Inflação: A Revanche

17 de março de 2016

Inside information


Acredito que todos saibam o significado do termo em inglês "Inside Information", é quando uma pessoa detém uma informação que poderá beneficiá-la. No início da minha carreira essa prática era muito mais comum que hoje, havia menos regulamentação. Hoje em dia ela é mais rara.

Ontem, "na calada da noite', o Delegado Moro fez público uma série de conversas entre o Lula e vários integrantes do governo, inclusive a Presidente. Não vou entrar em detalhes, uma vez que, pela alto desenvolvimento tecnológico em que vivemos, até várias manifestações instantâneas, foram organizadas e executadas logo em seguida a divulgação.

Isso mostra a raiva que está dentro da população brasileira, principalmente o grupo dos "pensantes" que estão muito engajados, enquanto o grupo dos "beneficiários" começa a repensar sua posição em função de tudo que está sendo publicado, e pelo aumento do desemprego.

O "cumpanheiro", pela sua arrogância, achou que ninguém teria "peito" para grampear seu telefone, afinal ele é o Lula. Mas se enganou! Falando coisas que nem se falariam ao pé de ouvido, expôs o que ele realmente é. Falou mal de todo mundo, e com isso, incita mais raiva nas pessoas que estão envolvidas na operação lava-jato: O Supremo, Presidente da Câmera e Senado, Procurador da República além de mencionar alguns Ministros do Supremo nominalmente. Isso, só aumenta o número de pessoas que talvez ficassem à seu lado e agora terão que abandoná-lo. Imaginem como esses Ministros se portarão daqui em diante, depois de terem sido desvalorizados, para dizer pouco.

A ação do Moro e sua equipe, como venho frisando, é de estrategistas muito competentes, e isso deixou o "cumpanheiro", a Presidente, e seus asseclas totalmente desnorteados, eles não têm a menor ideia do que fazer, basta ver seus argumentos, sempre os mesmos.

Sr. Lula, não adianta tentar escapar, o delegado Moro tem "Inside Information", ele sabe muito mais que você, de você mesmo. Tudo aquilo que esqueceu ou não conhece bem, ele tem informação. Agora Lula, você também facilita o trabalho, quando age de maneira prepotente, e dá mais informações de "graça'! Continuo achando que a queda desse governo é uma questão de tempo.

Agora tem um subproduto fantástico de toda essa operação, que se diria em finanças, o custo marginal da corrupção subiu astronomicamente. Todo empresário sabe fazer essa conta, se para sonegar ganha "X", mas pode ter que pagar "Y", sendo Y>X, não sonega. Ficou transparente para a população que ao sonegar agora, corre o risco de ser investigado por uma equipe altamente aparelhada, enquanto o sonegador é um amador nesse campo.

Completando sobre o assunto FED, abaixo encontra-se um gráfico ilustrando que a política monetária dos USA, encontra-se dessincronizada com o resto do mundo, fazendo com que o FED tenha uma postura mais conservadora.



Um último dado antes de entrar na análise do dia, é sobre um gráfico comparativo do custo unitário de mão de obra na Indústria em vários países. Um país que chama a atenção é a China, que perdeu sua  grande vantagem em relação aos USA. No caso brasileiro, aconteceu mais ou menos esperado, a perda expressiva de competitividade, que só melhorou de 2012 para 2016, por conta da desvalorização do real.


Como o assunto de hoje é "Inside Information", fiquei pensando se o Lula estava vendido no "kit Brasil". Para quem não sabe, antigamente se dizia no mercado que, se o Brasil estava bem a sugestão era comprar o "kit Brasil", caso contrário vendia. Esse kit era composto de: DI, real e bolsa. O "cumpanheiro" sabia que seria eleito Ministro e que o mercado não iria gostar, mesmo isso sendo um sinal negativo do mercado à sua nomeação, o que vale é o bolso, principalmente para esse grupo.

Mas Moro, tinha uma informação melhor, e quase posso garantir que ele não operou essa informação. Mas se Lula operou se deu mal, e na bolsa não tem como eliminar o prejuízo,

Hoje o "kit Brasil" está em alta, vou comentar sobre o real. No post selfie-do-povo, fiz os seguintes comentários sobre o dólar: ..."Procure se atentar nas cotações destacadas em vermelho, a primeira R$ 3,40-3,45 e a segunda R$ 3,25-3,20. Esses níveis serão os próximos objetivos, caso o dólar continue a cair.  Existe também uma chance de estarmos observando a mínima antes de uma alta que levaria o dólar acima de R$ 4,25, mas ainda é muito prematuro para uma ação."...



Eu frisei na anotação acima, porque havia uma chance de uma correção de curto prazo plenamente aceitável, dados alguns parâmetro técnicos. 



Eu só posso dizer que o real vai cair mais, se negociar abaixo da mínima de R$ 3,57, antes disso é palpite. Pela violência da reversão, e em continuando, o "dólar-dólar" a perder força no exterior, trabalho com uma queda do dólar por aqui. A região é um pouco extensa, mas é onde vários indicadores apontam. Em todo caso, acredito que a mais provável é entre R$ 3,40 - 3,45. Se chegar lá, vamos nos preparar para comprar dólar.

- David, mudou as cores dos gráficos? É marketing?
Não, achei que com as cores azuis para indicar alta no dia, e vermelha baixa, fica mais claro para vocês.

Agora vocês não acham que o Mosca tinha duplo "Inside Information", não é? Análise técnica é baseada numa série de parâmetros, e cabe ao analista julgar qual seria o próximo movimento. Tudo baseado em probabilidades, assim não existe certeza de nada, como podia se esperar. Às vezes acerta, às vezes erra, A grande diferença com a análise fundamentalista, é que não se fica amarrado a uma ideia, se não deu certo abandone. Essa é a razão de se usar o stoploss.

O SP500 fechou a 2.040, com alta de 0,67%; o USDBRL a R$ 3,6258, com queda de 3,08%; o EURUSD a 1,1317, com alta de 0,85%; e o ouro a US$ 1.257, com queda de 0,40%.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário