2020: O risco vai compensar?

15 de setembro de 2020

Potência máxima

 

O Fed está inicializando sua reunião de política monetária hoje, cujo resultado será anunciado amanhã. Do lado político, a tão esperada extensão dos benefícios implementados na pandemia, parece não acontecer. O partido democrático e o republicano, com um olho nas eleições, devem ter seus motivos para essa pausa. Sendo assim, o que o Fed poderia fazer a mais para compensar essa falta?

Reagindo às crescentes indicações de uma recuperação moderada, alguns economistas e analistas de Wall Street estão pressionando o Federal Reserve a fornecer uma "orientação futura" ainda mais estimulante em sua reunião de política desta semana. O Fed é facilmente capaz de fazer isso, e não apenas sob os auspícios de seu paradigma operacional de dependência de dados e mentalidade de segurança há muito estabelecido. As revisões da estrutura do mês passado criaram estruturalmente mais flexibilidade, permitindo uma meta de inflação mais alta em períodos como agora.

No entanto, o que é operacionalmente viável não é tão claramente desejável. Quanto mais o Fed segue sozinho esse caminho, maiores são os riscos para o bem-estar econômico e sua própria credibilidade. Além disso, os desafios não se limitam a problemas domésticos.

Os pedidos de seguro-desemprego da semana passada, com um aumento nos registros iniciais e contínuos, se somaram a um conjunto crescente de indicadores, sugerindo que o ritmo de recuperação econômica da Covid-19 está diminuindo. O impasse contínuo no Congresso sobre o próximo pacote de ajuda aumenta as preocupações sobre o que virá em uma situação de redução do apoio governamental à renda, um mercado de trabalho menos dinâmico e hesitação contínua em investimentos empresariais. As perspectivas para o resto do mundo oferecem pouco alívio para esse quadro sombrio. A Europa enfrenta novos surtos. Alguns países estão optando novamente por bloqueios econômicos altamente restritivos, mais recentemente a Indonésia e Israel. A atividade do setor de serviços não está acompanhando o ritmo da manufatura na China.

Não é surpreendente que, em tal ambiente, alguns estejam pedindo ao Fed para injetar mais estímulos especificamente, estendendo o período antecipado de taxas de juros zero e mostrando maior inclinação para expandir novamente o tamanho e o escopo de seu programa de compra de ativos.

Existem poucos, se houver, limites diretos para o Fed fazer isso. Tendo operado em um paradigma de dependência de dados particularmente frouxos, no qual os bancos centrais respondem rapidamente a sinais de fraqueza da política econômica, tem cobertura mais do que suficiente, graças a lacunas de mandato duplo que exigem o aumento do emprego e a inflação para cima. Uma razão adicional vem da mentalidade do banco, que argumentou repetidamente que é mais fácil, e menos caro, em um ambiente de formulação de políticas tão incerto, reverter um erro de super estimular do que sub estimular a economia. Como se isso não bastasse, o Fed anunciou no final de agosto que as revisões do arcabouço que orienta a política monetária no médio prazo visam uma taxa de inflação média, permitindo assim aquecer a economia para compensar os déficits anteriores.

Mas as coisas ficam muito mais turvas quando mudamos do que é viável para o que é desejável. Considere as seguintes cinco questões:

 Em primeiro lugar, a maioria concorda que a política monetária mostrou repetidamente uma eficácia limitada no combate ao impacto negativo das pressões econômicas decorrentes do choque da Covid-19. As condições financeiras do mercado são muito frouxas, conforme indicado pelos estreitos spreads de risco dos títulos e pela elevada relação preço / lucro das ações, e praticamente não há limites para o acesso aos mercados de capitais.

Em segundo lugar, uma política monetária ainda mais frouxa provavelmente resultará em uma maior desconexão dos mercados financeiros, e da economia real. Isso poderia facilmente ampliar a visão de que o Fed está agravando a desigualdade. Embora as autoridades tenham tendido a afastar - pelo menos em público - o risco para a estabilidade financeira futura de mercados supervalorizados.

Terceiro, a ameaça de um aumento da inflação em um ou dois anos não pode ser ignorada tão facilmente quanto no passado recente. Os dados estão captando evidências crescentes de formação de preços mais altos e irregulares. Considerações relevantes a esse respeito também incluem expectativas crescentes de piora da concentração de empresas e do maior poder de precificação que vem com isso, um período plurianual mais geral de desglobalização gradual, reduzindo a concorrência e a fraqueza do dólar aumentando os preços de importação.

Quarto, o maior ativismo do Fed poderia muito bem contribuir para atrasos nas ações do Congresso sobre as iniciativas de política econômica. Especificamente, os legisladores republicanos e a Casa Branca têm menos probabilidade de buscar um acordo com os democratas se o mercado de ações continuar indo bem. E quanto mais se aproxima das eleições de novembro, mais barulhento fica o jogo da culpa política e menor é a janela para acordos.

Finalmente, e provavelmente a questão que terá o menor impacto nas deliberações: Os efeitos colaterais para as economias emergentes. A política frouxa do Fed está empurrando mais uma rodada de capital estrangeiro volúvel em busca de retornos mais elevados (ou, mais precisamente, escapando de retornos muito baixos nos EUA e em outros países avançados). Essa virada adicional no fenômeno de capital estrangeiro para os mercados emergentes ocorre em um momento de dívida mais alta, flexibilidade política reduzida e probabilidade crescente de um "paradigma de não pagamento".

Reconciliar essa lacuna viável e desejável não consiste em buscar milagres de política monetária. Em vez disso, outros formuladores de políticas precisam intensificar os esforços em outras áreas. Isso ajudaria os bancos centrais a cumprir seus objetivos e, mais importante, a garantir uma recuperação econômica mais forte, inclusiva e sustentável. Na ausência disso, é mais provável que o Fed opte pelo que é viável, em vez do que é melhor.

Sem uma solução para as enormes disparidades que ocorrerem por conta do Covid-19, que por um lado ocasionaram desemprego e fechamento de empresas em diversos setores da economia, enquanto outros setores foram muito beneficiados. A enorme distância entre os pouquíssimos muito ricos e a quase totalidade da população ficando cada vez mais pobres, e com poucas oportunidades de melhoria de vida, o jeito é continuar injetando recursos no sistema. Sem dúvida, é um equilíbrio instável!

No post previsão-out-of-box, fiz os seguintes comentários sobre o euro: ... “No gráfico acima apontei os níveis onde a correção deveria ser contida. Vou sugerir comprar euro a € 1,17 com stoploss a € 1,16, em busca de um target ao redor de € 1,21 inicialmente” ... Nada feito até o momento, o euro está contido numa região estreita.


Como vocês sabem, na maioria dos ativos que acompanho, existem dois cenários. As vezes indicam na mesma direção e em outras em direção oposta, porém, sempre existe um de preferência. Essa última situação acontece no caso do euro. Decidi que somente vou publicar o que acredito mais provável, sem deixar de mencionar o que invalida.

No gráfico acima destaquei com a parábola como a moeda única se encontra contida entre € 1,17 a € 1,20 desde o início de agosto. Os níveis apontados em destaque colorido a direita, representa os possíveis níveis onde aconteceria a reversão. Notem que em € 1,1730 ocorre uma congruência através de 2 formas distintas. Quando isso acontece, essa passa a ser um nível com mais chance. Por fim, ao redor de € 1,1620 a região mais abaixo.

Caso ocorra a reversão da forma como eu acredito, se poderia esperar uma alta a 1,22/ 1,2360, tudo a ser mais bem definido quando esse movimento estiver em curso.

As posições na direção da valorização do euro se encontram em níveis muito elevados, isso pode ser um peso para o mercado. Para que essas apostas sejam liquidadas é necessário algum catalizador, qual seria não importa muito para a análise técnica. O importante é o preço, todo resto deixamos para os fundamentalistas explicarem!

O SP500 fechou a 3.401, com alta de 0,52%; o USDBRL a R$ 5,2833, com alta de 0,27%; o EURUSD a 1,1847, com queda de 0,18%; e o ouro a U$ 1.953, com queda de 0,17%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário