2020: O risco vai compensar?

27 de julho de 2020

Jogo perigoso



A estratégia usada para combater a pandemia, pelos bancos centrais do mundo, tem risco. Acredito que eles sabem, ou deveriam saber, que ao injetar volumes enormes de liquidez no sistema, existe a possibilidade de a inflação subir acima do desejado. Talvez o que eles não acreditam é que dados as condições atuais, essa possibilidade tem probabilidade não tão pequena. Mas os mercados talvez não enxerguem deste modo.

Esta semana o FOMC, Comitê de política monetária nos EUA, se reúne na quarta-feira, sem que se espere grandes mudanças. O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, provavelmente ouviu tudo sobre rendimentos reais negativos dos EUA: como eles são devastadores para as pensões e as seguradoras, fazendo com que as avaliações sobre ações superem a recuperação econômica, incentivando uma debandada no ouro e fora do dólar e dando a luz verde para as empresas americanas devorarem dívidas baratas mais uma vez.

A mensagem que ele e seus colegas provavelmente transmitirão na reunião desta semana é: Tudo bem conosco.

Há meses, o rendimento do Tesouro dos EUA de 10 anos está em torno de 0,6%. Os traders de títulos têm poucas razões para apostar que isso mudará muito, dado que o Fed ainda está comprando US $ 80 bilhões em títulos do Tesouro por mês e mantendo a porta aberta para o controle da curva de juros, o que garantiria que as taxas de curto prazo fiquem próximas de zero . Enquanto isso, as expectativas de inflação do mercado para a próxima década aumentaram gradualmente após os esforços de alívio fiscal em todo o mundo, atingindo 1,5% na semana passada pela primeira vez desde fevereiro.


A diferença entre os dois é o rendimento "real" de 10 anos nos EUA. Na semana passada, caiu para -0,93%, rompendo o nível mais baixo de fechamento de todos os tempos, de -0,92%, estabelecido em dezembro de 2012. Veja mais no post o-juro-invisível.


Se o Fed conseguir o que quer, os rendimentos reais negativos devem durar pelo menos mais um ano - se não mais. Os estrategistas do Bank of America estão entre os que afirmam que as taxas reais podem cair para -1% se a pandemia de coronavírus pairar sobre a recuperação econômica e incentivar os bancos centrais a fortalecer suas orientações futuras.

A primeira parte desse critério já aconteceu, já que o Cinturão do Sol enfrentou sua própria onda de surtos de Covid-19, assim como os estados do Nordeste atingidos anteriormente finalmente começaram a reabrir. A segunda parte sobre orientação avançada aprimorada também foi divulgada, pelo menos para aqueles que monitoram de perto os oradores do Fed. É claro que, existe um consenso crescente entre os líderes do banco central de que eles devem se comprometer a manter as taxas de juros próximas de zero, até que a inflação real atinja - e de preferência exceda - sua meta de 2%.

O governador do Fed, Lael Brainard, recentemente expressou apoio a essa estratégia. Da mesma forma, fez o presidente do Fed da Filadélfia, Patrick Harker: "Sou favorável à ideia de deixar a inflação subir acima de 2% antes de tomarmos qualquer ação com relação à taxa de fundos federais". O presidente do Fed de Chicago, Charles Evans, e o presidente do Fed de Dallas, Robert Kaplan, disseram que estão abertos a ultrapassar a meta. Mesmo antes da economia vacilar, Powell disse que ele e seus colegas queriam "enviar um sinal mais claro de que não estamos confortáveis ​​com a inflação persistentemente abaixo do nosso objetivo simétrico de 2%".

Também é um território desconhecido para os traders de títulos dos EUA. O conceito de taxas de juros negativas tem sido um assunto do mercado global de dívida há anos. Mas, na maioria das vezes, ela se limita aos rendimentos, reais e absolutos, para investidores em dívida soberana na Alemanha e no Japão. Os rendimentos reais negativos nos EUA, em comparação, são um fenômeno raro. Desde a “birra cônica” de 2013, a taxa ajustada pela inflação em 10 anos caiu apenas abaixo de zero algumas vezes e nunca por muito tempo.

Desde meados de 2013 até o início deste ano, o título de longo prazo sempre indicou ceticismo quanto a um forte aumento da inflação. Os rendimentos reais de 10 anos apenas aumentaram acima de 1% em um período fugaz no final de 2018, após o qual o Fed passou a cortar as taxas de juros. Certamente, é possível que uma mudança significativa na estrutura do banco central convença os traders de que, um crescimento mais acentuado dos preços está chegando no futuro próximo. Em todo caso, esse tipo de expectativa levaria os investidores a vender títulos do Tesouro, aumentando os rendimentos de referência.

Nem tudo é igual, no entanto. O Fed não deu nenhuma indicação de que está perto de deixar de comprar títulos do Tesouro e títulos lastreados em hipotecas, e mostrou no passado, através da Operação Twist, que não hesitará em flexionar seus músculos para diminuir as taxas de longo prazo. No curto prazo, embora não pareça que os formuladores de políticas realmente avancem com o controle da curva de rendimento, ele certamente ainda está na mesa. Nessas condições, mesmo que a inflação comece a esquentar, até que ponto os rendimentos nominais dos EUA podem subir? Parece que não é suficiente para tornar os rendimentos reais positivos.

Para resumir, o Fed tem três opções para reforçar ainda mais a economia dos EUA, seja na reunião desta semana, em setembro, ou mesmo no final deste ano:

·         Vincular a taxa futura explicitamente à inflação atual, atingindo ou superando 2%.    
·         Controle de curva de rendimento por três ou cinco anos.
·         Ajustar as compras do Tesouro para comprar principalmente vencimentos mais longos.

Qualquer um deles suportaria rendimentos reais negativos - os três os garantiriam. Chamar a próxima fronteira de repressão financeira, não importa para Powell e seus colegas do Fed. Antes da última reunião do FOMC, Powell e seus colegas precisam de uma resposta melhor sobre as consequências da inflação de ativos, do que a que foi dada:

"Portanto, não estamos buscando atingir um nível específico de nenhum preço de ativo. O que queremos é que os investidores tenham preços em risco, como os mercados devem fazer. Os mutuários estão tomando empréstimos. Os credores estão emprestando. Queremos que os mercados estejam funcionando. E, novamente, não estamos olhando para um nível específico. "

Não se tem certeza se ele poderia dizer a mesma coisa sobre os níveis reais de juros. Gostaria de saber quais riscos, se houver, que Powell prevê da política monetária, garantindo que os rendimentos do Tesouro ficarão negativos nos títulos indexados à inflação, se tornando um elemento permanente dos mercados americanos.

Se ele disser ou não, os traders de títulos devem tratar os rendimentos reais mais baixos como uma característica, não um sub produto da estratégia do Fed. Quem ainda espera que os juros fixos do Tesouro, ou mesmo títulos corporativos de alta qualidade, superem a inflação nos próximos anos, está apenas se preparando para o desapontamento.

Os mercados não compram muito a ideia sobre a inflação, não que estejam acreditando que irá explodir, mas pelo sim pelo não, estão aumentando as posições de ouro, que está guardando uma boa correlação com os juros dos papéis indexados à inflação – TIPS.


O dólar-dólar está em queda nas últimas semanas, tendo se acelerado principalmente na derradeira. Não é nada alarmante como faz crer o noticiário, já assistimos situações bem mais dramáticas. Tudo vai depender de como a economia irá se comportar e principalmente como o Fed reagirá, caso a inflação mostre uma tendência mais maligna. É um jogo perigoso que tem que ser muito bem conduzido.

No post procura-se-um-culpado, fiz os seguintes comentários sobre o dólar: ... “O trade foi executado no dia seguinte e continua em andamento. A oscilação de preços ficou contida nesses últimos dias. Para que o leitor possa entender o que expus anteriormente, o gráfico abaixo mostra esses pontos. Se o movimento de queda que estou esperando já começou, o dólar tenderia aos níveis destacados em azul, caso contrário, uma alta poderia levá-lo a área anotada em vermelho” ...


Eu tinha colocado um stoploss bastante curto a R$ 5,22 que acabou sendo executado durante a semana passada. Meu receio era que um mini movimento de alta levasse o dólar até R$ 5,70 para depois cair – destacado em amarelo no gráfico abaixo. Mas, enquanto uma possível alta não levar o dólar ao redor de R$ 5,35, o caso base indicado em vermelho abaixo continua válido, tendo como objetivo R$ 4,80/R$ 4,70.


Na semana passada eu havia feito um comentário sobre o financiamento externo, sem ter postado o gráfico. Desculpe pela falha, estou republicando e corrigindo no original. ...” Em relação a necessidade de financiamento externo para os próximos 12 meses, a situação brasileira é bastante confortável quando comparada aos outros países emergentes. Nas últimas emissões efetuadas no exterior, a demanda foi bem superior à oferta, o que permitiu às empresas, pagassem taxas menores. Curiosamente, no gráfico a seguir, a Argentina é o país com a menor necessidade em relação ao PIB. Também, para quem deu o calote, a necessidade é zero!” ...


O SP500 fechou 3.239, com alta de 0,74%; o USDBRL a R$ 5,1438, com queda de 1,65%; o EURUSD a 1,1745, com alta de 0,78%; e o ouro a U$ 1.939, com alta de 2,02%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário