Inflação: A Revanche

3 de março de 2016

"Bar-robot"


O setor de serviços do mercado americano vinha bem, obrigado, enquanto o setor industrial sofre com transferências das fábricas para todos os cantos do mundo. Nesta situação, a criação de empregos era majoritariamente no setor de serviços. O setor de saúde e dos alimentos eram os que mais contratavam.

Hoje foi publicado o dado de PMI de serviços para o mês de fevereiro - 49,7, que indica uma contração. Esse resultado é o menor desde 2010.


Segundo o relatório da empresa Markit ..."business activity stagnated in February as malaise spread form the manufacturing sector to services. The Markit PMIs are signalling a stagnation of the economy in February, suggesting growth has deteriorated further since late last year. Prices pressures are waning again in line with faltering demand. Average prices charged for goods and services are dropping once again, down for the first time in five months, as firms compete to win new business". Resumindo: O gato subiu no telhado!

Esse relatório implica que, agora não só o setor de manufatura tem um grande número de dispensas, como também começa a acontecer no setor de serviços. Com a publicação dos dados de desemprego amanhã, onde o mercado espera a criação de 188.000 novas vagas, o gráfico abaixo pode indicar algo diferente do que os economistas estão esperando.




Comentava-se recentemente que, arrumar emprego de barman num restaurante era fácil, havia demanda crescente pela abertura de novos estabelecimentos. Para quem viaja ao exterior, vê nos bares, jovens universitários fazendo um bico, com salários que, muitas vezes, ultrapassam a de empregos mais qualificados. Talvez essa "mamata" esteja terminando, ou no mínimo desacelerando, como pode-se verificar a seguir na queda do NRA - Restaurant Performance Index, um índice que acompanha a perspectiva da indústria de restaurantes.





Se acontecer algo semelhante como a crise de 2008, onde um grande número de postos foi fechado neste setor, os estudantes terão que buscar outro trabalho para complementar sua renda, enquanto estão estudando.

No futuro, quando esse setor se expandir novamente, é provável que se encontre robôs, servindo nos restaurantes. Os proprietários, ao invés de contratarem barman, vão investir em "bar-robot", com capacidade de preparar qualquer drink com precisão. Daí em diante, em qualquer nova crise, não irão pagar todos os custos de uma demissão, basta guardá-los na dispensa! Hahaha...


O dólar levou um tombo com uma queda expressiva de 2,5%, negociando abaixo de R$ 3,80. Muitos leitores me perguntaram qual o motivo para baixa tão expressiva se a situação continua tão ruim - Novas delações premiadas, Delcídio na Isto é, Lula vai ser preso, Dilma vai cair, e etc... Não esquentem a cabeça, o motivo é simples: PREÇO!

No post juros-101, fiz os seguintes comentários: ...Os dados de curto prazo de momentum aceitam qualquer cenário, ou uma alta ou uma baixa de curto prazo, está totalmente dividido... O meu amigo até ficou bravo comigo, pois queria que eu me posicionasse a qualquer custo e eu respondi: ...Vou ficar esperando mais definição, dinheiro continua não sendo capim!...

No post conselhos-sem-riscol, comentei que esperava três cenários no curto prazo: Vermelho; verde; ou cinza - consulte o post para maiores detalhes. Com o rompimento do nível de R$ 3,85, o verde é que está prevalecendo ..."Em relação ao real, enquanto o nível de R$ 4,25 não for ultrapassado, acredito numa "mini" queda para um nível de R$ 3,85 - R$ 3,60... ..."Eu poderia considerar alcançado o objetivo desta mini-queda, porém acredito que possa cair ainda mais um pouco.


Veja a seguir como foi o movimento do dólar depois da publicação acima.



Até segunda ordem vou trabalhar com um objetivo de R$ 3,60, depois disso pensamos no que fazer. Naturalmente, para quem tem compromissos em dólares, recomendo sua liquidação nesse processo de queda, pois por enquanto, trabalho com uma alta do dólar no futuro.

- David, legal, mas você não ganhou nada com esse call!
Se você lembrar, nos fomos stopados em janeiro, e desde então fiquei neutro. Mas não recomendei compra de dólar, só se as cotações ultrapassassem R$ 4,25. Eu considero já não estar comprado um grande lucro, pois não foi o que a maioria dos economistas e a Empiricus - "A terrorista de plantão", recomendaram. Ao contrário, essa última em um de seus relatórios em 05/02/2016, mencionado no post eu-serei-você-amanhã, comentou: ..."Gosto bastante da ideia de comprar dólares abaixo de R$ 3,90"... Seus assinantes não devem estar muito felizes. 

O objetivo deste desabafo não é o de me vangloriar, vou acertar como vou errar no futuro. Mas minhas recomendações são sempre um misto de análise das informações em conjunto com a análise técnica. Essa última evita que, uma má interpretação se transforme num prejuízo sem limites. O que vale é o compromisso com o bolso!

O SP500 fechou a 1.993, com alta de 0,35%; o USDBRL a R$ 3,7976, com queda de 2,44%; o EURUSD a 1,0955, com alta de 0,83%; e o ouro a US$ 1.263, com alta de 1,85%.
Fique ligado!


Nenhum comentário:

Postar um comentário