeldes infundidos, com o vigor do idealismo ingênuo, mas como adultos amargurados que caminham para a meia-idade antes que suas finanças estejam em ordem. Mais ao ponto, os millennials são muito parecidos com os boomers, que nunca tiveram a chance de crescer.

Observando sob minha ótica duvidosa: em relação a primeira, acredito que a minha geração foi mais saudável. Mesmo sem as facilidades dos dia de hoje: celular, Facebook, Instagram e Whatsapp, o velho e bom telefone fixo resolvia, com mais lentidão é claro. Sobre a outra questão parece que os millenialls não formarão uma poupança confortavel para seu futuro, isso será um problema para as futuras gerações, que deverá ajudar a manter seus pais, algo que eu particularmente evitaria a qualquer custo.

No post senta-que-o-leão-e-bravo, fiz os seguintes comentarios sobre o ouro: ... “A opção “A” – preferida, o metal poderia atingir a região compreendida entre U$ 1.430/U$ 1.410. Se o ouro caminhar nesse sentido, vou ter proximamente um refinamento” ...

O metal acabou retraindo conforme minha expectativa, mas ainda não atingiu o nível considerado mais “seguro” para a compra. No gráfico a seguir, tracei os níveis para essa nova sugestão de trade. Compra no nível de U$ 1.415, com stoploss a U$ 1.375.

Tive dificuldade em estabelecer o stoploss, pois o “correto” seria U$ 1.350. Acontece que, como o ouro subiu muito pelos padrões atuais, os prejuízos podem ser elevados em termos percentuais, caso o stoploss fosse atingido. Nesse caso, do preço de compra até o stoploss “correto” imprimiria uma perda de 4,8%. Preferi ficar com o “mais econômico” 2,9%, que caso aconteça, eliminaria o que considero mais provável nessa situação.

O SP500 fechou a 3.094, sem variação; o USDBRL a R$ 4,17197, com alta de 0,29%; o EURUSD a 1,1004, sem variação; e o ouro a U$ 1.463, com alta de 0,44%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário