2020: O risco vai compensar?

25 de novembro de 2019

A realidade confronta as expectativas



Nouriel Roubini, o renomado economista que previu a crise de 2009, escreveu um artigo recente, enumerando os riscos existentes nas economias mundias, que foram encobertos pela recente euforia dos mercados. A seguir encontram-se seus argumentos.

A mudança repentina de risco reflete quatro desenvolvimentos positivos. Primeiro, é provável que os EUA e a China cheguem a um acordo de "primeira fase" que pelo menos interrompa temporariamente qualquer nova escalada de sua guerra comercial e tecnológica. Segundo, apesar da incerteza em torno da eleição do Reino Unido em 12 de dezembro, o primeiro-ministro Boris Johnson conseguiu pelo menos garantir um acordo provisório de "Brexit" com a UE, e as chances de o Reino Unido cair fora do bloco foram substancialmente reduzidas.

Terceiro, os EUA demonstraram restrição diante das provocações iranianas no Oriente Médio, com o presidente Donald Trump percebendo que ataques cirúrgicos contra esse país podem resultar em uma guerra em grande escala e em um grave aumento no preço do petróleo. E, finalmente, o Federal Reserve dos EUA, o Banco Central Europeu e outros grandes bancos centrais superaram os ventos geopolíticos ao facilitar as políticas monetárias. Com os bancos centrais mais uma vez resgatando, mesmo pequenos “rebentos” - como a estabilização do setor manufatureiro dos EUA e a resiliência dos serviços e crescimento do consumo - foram tomados como precursores da renovada expansão global.

No entanto, há muito a sugerir que nem tudo está bem com a economia global. Para começar, dados recentes da China, Alemanha e Japão sugerem que a desaceleração ainda está em andamento, mesmo que seu ritmo tenha se tornado menos severo.

Segundo, enquanto os EUA e a China podem concordar com uma trégua, a dissociação em curso das duas maiores economias do mundo quase certamente se acelerará novamente após as eleições nos EUA em novembro próximo. A médio e longo prazo, o melhor que se pode esperar é que a iminente Guerra Fria não fique quente.


 Terceiro, embora a China tenha demonstrado moderação ao enfrentar o levante popular em Hong Kong, a situação na cidade está piorando, tornando provável uma repressão forçada em 2020. Entre outras coisas, uma resposta militarizada da China pode inviabilizar qualquer acordo comercial com os EUA e chocar mercados financeiros, bem como empurrar Taiwan na direção das forças que apoiam a independência - uma linha vermelha para Pequim.

Em quarto lugar, embora um “Brexit duro” pode estar descartado, a zona do euro enfrenta um mal-estar aprofundando que não está relacionada a partida iminente do Reino Unido. A Alemanha e outros países com espaço fiscal continuam resistindo à demanda por estímulos. Pior, a nova presidente do BCE, Christine Lagarde, provavelmente será incapaz de fornecer muito mais em termos de estímulo à política monetária, já que um terço do Conselho do BCE já se opõe à atual rodada de flexibilização.

Além desafios decorrentes do envelhecimento da população, o enfraquecimento da demanda chinesa, e os custos de conhecer novas normas de emissões, a Europa também continua vulnerável a ameaça muitas vezes repetida de Trump de impor tarifas de importação na Alemanha e outros carros europeus. E principais economias europeias - não menos importante Alemanha, Espanha, França e Itália - estão experimentando ruídos políticos que poderia se traduzir em problemas econômicos.

Em quinto lugar, com sanções lideradas pelos EUA que agora alimentam tumultos nas ruas, o regime iraniano não terá outra opção senão continuar fomentando a instabilidade na região como um todo, a fim de aumentar os custos da atual abordagem americana. O Oriente Médio já está em turbulência. Protestos maciços surgiram no Iraque e no Líbano, um país que está efetivamente falido e sob risco de uma crise monetária, de dívida soberana e bancária. No vácuo político atual, o Hezbollah, apoiado pelo Irã, pode decidir atacar Israel. A incursão da Turquia na Síria introduziu muitos novos riscos, incluindo o fornecimento de petróleo do Curdistão iraquiano. A guerra civil do Iêmen não tem fim à vista. E Israel está atualmente sem governo. A região é um barril de pólvora; uma explosão pode provocar um choque de óleo e um episódio renovado de risco.

Sexto, os bancos centrais estão atingindo os limites do que podem fazer para conter a economia, e a política fiscal permanece restrita pela política e por altas dívidas. Certamente, os formuladores de políticas poderiam recorrer a medidas ainda mais não convencionais - ou seja, déficits fiscais monetizados - sempre que ocorrer outra recessão, mas não o farão até que a próxima crise já seja grave.

Sétimo, a reação populista contra a globalização, o comércio, a migração e a tecnologia está piorando em muitos lugares. Numa corrida para o fundo, mais países podem adotar políticas para restringir o movimento de bens, capital, trabalho, tecnologia e dados. Enquanto recentes protestos em massa na Bolívia, Chile, Equador, Egito, França, Espanha, Hong Kong, Indonésia, Iraque, Irã e Líbano refletem uma variedade de causas, todos estão experimentando mal-estar econômico e crescente ressentimento político sobre a desigualdade e outras questões.

Oitavo, os EUA sob Trump podem se tornar a maior fonte de incerteza. As políticas externas comerciais de Trump "America First" correm o risco de destruir a ordem internacional que os EUA e seus aliados criaram após a Segunda Guerra Mundial. Alguns na Europa - como o presidente francês Emmanuel Macron - temem que a Otan agora esteja em coma, enquanto os EUA estão provocando, em vez de apoiar seus aliados asiáticos, como Japão e Coréia do Sul. Nos EUA, o processo de impeachment levará a impasses e guerras ainda mais bipartidárias, e alguns democratas que concorrem à indicação do partido têm plataformas políticas que estão deixando nervosos os mercados financeiros.

Por fim, as tendências de médio prazo podem causar ainda mais danos e perturbações econômicas: o envelhecimento demográfico nas economias avançadas e nos mercados emergentes reduzirá inevitavelmente o crescimento potencial e as restrições à migração piorarão o problema. A mudança climática já está causando danos econômicos dispendiosos, à medida que eventos climáticos extremos se tornam mais frequentes, virulentos e destrutivos. E, embora a inovação tecnológica possa expandir o tamanho da torta econômica a longo prazo, a inteligência artificial e a automação primeiro interromperão empregos, empresas e indústrias inteiras, exacerbando os já altos níveis de desigualdade. Sempre que ocorrer a próxima desaceleração severa, as altas e crescentes dívidas públicas e privadas serão insustentáveis, desencadeando uma onda de inadimplência e falências desordenadas.

A desconexão entre os mercados financeiros e a economia real está se tornando mais acentuada. Os investidores estão felizes em se concentrar na atenuação de alguns riscos de curto prazo e no retorno dos bancos centrais à flexibilização da política monetária. Mas os riscos fundamentais para a economia global permanecem. De fato, de uma perspectiva de médio prazo, eles estão realmente piorando.

Sem dúvida, seus argumentos são pertinentes, todos esses pontos merecem acompanhamento. Mas como isso se confronta com o atual otimismo do mercado onde as bolsas americanas atingem recordes seguidos? O argumento que estão baratas não se pode usar, pois se podemos classificar sob esta métrica, estão até caras. Com as ações de tecnologia liderando, se pode extrair que, o mercado acredita que novas tecnologias criarão empresas com resultados muito superiores aos existentes, e ao mesmo tempo, desbancar empresas consideradas líderes em seus seguimentos, criando valores estupendos a seus acionistas. Sendo assim, se as ameaças exógenas forem eliminadas (os 4 argumentos inicias desse artigo), as bolsas só poderiam subir.

Para guiar o Mosca, ao invés de ficar imobilizado com os argumentos apontados por Roubini, ou embarcar na compra seguindo o mercado de forma irrestrita, mantemos a posição de observar o mercado e agir em concordância, sem deixar de observar os sinais e parâmetros indicados pela análise técnica. Não temos problema nenhum em adotar uma postura otimista ou pessimista, basta o mercado nos indicar. Let´s the market speak!

No post renminbicoin, fiz os seguintes comentários sobre o dólar: ... “negociando acima de R$ 4,20 no fechamento, será o triger para sugerir um trade de compra de dólar” ... ... “Caso haja o rompimento (para cima), os objetivos passam a ser: R$ 4,40, que se rompido o próximo é R$ 4,50 e finalmente R$ 4,80, esse último uma alta nada desprezível de 15%” ...

Na última semana o dólar está buscando romper definitivamente a barreira dos R$ 4,20, sendo que, existe ainda a possibilidade (baixa) de que isso não aconteça. O gráfico a seguir de janela mensal aponta uma confluência no nível de R$ 4,45, o que faz desse nível o maior candidato de objetivo. Entretanto, caso continue subindo, o próximo patamar seria ao redor de R$ 4,90, ou ainda R$ 5,30.

A boa notícia é que, terminado essa alta, o dólar entraria num período de correção por diversos meses que levaria a cotação aos níveis compreendidos entra R$ 3,90 a R$ 3,50. É importante frisar que, esses níveis são bem imprecisos pois depende ainda de muita informação desse movimento final. O que eu quis adiantar é a direção.
Eu atualizei minha análise do DXY – dólar Index e parece que o mesmo caminha para um ápice que pode acontecer em dois níveis apontados abaixo.

Como aponto acima, o primeiro se localiza ao redor de 100.5, e caso não reverta, ao redor de 104. Considerando que, o euro representa quase 70% do índice, um cálculo aproximado levaria a moeda única para 1,0775, e o seguinte a 1,0415. Essa análise estaria em concordância com o sentido apontado na análise do dólar acima.

Tudo isso é muito interessante, só falta combinar com o mercado! Hahaha ...

O SP500 fechou a 3.130, com alta de 0,65%; o USDBRL a R$ 3,2223, com alta de 0,62%; o EURUSD a 1,1010, com queda de 0,10%; e o ouro a U$ 1.454, com queda de 0,49%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário