Inflação: A Revanche

22 de setembro de 2015

As fraquezas do Homem

Eu não sei vocês, mas eu fiquei chocado ao saber que a Volkswagen está sendo acusada, pelas autoridades americanas, de manipular os testes de emissão de gases imposto por aquele país. O mais impressionante é que não houve nenhuma contestação pela companhia, apenas um pedido de desculpas e o reconhecimento do erro.

Como consequência as ações dessa companhia já caíram mais de 30%, uma vez que, vários países estão demandando a mesma verificação. Desde ontem nenhum carro é vendido, ou melhor, comprado!



Sem entrar nos detalhes do ocorrido, nem tampouco dos prejuízos decorrentes de tal revelação, gostaria de focar do por que uma empresa com essa, precisa correr este tipo de risco. Primeiro é necessário analisar como é seu CEO, Martin Winterkon. As informações dão conta que é um executivo há muitos anos a frente da companhia, e que gosta de dar palpites em todos os detalhes, sendo assim, seria muito difícil ele não saber desta falcatrua.

Eu não sei qual é o motivo que fez com que a maior fabricante de automóveis do mundo tomasse esta decisão, mas provavelmente, a omissão timha impacto em seus resultados, ou seja, se tivesse que seguir a regra americana, afetaria seus lucros. Não posso acreditar que fosse por leniência, ou até incompetência em seguir as regras.

Dentro dos sete pecados capitais, este caso se enquadra na ganância, em meu ponto de vista, sintoma presente em toda história da humanidade. Acontece que nas últimas décadas, com uma enorme concentração de renda observada no mundo, ocasionada pela valorização dos ativos, aguçou os homens a se tornarem cada vez mais ricos e poderosos, a qualquer custo.

Refleti se esse caso é muito diferente do "lava-jato", que mais está parecendo uma telenovela da Globo, com revelações que beiram a ficção. Na essência não é muito, ambos são motivadas pelo poder e por dinheiro. Porém existe um fator que não pode ser desprezado, enquanto aqui, o "CEO" se esquiva da responsabilidade dizendo que não sabia de nada, lá em questão de horas, toda a responsabilidade foi assumida. A razão é que a sociedade Alemã está se sentindo envergonhada por expor uma companhia de tal importância num escândalo com essa repercussão, enquanto por aqui essas coisas são normais, pois confunde o ato de errar com a normalidade dessas ocorrências, acobertadas com frases do tipo: ..."todos os políticos são desonestos..."!

Não se pode saber como vai terminar este escândalo, nem tampouco os seus prejuízos. Mas é uma mancha negra numa empresa de elevado conceito, e num país muito serio. Isso não contribui em nada ao cenário instável em que se encontra as economias mundias.

Eu venho enfatizando a elevada correlação entre os mercados, desafiando os modelos acadêmicos de diversificação. Veja a seguir como as bolsas do mundo vêm se comportando ultimamente.
Todas em posições tecnicamente delicadas. A pergunta a se fazer é se, um evento como esse, desencadeará uma queda do DAX abaixo do suporte, empurrando as outras bolsas. Por exemplo, a bolsa americana estava apontando 2% de queda antes da abertura. Se você tem ações, sugiro que tome cuidado e atualize seus stoploss.

Hoje pela manhã o dólar rompeu a cotação de R$ 4,00, isso tem implicações muito importantes do ponto de vista técnico. Aguardem para breve novas projeções. Posso adiantar que o movimento de longo prazo de alta do dólar, que teve um pico 2002, e desde então não havia superado aquele ponto, ao ultrapassa-lo, indica novas altas para o futuro. Este não é o assunto de hoje, mas daqui em diante sou comprador de dólares, o fato de ter ultrapassado hoje sem nenhum retrocesso, vislumbra R$ 4,40 em breve.

No post raspando-o-prato, fiz uma proposta de trade no euro: ...Acredito que é mais provável que o euro suba até 1,185, ou até um pouco mais, antes de voltar a cair, mas como vocês sabem, este é um movimento de correção. Se você quiser fazer uma "apostinha", poderiam comprar entre 1,125/1,13, com stop a 1,1080. "Ficha na traiçoeira"! Hahaha... Depois de executado, a moeda única chegou a subir até 1,145, em seguida um movimento de queda começou a se desenrolar.


Já estamos próximos do stop e seria necessário uma recuperação rápida. Aqui vale a recomendação que venho repetindo para o euro, primeiro que o movimento está numa correção e segundo que ela faz jus ao seu apelido de "traiçoeira"!

Amanhã não haverá publicação do Mosca, retornando na próxima quinta-feira.

O SP500 fechou a 1,942, com queda de 1,23%; o USDBRL a R$ 4,0487, com alta de 1,68%; o EURUSD a 1,1118, com queda de 0,69%; e o ouro a US$ 1.124, com queda de 0,80%.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário